sábado, 1 de dezembro de 2018

Meretrizes e Publicanos


👨 "Publicanos e Meretrizes terão prioridade para entrar no céu, está na Bíblia."

  Um colega muito religioso me disse isso e logo imaginei que ele tinha tirado do contexto.
  Localizei a passagem, vamos analisar.

  Jesus estava ensinando no Templo quando se aproximaram dele os principais sacerdotes e anciões do povo dizendo:

Com que autoridade fazes isto? E quem te deu tal autoridade?

   Eu também tenho uma pergunta, se me responderem eu direi com que autoridade ensino no Templo.
  O batismo de João, de onde era? Do céu, ou dos homens?

  Pensaram entre eles que se dissessem que o batismo de João veio de Deus, Jesus perguntaria porque então não acreditavam em João Batista.
   Se dissessem que o batismo de João veio de homens temiam que o povo ali presente lhes fizesse algum mal uma vez que consideravam João Batista um profeta.

Não sabemos de onde vem o Batismo de João.

  Se não me respondem também não direi com que autoridade ensino no Templo.

   Mas, que vos parece?

   Um homem tinha dois filhos, e, dirigindo-se ao primeiro, disse: Filho, vai trabalhar hoje na minha vinha.
  Ele, porém, respondendo, disse: Não quero.
  Mas depois, arrependendo-se, foi.

  Dirigindo-se ao segundo filho, falou-lhe de igual modo; e, respondendo ele, disse:     
  Eu vou, senhor; e não foi.

  Qual dos dois fez a vontade do pai?

 O primeiro.

Em verdade vos digo que os publicanos e as meretrizes entram adiante de vós no reino de Deus.
  Porque João veio a vós no caminho da justiça, e não o crestes, mas os publicanos e as meretrizes o creram; vós, porém, vendo isto, nem depois vos arrependestes para o crer.



  Publicano: Nome dado aos coletores de impostos nas províncias do Império Romano.
  Havia dois tipos, publicanos gerais, que eram responsáveis pela renda do império perante o imperador romano e publicanos delegados por estes em cada província.
  Os publicanos gerais “terceirizavam” o serviço para coletores de impostos da própria comunidade.

  Meretriz: É o mesmo que prostituta.

  Na minha análise do texto não vejo nenhuma prioridade sendo dada a publicanos e meretrizes.
  Ser coletor de impostos ou transar por alguns trocados não oferece nenhuma vantagem para “entrar no céu”.
  As regras gerais são as mesmas para todos.
  Ao reconhecer o “pecado” se arrependa e não continue no erro.
  No caso dos publicanos recolher impostos não era pecado, “Dai a Cesar o que é de Cesar”.
  No caso das meretrizes; “Vai e não peques mais.”

  Como meu colega está claramente equivocado vamos além da interpretação do texto, filosofemos um pouco.

Jesus é "injusto" em suas ponderações.
 
  Não sei como queria que todos tivessem certeza que ele era quem dizia ser ... filho unigênito do criador de todo universo.
  Tente se colocar no lugar dos sacerdotes e anciões, limpe sua mente de tudo que veio a seguir.
  Nós sempre olhamos essas passagens bíblicas (e história da humanidade) daqui do futuro, onde temos conhecimento de como tudo se desenrolou.
  Assim fica fácil fazer a “aposta vencedora”, condenar quem fez a opção “errada”.
  É complicado tornar isso facilmente entendível.

  Vou traçar paralelo com algo atual.

  Suponhamos que daqui há quatro anos o Brasil tenha melhorado consideravelmente.
   Sei que o momento é difícil, não espero nenhum milagre, vamos dizer que o combate a corrupção permaneça intenso, economia crescendo, democracia mais sólida do que nunca, reformas importantes feitas a contento.
  A nossa visão de Bolsonaro em 2022 será de alguém muito especial que veio na hora certa.
  Quem votou nele ficará exultante, quem não votou (e não for fanático) reconhecerá que um bom trabalho foi feito.
  Se quem anulou o voto ou preferiu Haddad soubesse que Bolsonaro seria um bom Presidente teria votado nele em 2018.
  Da mesma forma, se em 2022 estivermos em uma situação "venezuelana" Bolsonaro será demonizado por quase todos (Excetuando alguns fanáticos).

  Voltemos para meses antes das eleições.
  Porque no primeiro semestre de 2018 Bolsonaro deveria ser unanimidade?
  Eu mesmo oscilei.
  Desde janeiro de 2014 estava sugerindo Bolsonaro para Presidente.
  No início da corrida eleitoral acreditei que Geraldo Alckmin seria uma escolha melhor, depois de ver sua campanha horrível votei em Bolsonaro já no primeiro turno.

  Enfim, naquele momento relatado na Bíblia como ter certeza que João Batista era alguém batizado por Deus!?
  Como ter certeza que Jesus era quem dizia ser!?

  As escrituras desde de sempre alertam sobre falsos profetas.
  (Mesmo que façam grandes prodígios)

  Até onde lembro João Batista não realizava milagres, era mais um bom pregador.
  E os milagres de Jesus?
  Mais uma vez é necessário que se transporte mentalmente para aquela época, aquele momento.
  Naquele tempo não havia jornal, rádio e televisão.
  Peguemos o milagre de Jesus andar sobre as águas.
  Quantos presenciaram isso!?
  Alguns de seus seguidores mais fiéis!?

 Quero dizer que por maior que tenha sido o milagre relatado na Bíblia ele sempre podia não passar de um boato ou truque de mágica para quem não estava presente.

  Até hoje é assim.
  Quantos levam a sério aqueles exorcismos mostrados na TV?
  Mesmo quem já teve algum familiar “possuído” não raro credita tudo a algum problema mental ou coincidência.

  Os sacerdotes tinham que reconhecer Jesus como filho unigênito de Deus porque ele curava?
  Mas outros curandeiros realizavam esses prodígios, índios tinham seus pajés.
  Jesus expulsava demônios?
  Mas antes dele em outras culturas há relatos de atividades “xamânicas”.

  Concluindo com um último exemplo:

  Daqui do futuro é fácil criticar Pilatos por ele ter lavado as mãos no julgamento de Jesus.

  Mas que elementos Pilatos tinha para arriscar sua posição no Império Romano!?
  Se Jesus durante o julgamento realizasse um simples milagre como levitar ou emitir uma forte luz ... Pilatos e todos os presentes ficariam impressionados e a história podia ser diferente.
  Mas naquele momento Jesus parecia apenas mais um frágil aldeão, com muitos boatos a favor e outros tantos contra.

  


  Lembremos que a gota d'água para sua prisão foi ele atacar comerciantes que trabalhavam nos arredores do Templo.
  Até hoje isso da cadeia.
  Vai até a Catedral de Campinas e agrida algum comerciante (formal ou informal) do entorno, se der tempo “da polícia te salvar” ... você vai preso. 😄

  No caso de Jesus provavelmente conseguiram insinuar que estava conspirando contra o Império Romano, um "crime" mortal.

  Não devemos “demonizar” tanto os contemporâneos dos 12 apóstolos, as dúvidas que eles tinham sobre a “essência” de quem era Jesus são aceitáveis.
  Até Pedro que conviveu com ele teve dúvidas, só se converteu depois da “ressurreição”.
  Quem não estava presente é aceitável que pense em truque ou boato.

  Em meio a tantos truques, boatos ... falsos profetas.
  Como você identificaria hoje um “filho unigênito de Deus?”
  Imagine isso há 2018 anos...


  Atenção:
  Uma coisa é a questão religiosa e seus livros sagrados, outra coisa é a questão “espiritualista”.

  



.






Postar um comentário