sábado, 13 de outubro de 2012

Política e Religião

  Se a Filosofia não se ocupar de Política e Religião vai se ocupar de quê!?

  Não entendo como as pessoas podem se recusar a discutir política e sistemas econômicos.
  Muita coisa em nossa vida gira em torno disso.

  Você já nasce pagando impostos, a fralda que você usa parte do valor vai para impostos seus pais pagam a conta.
  Se o parto ocorreu em hospital público isso só foi possível com dinheiro dos impostos.

  O que os políticos fazem a grosso modo é administrar a arrecadação e aplicação do dinheiro dos impostos.


  Não discutir política é não discutir como o dinheiro dos impostos será arrecadado e aplicado.
  Já pensou, você contrata uma empregada doméstica lhe paga uma boa quantia e a deixa fazer o que bem entender, só na base da confiança!
  Não estabelece prioridades, não analisa o serviço prestado, ela pode usar sua casa como se fosse dela!

  Outra função importante que cabe principalmente ao Poder Legislativo [Senadores, Deputados e Vereadores] é apresentar e aprovar leis.

  “O governo do Uruguai enviou ao Parlamento um projeto de lei para descriminalizar a maconha e controlar a produção, distribuição e comercialização da droga, uma medida com a qual o presidente José Mujica pretende combater o narcotráfico no país.” [G1]

  Vejam que o Presidente ou Primeiro Ministro podem enviar projetos de Lei para o Congresso, mas cabe principalmente a Deputados e Senadores (como representantes do povo) debater, melhorar ou vetar a lei proposta.
  Logo, não discutir política é não discutir onde gastaremos o dinheiro dos impostos e nem as leis que organizam nossas vidas... isso é muito triste/ineficiente
  Igualmente triste é o fanatismo pessoal ou partidário, enxergam o partido como um time de futebol, o eleitor se comporta como um torcedor fiel; aos craques do time é permitido absolutamente tudo.

 Esse dogma de não discutir política é tão absurdo que não sei como as pessoas o repetem com tanta frequência e pior, aplicam.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
    Não devemos discutir Religião?

  Com uns 16 anos comecei a frequentar a igreja Presbiteriana.
  Havia uma garota lá um tanto ninfomaníaca.
  [Não que eu tivesse essa percepção na época, estou olhando para o passado com minha experiência de hoje.]
  No momento da corrente de oração ela apertava minha mão de uma maneira muito “diferente” com os dedos ela acariciava, não era só comigo outros garotos relatavam a mesma coisa.
  Como éramos todos evangélicos não nos aproveitamos da situação...nem saberíamos como.
  Essa garota acabou se envolvendo com caras fora da igreja.
  Na escola dominical o que ela mais perguntava era:
  “Se nos arrependermos de verdade todos nossos pecados serão perdoados?”
  Ela gostava de ouvir que sim.
  Religiosamente para ela sexo era um grande pecado, aliás para todos nós ali.
  Hoje “imagino” que ela transava e depois do ato se sentia a mais suja das mulheres, passou por uma fase suicida.
  Como não conseguia controlar seu desejo sua esperança é que na volta de Jesus ele percebesse todo seu arrependimento e a salva-se.
  As notícias que chegaram a igreja sobre essa garota não foram boas, ela abandonou a igreja, seus pais a expulsaram de casa [ou ela saiu].
  Os pais ainda culparam a igreja pelo desvio moral da garota.

  Fico pensando que se aquela garota não considerasse sexo algo tão pecaminoso e sujo sua adolescência seria mais tranquila, sem ela se culpar tanto.
  Talvez ela gostasse de sexo normalmente como qualquer garota, mas como ter desejo sexual não é coisa de uma “verdadeira cristã” de alguma forma isso intensificou suas sensações.
  É algo como quando estamos de regime e a sensação de fome parece aumentar, se comemos nos sentimos péssimos, nos culpamos por não resistir à tentação.
  Claro que para uma evangélica transar sem estar casada traz consequências muito mais constrangedoras que alguns quilos a mais.

  Você tem a rejeição do grupo, sua auto rejeição e a rejeição de Deus.

  Quando você é adolescente os hormônios sexuais estão a flor da pele.
  Eu queria ficar perto daquela garota na corrente de oração para que ela pegasse minha mão e fizesse carinhos [É, eu sei, daqui onde estou hoje me enxergo um grande pateta] mas ao mesmo tempo não queria, que momento mais sagrado que a corrente de oração?
  Você em grupo está falando com Deus...

  Imagine você em uma corrente de oração só pensando “naquilo.”

  Se a minha situação era desconfortavelmente triste multipliquemos por dez a sensação daquela garota.
  Certa vez alguém da igreja disse a ela:
 “Você é crente do rabo quente.”
  Ela ficou paralisada, como haviam descoberto seu segredo?
  Ainda lembro de toda dor em seu olhar, esta imagem ficou fixa em minha memória, não consigo apagar.
  Espero que apesar de tudo ela tenha se encontrado e tenha hoje uma vida satisfatória.
  Viver não é brincadeira não.

  As nossas crenças influenciam tanto a maneira como vivemos que não sei como as pessoas se recusam a discutir religião.

   “A consciência é a última e mais tardia evolução da vida orgânica e, por conseguinte, o que nela existe de menos acabado e de mais frágil.” 
[Nietzsche]

A consciência é uma vela acesa na escuridão.


Anterior          <>        Próximo