domingo, 6 de janeiro de 2013

Haja Motor!

  “Conheça a verdade e ela te fode#á.”

  “Na luta para ir ao segundo turno, Haddad intensificou há duas semanas as críticas à principal proposta de Russomanno: a tarifa de ônibus proporcional ao trajeto percorrido pelo usuário.
  Segundo o petista, os moradores da periferia, mais pobres, serão prejudicados porque terão que pagar mais.” [Unisinos]

  Não acho que o Haddad e o PT mentiram no sentido de não acreditarem no que disseram e o grave problema está exatamente aí.

  “As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras.”
[Friedrich Nietzsche]

  Já mostrei para vocês que no Capitalismo algo que deve ser combatido é a “distorção de preço”.
  Quanto maior a distorção mais difícil é chegarmos a um preço justo.

  O Capitalismo é algo tão natural quanto o fogo, pode aquecer seu alimento ou incendiar sua casa, tudo depende do seu conhecimento sobre o fogo e o respeito as características dele.
  Esse caso que vou destacar é exemplar
  Russomanno perde por estar cheio de razão!
  Conheça a verdade e ela te fode#á.
  [Conhecer a verdade já me ferrou bastante.]
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  “Haddad foi quem mais se beneficiou com a queda de Russomanno no extremo sul, outra região em que o então líder das pesquisas em setembro despencou.
  O PT também focou as periferias ao atacar a proposta de Russomanno de adotar um sistema de cobrança proporcional no transporte público.
  Distribuiu panfletos afirmando que a medida custaria o emprego dos que moram mais longe do centro.” [Folha]

  Não sei se temos tecnologia para isso, mas o ideal para os ônibus é que fossemos cobrados por quilometro rodado assim como acontece com os táxis.
    Se não temos tecnologia para cobrar pela precisão do quilometro deveríamos ao menos por em pratica a cobrança por trecho como sugeriu Russomano.

  As consequências de distorcer os preços são muito piores que respeitar as características do Capitalismo do preço justo.
  Se para chegar ao trabalho eu ando 10 quilômetros de ônibus, porque devo pagar o mesmo de quem vai andar 20!?

  Todos devem pagar o mesmo preço pelo mesmo produto ou serviço, mas se estou pagando o mesmo preço e andando menos ... há uma distorção
  Daria para escrever um livro sobre isso, vou tentar resumir, não é uma tarefa fácil.

  Eu moro bem perto do centro de Campinas, uns 4 quilômetros.
  Vamos supor que o custo do quilometro rodado de ônibus seja de 20 centavos, o “preço justo” [já incluído o lucro da concessionária]
  Para me deslocar até o centro eu pagaria 80 centavos.
  Alguém que more há 20 quilômetros do centro pagaria 4 reais.
  Este seria o preço sem distorção.

  A primeira distorção surge das isenções e passagens de preço reduzido.
[Vale transporte, estudante, idoso, passe desemprego...]

  Para fazer frente a essas isenções suponhamos que o custo do quilometro rodado aumente em 10 centavos, agora o quilometro rodado passa a ser 30 centavos.

  Como há muitas pessoas que não pagam, o “complemento” da passagem sai do meu bolso, para ir até o centro eu passo a pagar 4 quilômetros x 30 centavos = R$1,20
  Para o colega que mora há 20 quilômetros o valor passaria a ser R$6,00

  Acontece que em nome de uma “justiça social” não queremos cobrar 6 reais de quem mora longe do centro então quem mora perto tem que complementar o “custo” do sistema.
  Para todos pagarem a mesma tarifa temos que tirar a média:
(1,2 + 6)/2 = 3,6
  Ou seja em um sistema sem distorção de preço eu pagaria 80 centavos, mas com todas as distorções eu pago incríveis R$3,60!!!

  Observamos que há distorções por todos os lados, nem todo idoso é um miserável precisando de desconto, basta olhar a sua volta, tem idoso que até socorre o filho financeiramente por ter um rendimento muito maior.

  A mesma coisa acontece com os jovens, nem todas as famílias estão tão pobres que não possam arcar com o transporte dos filhos “caso” eles estudem longe de casa, sem contar que sem distorções a tarifa seria bem mais barata.

  Nós fazemos o bem sem olhar a quem e acabamos ajudando quem NÃO ESTA NECESSITADO.

  Eu, por exemplo, sou punido por morar perto do centro, essa é minha falha como cidadão!?

  Há 20 Km do centro de Campinas a miséria NÃO impera, acreditem em mim.
  Tem famílias com renda maior que a minha e casas bem maiores, não existe essa realidade de quem mora perto do centro é rico e quem mora na periferia é pobre.
  Até porque rico NÃO ANDA DE ÔNIBUS.

  A Cidade foi crescendo, muitas pessoas que moram no São Bernardo ou Parque Industrial [bairros próximos do centro] as casas são herança de família, passaram de pais para filhos [esse é o caso da minha mãe], ou então o cidadão trabalhou e poupou muito para comprar um imóvel perto do centro. [Esse é meu caso]

  Quero dizer que toda esta distorção estabelece padrões fora da realidade observável.
  Idosos, jovens e moradores da periferia não são sempre carentes.
  Adultos não são mais bem de vida quanto mais perto moram do centro da cidade.

  O que Haddad e pessoas como ele defendem é o que chamo de Teoria do Freio Puxado.

  Seria melhor usar o freio de mão só quando houvesse necessidade, mas eles por um pensamento torto acham que o carro anda melhor com o freio de mão puxado e haja motor para carregar esse contrapeso.

  No próximo texto vamos analisar as consequências dessa opção e fazer justiça a Celso Russomanno...



  E a extrema pobreza?

  Quem por algum motivo não tem condições de pagar o “preço justo” por um produto ou serviço de extrema necessidade para ela então deverá procurar um órgão de assistência social para medidas de auxilio uma Rede de Proteção.

  Por exemplo: eu não estou conseguindo sustentar minhas filhas, estou em uma situação de pobreza, não consigo trabalho ou não ganho o suficiente.
  “Eu” procuro um órgão governamental de assistência e VERIFICADA a situação, por 6 meses ou um ano eu receberei “salário família” até que minha situação melhore.
  Se a situação persistir [sempre com verificação do órgão de assistência] o auxilio continua.
  Ou seja EU teria que provocar a assistência, assim como acontece com a justiça.
  Se um indivíduo me agride eu tenho que mover um processo contra ele, sem isso o Juiz não irá sair da casa dele para tomar minhas dores.
  A justiça tem que ser provocada, a assistência também tem que ser provocada e comprovada sua necessidade.
  Uma passagem de ônibus não pode ser reduzida pela metade pelo simples fato de uma pessoa ser estudante.
  Uma pessoa não pode ser isenta de pagar ônibus pelo simples fato de ter mais de 60 anos.
  Essas situações por si só não comprovam necessidade.



Anterior          COMENTAR        Próximo 
Postar um comentário