segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Tá Direito ou tá Errado?

  Ter direito é uma coisa, ele ser justo é outra.

  Imagine que passou em concurso público ou foi eleito e entre outras coisas essas cláusulas estão no seu contrato de trabalho:

  Salário é 10 mil.
  O cargo lhe dá direito a 20 assessores,
  Pode gastar com eles até 100 mil reais.

  A chave aqui é "lhe dá direito".

  Pense bem, o cargo lhe dá acesso a uma verba de 100 mil basta contratar quem você quiser.
  Essa verba já está contingenciada e se você não usar, ela será usada para qualquer outra coisa.

  “Levantamento do portal Congresso em Foco mostra que um deputado federal dispõe de R$ 168,6 mil por mês entre salário e benefícios.
 (Auxílio moradia, verba para contratação de funcionários e gastos com o gabinete).”

  O correto é contratar apenas o número de pessoas necessárias para o bom desempenho da sua função na empresa estatal.
  Porem ... tem essa possibilidade de ajudar 20 amigos/simpatizantes/correligionários.
  Não é ético, mas está dentro da lei.

  O “lado escuro” da sua personalidade fica matutando que 100 mil é uma soma considerável para simplesmente ajudar os simpatizantes, nem ao menos tem trabalho para todo mundo.
  Suponhamos que tem trabalho para 10.
  (Para facilitar os cálculos e visualização vamos aceitar que cada um dos 20 assessores receba 5 mil reais.)
  Os 10 que trabalham ficam integralmente com o salário.
  Os outros recebem os mesmos 5 mil, mas te devolvem metade do salário.
  Nessa estratégia “todos ganham”.
  (A grande perda é o mal uso do dinheiro dos impostos)
  Você agrada 10 simpatizantes lhes dando emprego.
  Outros 10 vão ganhar 2500 sem nem precisar sair de casa.
  E você fora os 10 mil do seu salário ainda embolsa mais os 25 mil devolvidos pelos assessores.

  Esse esquema e tão tentador que até cidadãos de boa índole sucumbem.
  Só os de ótima índole resistem, esse tipo de pessoa não e muito comum, no Brasil e no mundo.

  Quanto menor a consciência ética do indivíduo mais ele utiliza a verba para encher o próprio bolso.

  Na Internet e no cotidiano todos os brasileiros se dizem de ótima índole, mas quantos abririam mão desse direito nem que se limitasse a ajudar amigos/familiares?
  (Não pediriam a devolução de nenhum dinheiro)

  Sou funcionário público e como em todo lugar políticos são muito criticados pelos companheiros de trabalho.
  Mas não vejo o funcionalismo abrindo mão de direitos por mais questionáveis que sejam.

  Vejam o caso do “ponto facultativo”.
  Funcionários públicos simplesmente emendam feriados sem desconto financeiro ou banco de horas.
  Minha esposa vai ficar essa última semana de 2018 em casa, todos os dias uteis não trabalhados serão descontados nas férias.
  Funcionários públicos que não trabalham em regime de turnos, também ficarão em casa, mas absolutamente nada será descontado.
  Fica como um “presente do contribuinte”.
 
  Outro exemplo:
  Tem pessoas que trabalharam um tempo como encarregadas, incorporaram o aumento ao salário, desistiram de continuar encarregadas (muito trabalho e responsabilidade), mas continuam recebendo o benefício a mais.
  Ganham como chefes, sem ter nenhum ônus do cargo.
  NÃO estão fazendo nada ilegal apenas utilizando da maneira mais vantajosa um direito presente no estatuto do funcionalismo.
  Onde eu trabalho é bem comum a pessoa que está chefiando ganhar menos, bem menos, que o chefiado.
  Tudo é uma questão de quando e como a pessoa entrou e que tipo de benefícios conseguiu.
  Houve um tempo que bastava concluir o segundo grau (supletivo) para ter substancial aumento.
  Ocorreu também da chefia poder dar “referências” (aumentos) para quem bem entendesse e as distorções foram aumentando.
  Depois que um benefício foi incorporado ao salário, criamos uma lei que não permite retira-lo mesmo que não tenha mais razão de ser.
  Como além de tudo o funcionário público tem estabilidade você encontra pessoas fazendo serviços bem simples com salários que nem pessoas bem formadas conseguem.

  O indivíduo “pode ser um mané” (não estou dizendo que é), mas caiu nas graças do diretor(a) certo ... conseguiu benefícios.
  Entenda que o dinheiro não sai do bolso do diretor ou eleito, sai da arrecadação de impostos.

  “Em abril de 2013, foram descobertos casos de nomeações secretas de garçons que passaram para o quadro funcional como assistentes parlamentares com remunerações similares àquelas de servidores concursados de nível superior.
  Na época, sete garçons ganhavam R$ 15 mil para servir os senadores em Plenário.”

  O governo Fernando Henrique acabou com muitas dessas “regalias” como concursos internos com cartas marcadas.
  Por isso é tão detestado.
  O PT não avançou nas reformas do setor público, mas também não retrocedeu o que em se tratando deles é algo a ser comemorado.
  O problema é que criaram mais estatais...

  “O governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, deve extinguir a estatal Empresa de Planejamento e Logística – EPL, responsável para implantar o projeto de trem-bala.
  Segundo a equipe de transição do novo governo “não se justifica” a manutenção da estatal vinculada ao ministério dos transportes que consome R$ 70 milhões de recursos públicos por ano.
  A maior parte deste valor serva para pagar o salário de 140 funcionários.”

  Em termos de gastos não haverá grande economia, se os funcionários são concursados não podem ser demitidos.
  A esperança é que possam ser realocados em funções mais úteis que justifiquem seus salários.

  Concluindo essa meditação.

  Defendo que não devemos ficar esperando utopicamente que todos um dia sejamos santos com ótima ética.

  É mais eficiente repensarmos os direitos antes de legaliza-los.

  Sou a favor que políticos ganhem bem.
  No exemplo desse texto seria muito melhor pagar logo 50 mil.
  O que o cidadão fizesse com o dinheiro seria responsabilidade dele, aposto que o número de assessores seria mínimo.

  Ter direito é uma coisa, ele ser justo é outra.

  Se deixarmos um direito disponível bastando apenas o indivíduo pedir, mesmo que não precise, ele vai pedir.
  Devemos evitar colocar qualquer um diante de muita tentação.


    


  Diante da descoberta de tanta corrupção em 2013 os brasileiros se rebelaram mesmo foi contra o aumento da passagem de ônibus!!
  Manifestação grande causa errada.



.



segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Morte de Einstein


“Não temais os que matam o corpo, e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo.”
[Mateus 10:28]

  Se a tradução está certa esse pensamento fica meio sem sentido ao usar a palavra “perecer” que é sinônimo de morrer, extinguir.
  Segundo a Bíblia o inferno é uma lugar de sofrimento eterno, se meu corpo e alma forem extinguidos ... não existirei em lugar algum, nem no inferno.
  Não me parece de todo mal.

  “Se ocorrer a aniquilação não vejo porque será ruim!
  Deixarei de existir, não terei mais consciência de nada.”

   A palavra mais apropriada para Mateus 10:28 seria padecer.

  “Temei antes aquele que pode fazer padecer no inferno tanto a alma como o corpo.”

  Padecer é sobreviver com sofrimento.

  Parece que nossa moderna tecnologia (apesar das ótimas intenções) tem esse efeito colateral de nos manter nessa situação pavorosa.
 
  Vamos audaciosamente onde nenhuma mente jamais esteve...

  No verão de 1950, os médicos de Einstein descobriram que um aneurisma em sua aorta abdominal estava ficando maior.
  Os médicos tinham poucas opções de tratamento, envolveram o vaso sanguíneo inflamado com papel celofane na esperança de evitar uma hemorragia.
  Einstein recebeu bem a notícia
  Recusou quaisquer tentativas cirúrgicas adicionais para corrigir o problema.

   "Quero ir quando eu quiser.
    É de mau gosto ficar prolongando a vida artificialmente.
    Fiz a minha parte, é hora de ir embora e vou fazê-lo com elegância".

  Em 18 de março de 1950, assinou seu testamento.
  Nomeou sua secretária, Helen Dukas, e amigo Otto Nathan como seus executores literários; deixou todos os seus manuscritos para a Universidade Hebraica de Jerusalém, a escola que ajudou a fundar em Israel; e legou seu violino para seu primeiro neto, Bernhard Caesar Einstein.

  Einstein é um pensador que admiro muito, evidente que isso não significa concordar 100%.
  Observamos a lógica, a clareza de seu raciocínio até na fase delicada que antecedeu seus últimos dias.
  Seria terrível uma consciência dessa qualidade passar seus últimos anos com demência, se fosse sua vontade e permitido por lei eu o mataria...

  Em alguns povos mais civilizados é possível pôr fim a vida quando o corpo está desenganado.

  E quando “o corpo está bem”, mas a mente desenganada?

  Nenhuma nação que conheço permite pôr fim a vida nessa situação mesmo que você deixe essa vontade registrada.
  Einstein permaneceu lúcido para cuidar da sua passagem/morte e quem não tem a mesma sorte?

  A demência afeta nossa consciência, não percebemos sua chegada.
  Como minha família tem casos de loucura é comum eu me fazer testes de lucidez.
  Quando percebo uma distorção da realidade  verifico se tem explicação lógica ou se a distorção realmente ocorreu.

  Um exemplo simples.
  Fui publicar um texto, fiz minha costumeira revisão e decidi colocar um na palavra deus.
  O link é programado para ficar azul, mas estranhamente ficou vermelho.
  Primeiro fiquei em dúvida se estava sonhando ou estava acordado.
  Me lembrava exatamente o que tinha acontecido nos últimos 15 minutos e tudo tinha uma sequência lógica.
  Sinal que eu estava acordado.
  Refiz o link, ele continuou vermelho, selecionei a palavra deus, coloquei a cor azul e ... continuou vermelho.
  Verifiquei outros links do texto e estavam na cor azul esperada.
  Minha dedução é que ocorreu “alguma interferência” e sim eu estava lúcido.

  Quando um “sinal” desse tipo acontece geralmente um pensamento invade minha mente.
  Fecho os olhos, respiro fundo e tento captar qual foi.
  (É complicado porque nem sempre tem a ver com o que estou escrevendo ou eu acredito que não tem)

  Os pensamentos foram:

a) Se eu ficasse demente gostaria de ser sacrificado.

b) Existe uma certeza generalizada que a pessoa com demência não sofre ... não estou tão certo disso.

  A pessoa demente vive em um mundo de sonhos, uma realidade distorcida, como podemos estar certos que são sonhos e não pesadelos?

  O demente que esfaqueia uma pessoa, que monstro estará enxergando?

  O demente com sensação constante de perseguição, imagine o suplício.

  Li uma matéria onde uma senhora com Alzheimer se recusava terminantemente a descer da cama.
  Alguém mais observador notou que ela chegava a pisar onde tinha tapete, em uma fala desconexa ela parecia manifestar medo de afogamento.
  O piso da casa era porcelanato brilhante.
  Será que em sua demência aqueles reflexos eram as águas de um lago, oceano?
  Todo aquele brilho no chão foi coberto, a mulher passou a descer da cama sem problemas ... por algum tempo.
  A doença foi agravando e outras dificuldades surgindo.
  Já pensou que terror, você estar na sua cama e se ver cercado de água por todos os lados, todos os dias.

  Um "sonho" do qual não consegue acordar, na sua mente aquilo é real.

  Com a falta de comunicação fica difícil saber o que está passando na mente.
  A dificuldade pode vir de deficiência vocal ou falta de coerência das palavras

  Imagine ficar aprisionado por anos na demência.

  Deve ser como sua alma/consciência ficar algemada a um cadáver.

  Já tive pesadelos terríveis, chamam de terror noturno, acordava encharcado de suor, com o coração disparado, acordar era um alívio.

  Imagine ficar por anos em um ambiente surreal e não conseguir acordar.
  Quando eu olho nos olhos de alguém com demência o que vejo é isso.
  Alguém que está dormindo com os olhos abertos.
  Torço para que aquela mente esteja em um bom lugar (um sonho bom).
  Quando riem é sinal que sim, quando estão transtornados deduzo que é pesadelo.

  O duro é que enquanto o organismo comporta mesmo que precariamente a vida "seu espírito" não consegue se desprender totalmente.

  Teorizo que demência é uma das "traduções possíveis" do que seja alma penada.

  Eu defendo que as pessoas não deveriam ficar muito tempo mantidas por aparelhos, a não ser que tenham manifestado essa vontade.
  Concordo com a decisão do CFM em desligar os aparelhos, mas deveria ser uma regra geral, quem não quisesse ser desligado deveria se manifestar.
  Caso contrário seria desligado.

  “O Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou ontem uma resolução que permite que os médicos interrompam os tratamentos que prolongam a vida dos doentes quando eles estão em estado terminal e não têm chance de cura.
  De acordo com o texto, aprovado por unanimidade, isso só pode ocorrer se for a vontade explícita do próprio doente ou de seus familiares.”

  Defendo também começar a discussão sobre manter pessoas que visivelmente estão com demência avançada.
  Alzheimer é meu melhor exemplo.
  É muito sofrimento para os familiares, se os parentes em primeiro grau chegarem a um consenso o paciente poderia ser ... encerrado.

  Se eu ficar demente e não perceber, que alguém ou algo me mate por misericórdia.

  Um infarto fulminante nunca me pareceu tão bom, um arrebatamento.

  Sei que esse tipo de texto faz com que as pessoa me detestem ou me achem louco, mas afirmo que estou lucido... acabei de fazer um teste.

  Antes de me detestar ... pense.

  'É uma perda em vida': Os desafios diante do Alzheimer, doença que põe em xeque a racionalidade




  “A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências.    
   O homem que não tem os olhos abertos para o misterioso passará pela vida sem ver nada.”
[Albert Einstein]


.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Escola de Tempo Integral


👨 “Você é a favor da retirada do ensino de Filosofia da escola?”
[Comentarista no Face]

  Sou.
  Filosofia deve ser matéria optativa, o aluno não seria obrigado a cursar essa disciplina.
  Cada um tem seu gosto/talento.
  Se o aluno gosta de “exatas” e não se interessa por Filosofia ... porque obriga-lo a isso!?
  Cada um deve seguir seu talento, para alguém que gosta de engenharia desenho seria matéria mais interessante.
  Gosto muito de Filosofia, muitas pessoas não suportam ... tudo bem.
  Cada um na sua.
  Não sou a medida de todas as coisa, ninguém é.

  Matemática, Português, Geografia, Geometria, Física e Química defendo como disciplinas obrigatórias.
  Entretanto sem exageros. (Excesso de aprofundamento)
  De acordo com a área de interesse do cidadão em dado momento terá que se aprofundar em uma ou algumas dessas matérias, logo, o aprofundamento só deve ocorrer quando necessário.

  Vamos a uma ilustração paralela, mais “popular”.

  Na escola tem (ou deveria ter) aquela educação física básica.
  Você não gosta muito, porem faz, é obrigatório.
  Descobriu que tem talento para futebol (ou outro esporte), é a parte da aula que mais gosta.
  Hoje em dia mais do que nunca o jogador profissional tem que ser um atleta de ótima performance.
  Você pode ter muito talento, se não tiver folego para correr os 90 minutos ou não tiver musculatura treinada para respostas muito rápidas ... não tem como se destacar nesse esporte.
  Não faz sentido instituirmos nas escolas educação física “profunda” como se todas as crianças fossem ser atletas de alto desempenho ou professoras de educação física.

  Até onde ir em cada disciplina precisaria de muito debate.

  Saber o básico das principais matérias é o “alicerce” para todas as áreas do conhecimento humano.

  Qual o objetivo de ministrar Filosofia?

  Filosofia é igual política, está por toda parte, não tem como fugir delas.

  Temos contato desde cedo com frases, pensamentos, ditados, opiniões de familiares, amigos, simulações de situações em filmes, novelas, livros.
  Quero dizer que a Filosofia básica chega até nós naturalmente.
  O que o professor da escola ensinaria?
  Biografias!?
  Quais filósofos seriam selecionados?
  Por quais critérios?

  Vamos ver se consigo me fazer entender.

  Quando o indivíduo não se interessa pelo assunto estuda só para tirar nota, o que o professor passar para ele é a mais pura verdade e se não for ele não liga.
  Se o indivíduo se interessa, busca mais informações, debate com o professor, se aproxima de pessoas com gosto em comum.

  Me preocupa o aluno ser obrigado a ler Friedrich Nietzsche (Só um exemplo) e interpreta-lo segundo a visão do professor de plantão ou pela ótica do coordenador pedagógico.
  Sem contar que para quem não curte é uma leitura pra lá de chata, o mais provável é que a pessoa passe a odiar Filosofia.
  Prefiro a ignorância atual que o ódio.
  Se a pessoa ignora posso apresentar de maneira agradável em debates interessantes.
  Se já estabeleceu o preconceito que Filosofia é algo horrível ... a pessoa não quer nem ouvir falar.
  Isso é ruim porque a Filosofia estimula muito o cidadão a pensar.

  De repente não é da sua natureza buscar a profundidade de Sócrates, Platão, Arthur Schopenhauer, Blaise Pascal … mas mesmo em questões mais “superficiais” é importante o “pensamento de qualidade”.

  Vamos a um exemplo prático.

  Vejo muitas pessoas querendo a escola em tempo integral como um objetivo a ser alcançado.
  Defendo que DEVE SER EVITADO.

 O professor passa conhecimentos por no máximo 5 horas, a família educa no restante do tempo.
 (Por favor, sei que muitas famílias precisam deixar as crianças em período integral, eu mesmo já precisei, só não gosto de ver a “pregação” que isso é o ideal)

  Enquanto foi possível minhas filhas ficaram sob os cuidados da minha cunhada Idalina.
  A creche foi no geral meio período a escola também.
  Minhas filhas passaram bastante tempo com as colegas do prédio, comigo, com minha esposa, em contato com tias, primos, avós… é assim que acredito que deve ser.

  Estou certo ou errado em pensar assim?

  O importante é você entender que EU PENSO.

  Respeito quem acredita que o melhor a fazer é deixar a criança na escola de manhã e só buscar a noite.

  "Os alunos chegam à escola às 7h e ficam até as 19h. Em um turno, eles têm tarefas pedagógicas, e no outro, atividades dirigidas de recreação.
  Oferecemos ainda balé e capoeira, além de momentos de descanso após o almoço"

  Entendo quem por dificuldades da vida precisa fazer isso mesmo não querendo.

  Eu, depois de “filosofar” bastante acredito que educação prioritariamente deve ficar a cargo da família.
  Minha esposa é uma excelente mulher, se minhas filhas querem alguém para se espelhar estou tranquilo que seja na mãe delas, por melhores que sejam suas professoras.
  Sou um cidadão honesto trabalhador, se minhas filhas querem um homem para se espelhar, estou tranquilo que seja eu por melhor que sejam os professores delas.
  O ponto principal é que ninguém vai amar mais e proteger nossas filhas que eu e minha esposa é isso que pais fazem.

  Pense sobre isso.

  Escola em tempo integral é realmente um “ideal” a ser alcançado?

   Em famílias desestruturadas, com pais problemáticos, concordo que escola em tempo integral é uma boa “solução social”, pelo menos é possível que as crianças tenham modelos melhores para seguirem.
  Porem entendam que os custos são maiores e os resultados não são tão bons quanto querem nos fazer acreditar que é ... a “solução para o Brasil.”

  É mais uma ferramenta que deve ser usada QUANDO NECESSÁRIA, não um bilhete premiado para o “primeiro mundo.”

 “Secretária de Educação do município do Rio de 1993 a 1996, a professora e atual presidente da MultiRio, Regina de Assis, diz que os dados a que teve acesso na época também NÃO indicavam diferenças significativas em relação a desempenho escolar, embora "os professores dos Cieps tivessem atenções e regalias maiores do que os da maioria das escolas regulares."
   A Secretaria estadual de Educação informou que manter um estudante em horário parcial em escolas regulares custa R$ 0,62 por dia.
  Já o gasto com um aluno de Ciep em tempo integral é de R$ 2,24 por dia, ou seja, 3,6 vezes mais.


  


  “Um em cada seis estudantes (17%) deixou as escolas de tempo integral do governo de São Paulo em 2015 e voltou às unidades de tempo normal, revela um estudo do Tribunal de Contas do Estado (TCE).
  Entre os motivos seria a “inadaptação às exigências e dinâmicas”.



 Repense



 .



quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Papa Romântico


    “São os comunistas os que pensam como os cristãos.” 
      [Papa Francisco]

   Cristo falou de uma sociedade onde os pobres, os frágeis e os excluídos sejam os que decidam.
    Não os demagogos, mas o povo, os pobres, os que têm fé em Deus ou não, mas são eles a quem temos que ajudar a obter a igualdade e a liberdade”.

  Eu li toda Bíblia duas vezes, fora isso já analisei minuciosamente inúmeras passagens.
  “Não lembro” de Jesus falando sobre formas de Governo ou sistema econômico.
  Ele exortava a caridade?
  Sim.
  Porém não conheço nenhuma ideologia/doutrina antes ou depois de Cristo que condene a caridade.
  Alguém pode me citar uma Religião que não incentive a humildade e caridade?

  “Cristo falou de uma sociedade onde os pobres, os frágeis e os excluídos sejam os que decidam.”

  Sério!?
  Alguém pode me mostrar esse capitulo?
  Não estou afirmando que não tem, apenas não me lembro de ter lido algo assim.
  Na frase: “Daí a Cesar o que é de Cesar.”
  Jesus sugere uma sujeição ao poder de Roma.
  “O meu reino não é deste mundo.”
   Nessa frase Jesus justifica sua ação nos exortando a um certo conformismo aqui na Terra porque o que vale mesmo é a vida pós morte física, a vida “espiritual”.

  A única semelhança entre Jesus e Karl Marx é a origem judia.
  No mais para comparar um com o outro é preciso forçar muito a barra.
  Jesus se “considerava” filho unigênito de Deus, Marx era ateu.



  Eu gravo o Jornal da Band, não tenho paciência para assistir ao vivo, nem ele nem outro jornal.
  A maioria das notícias não me interessam, adianto a gravação.
  Um exemplo são as "noticias" sobre a realeza inglesa, desejo tudo de bom para eles, mas suas vidas não me interessam absolutamente em nada.
  Nem sei se foi no Jornal da Band, mas em uma chamada o destaque era a princesa ter sido flagrada com a etiqueta do vestido aparecendo ... nooooossa que importante.

  O destaque dessa meditação é o tempo dedicado ao Papa, acho que nem os católicos prestam atenção.

  Muitos dizem que esse Papa é de esquerda.
  Eu não diria isso ele é mais romântico ... ou se acha na obrigação de aparentar isso por sua ligação com a ordem dos Jesuítas.

   A esquerda é de uma certa forma “romântica” então fazem a associação.

  “O romantismo foi um movimento artístico, político e filosófico surgido nas últimas décadas do século XVIII na Europa que durou por grande parte do século XIX.
  Caracterizou-se como uma visão de mundo contrária ao racionalismo e ao iluminismo.”
[Wikipédia]

  Poderia dar vários exemplos, porem uma frase basta para não perdermos o foco.

   "O homem é bom, quem o corrompe é a Sociedade."

  É uma visão “romantizada/idealizada” do indivíduo.
  A minha pergunta é sempre a mesma.
  Se a sociedade é composta de humanos e todos somos originalmente bons como a sociedade se tornou má/corrompida!?

  A esquerda coloca a origem de todo mal em uma ideia subjetiva de "elite dominante".
  O Papa faz a mesma coisa, porém chama de “poderosos” e culpa também o Diabo...

   “Papa Francisco pede orações contra o Diabo”.

   O problema é que nem os poderosos nem a elite dominante é composta de alienígenas.
  Até onde sei são humanos.
 (Vamos deixar o Diabo de fora para não complicar.)
 
  Se o problema está no topo da pirâmide aqui em baixo todos deveríamos ser bons, então como explicar a criminalidade em regiões pobres?
  Ladrões, assassinos, estupradores, estelionatários não deveriam existir em comunidades pobres.
  Daí colocam a culpa na pobreza, na má distribuição de renda.

  Isso dá um pane na crença que todos nascemos bons.

  Se o humano enriquece "vira elite" faz automaticamente o mal.
  Se o humano permanece pobre faz o mal porque não é elite...

  Nessa questão não tenho como ser romântico crendo que todos nascem bons, nem catastrofista crendo que todos nascem maus... não é o que “racionalmente” observo.

  A maldade e a bondade variam ao infinito, cada indivíduo é um ser único.

  A maioria felizmente é gente de bem, devemos combater o mal onde ele aparecer e exaltar o bem onde ele acontecer.

  Eu prefiro viver em uma comunidade pacifica, justa próspera.
  Observo que esse é o desejo da maioria, cada um tem que fazer a parte que lhe cabe seja rico ou pobre.
 
  Mas os românticos se acham mocinhos e todos que os questionam são vilões ... os “corrompidos” pelo “sistema”, Sociedade.


  Se o Papa fosse mais realista veria que o bem está por toda parte ... o mal também.

  “Vaticano ocupa 8º lugar global em lavagem de dinheiro.”

 “O Banco do Vaticano foi criado em 1942.
  Já em 1958, a Igreja tinha mais de 500 milhões de dólares fora os 940 milhões investido no IOR (Instituto para Obras da Religião), mais conhecido como o Banco do Vaticano.
  Durante a década de 1970, a Igreja resolveu colocar pessoas especializadas para cuidarem de suas enormes fortunas, tendo como um dos principais chefes Michele Sindona junto com Casimir Marcinkus.
  Ambos iniciaram algumas das maiores movimentações de dinheiro da história, TUDO ISSO POR BAIXO DOS PANOS, PARA QUE OS IMPOSTOS NÃO FOSSEM PAGOS.”

  Se o Papa fizesse a parte que lhe cabe no Vaticano eu até perderia tempo ouvindo suas "pregações" politicas.
  O Papa é muito romântico e eu ... não invento a realidade apenas a observo.









  Nunca vi comunistas tão católicos como ultimamente 😆

  Mas já vi muitos católicos esquerdistas ...



.

sábado, 1 de dezembro de 2018

Meretrizes e Publicanos


👨 "Publicanos e Meretrizes terão prioridade para entrar no céu, está na Bíblia."

  Um colega muito religioso me disse isso e logo imaginei que ele tinha tirado do contexto.
  Localizei a passagem, vamos analisar.

  Jesus estava ensinando no Templo quando se aproximaram dele os principais sacerdotes e anciões do povo dizendo:

Com que autoridade fazes isto? E quem te deu tal autoridade?

   Eu também tenho uma pergunta, se me responderem eu direi com que autoridade ensino no Templo.
  O batismo de João, de onde era? Do céu, ou dos homens?

  Pensaram entre eles que se dissessem que o batismo de João veio de Deus, Jesus perguntaria porque então não acreditavam em João Batista.
   Se dissessem que o batismo de João veio de homens temiam que o povo ali presente lhes fizesse algum mal uma vez que consideravam João Batista um profeta.

Não sabemos de onde vem o Batismo de João.

  Se não me respondem também não direi com que autoridade ensino no Templo.

   Mas, que vos parece?

   Um homem tinha dois filhos, e, dirigindo-se ao primeiro, disse: Filho, vai trabalhar hoje na minha vinha.
  Ele, porém, respondendo, disse: Não quero.
  Mas depois, arrependendo-se, foi.

  Dirigindo-se ao segundo filho, falou-lhe de igual modo; e, respondendo ele, disse:     
  Eu vou, senhor; e não foi.

  Qual dos dois fez a vontade do pai?

 O primeiro.

Em verdade vos digo que os publicanos e as meretrizes entram adiante de vós no reino de Deus.
  Porque João veio a vós no caminho da justiça, e não o crestes, mas os publicanos e as meretrizes o creram; vós, porém, vendo isto, nem depois vos arrependestes para o crer.



  Publicano: Nome dado aos coletores de impostos nas províncias do Império Romano.
  Havia dois tipos, publicanos gerais, que eram responsáveis pela renda do império perante o imperador romano e publicanos delegados por estes em cada província.
  Os publicanos gerais “terceirizavam” o serviço para coletores de impostos da própria comunidade.

  Meretriz: É o mesmo que prostituta.

  Na minha análise do texto não vejo nenhuma prioridade sendo dada a publicanos e meretrizes.
  Ser coletor de impostos ou transar por alguns trocados não oferece nenhuma vantagem para “entrar no céu”.
  As regras gerais são as mesmas para todos.
  Ao reconhecer o “pecado” se arrependa e não continue no erro.
  No caso dos publicanos recolher impostos não era pecado, “Dai a Cesar o que é de Cesar”.
  No caso das meretrizes; “Vai e não peques mais.”

  Como meu colega está claramente equivocado vamos além da interpretação do texto, filosofemos um pouco.

Jesus é "injusto" em suas ponderações.
 
  Não sei como queria que todos tivessem certeza que ele era quem dizia ser ... filho unigênito do criador de todo universo.
  Tente se colocar no lugar dos sacerdotes e anciões, limpe sua mente de tudo que veio a seguir.
  Nós sempre olhamos essas passagens bíblicas (e história da humanidade) daqui do futuro, onde temos conhecimento de como tudo se desenrolou.
  Assim fica fácil fazer a “aposta vencedora”, condenar quem fez a opção “errada”.
  É complicado tornar isso facilmente entendível.

  Vou traçar paralelo com algo atual.

  Suponhamos que daqui há quatro anos o Brasil tenha melhorado consideravelmente.
   Sei que o momento é difícil, não espero nenhum milagre, vamos dizer que o combate a corrupção permaneça intenso, economia crescendo, democracia mais sólida do que nunca, reformas importantes feitas a contento.
  A nossa visão de Bolsonaro em 2022 será de alguém muito especial que veio na hora certa.
  Quem votou nele ficará exultante, quem não votou (e não for fanático) reconhecerá que um bom trabalho foi feito.
  Se quem anulou o voto ou preferiu Haddad soubesse que Bolsonaro seria um bom Presidente teria votado nele em 2018.
  Da mesma forma, se em 2022 estivermos em uma situação "venezuelana" Bolsonaro será demonizado por quase todos (Excetuando alguns fanáticos).

  Voltemos para meses antes das eleições.
  Porque no primeiro semestre de 2018 Bolsonaro deveria ser unanimidade?
  Eu mesmo oscilei.
  Desde janeiro de 2014 estava sugerindo Bolsonaro para Presidente.
  No início da corrida eleitoral acreditei que Geraldo Alckmin seria uma escolha melhor, depois de ver sua campanha horrível votei em Bolsonaro já no primeiro turno.

  Enfim, naquele momento relatado na Bíblia como ter certeza que João Batista era alguém batizado por Deus!?
  Como ter certeza que Jesus era quem dizia ser!?

  As escrituras desde de sempre alertam sobre falsos profetas.
  (Mesmo que façam grandes prodígios)

  Até onde lembro João Batista não realizava milagres, era mais um bom pregador.
  E os milagres de Jesus?
  Mais uma vez é necessário que se transporte mentalmente para aquela época, aquele momento.
  Naquele tempo não havia jornal, rádio e televisão.
  Peguemos o milagre de Jesus andar sobre as águas.
  Quantos presenciaram isso!?
  Alguns de seus seguidores mais fiéis!?

 Quero dizer que por maior que tenha sido o milagre relatado na Bíblia ele sempre podia não passar de um boato ou truque de mágica para quem não estava presente.

  Até hoje é assim.
  Quantos levam a sério aqueles exorcismos mostrados na TV?
  Mesmo quem já teve algum familiar “possuído” não raro credita tudo a algum problema mental ou coincidência.

  Os sacerdotes tinham que reconhecer Jesus como filho unigênito de Deus porque ele curava?
  Mas outros curandeiros realizavam esses prodígios, índios tinham seus pajés.
  Jesus expulsava demônios?
  Mas antes dele em outras culturas há relatos de atividades “xamânicas”.

  Concluindo com um último exemplo:

  Daqui do futuro é fácil criticar Pilatos por ele ter lavado as mãos no julgamento de Jesus.

  Mas que elementos Pilatos tinha para arriscar sua posição no Império Romano!?
  Se Jesus durante o julgamento realizasse um simples milagre como levitar ou emitir uma forte luz ... Pilatos e todos os presentes ficariam impressionados e a história podia ser diferente.
  Mas naquele momento Jesus parecia apenas mais um frágil aldeão, com muitos boatos a favor e outros tantos contra.

  


  Lembremos que a gota d'água para sua prisão foi ele atacar comerciantes que trabalhavam nos arredores do Templo.
  Até hoje isso da cadeia.
  Vai até a Catedral de Campinas e agrida algum comerciante (formal ou informal) do entorno, se der tempo “da polícia te salvar” ... você vai preso. 😄

  No caso de Jesus provavelmente conseguiram insinuar que estava conspirando contra o Império Romano, um "crime" mortal.

  Não devemos “demonizar” tanto os contemporâneos dos 12 apóstolos, as dúvidas que eles tinham sobre a “essência” de quem era Jesus são aceitáveis.
  Até Pedro que conviveu com ele teve dúvidas, só se converteu depois da “ressurreição”.
  Quem não estava presente é aceitável que pense em truque ou boato.

  Em meio a tantos truques, boatos ... falsos profetas.
  Como você identificaria hoje um “filho unigênito de Deus?”
  Imagine isso há 2018 anos...


  Atenção:
  Uma coisa é a questão religiosa e seus livros sagrados, outra coisa é a questão “espiritualista”.

  



.