terça-feira, 16 de outubro de 2012

Cartão de Ponto

   Nós brasileiros estamos sempre prontos para o ilícito!?
  Ordem e Progresso como!?

  Estava lendo o encarte de uma Empresa Pública e um item me chamou a atenção, me provocou muito.

“Não ao cartão de ponto eletrônico.”

  Como alguém consegue defender racionalmente uma proposta dessas!?
  Eu consigo, basta me colocar no lugar de um mau funcionário alguém que não está pretendendo cumprir o horário aceito em CONTRATO.
  Fica assim:


  Eu não tenho como entrar no sistema e colocar meus horários de entrada e saída previamente e claro que poder fazer isso é muito vantajoso para quem pretende diminuir seu horário de trabalho extra oficialmente.
  Se meu horário de saída é ás 17 horas meu cartão tem que ser passado ás 17 horas, como geralmente tem câmeras nos relógios de ponto alguém passar o cartão por mim é bem complicado, é fraude com direito a demissão por justa causa.
  Com o cartão de papel ou livro de ponto tudo fica muito mais “falsificável” eu posso sair ás 16 horas e marcar 17 horas no livro ou cartão.
  Evidente que tudo vai depender do tipo de serviço que realizo, se minha ausência vai ser percebida facilmente ou não, mas não precisa ser muito inteligente para entender que o controle de horários preenchido pelo próprio funcionário precisa de uma confiança muito grande quanto a sua idoneidade e sabemos que nem todos são tão confiáveis.

  Em empresas grandes com considerável fluxo de pessoas chegar 30 minutos depois ou sair 30 minutos antes não é difícil.
  Dependendo da situação você pode se ausentar no período da tarde e ninguém vai saber.
  Se você faz trabalho de rua ou circula por vários setores, até o encarregado perceber que você não está em lugar nenhum já acabou o dia de trabalho.
  Quem é encarregado é mais fácil ainda dar uma “sumida”... “ele deve estar em “reunião”.
  É inevitável que passando cerca de 8 horas em um local, pelo menos 5 dias da semana, você descubra todos os pontos fortes e fracos da segurança.

  Quando o ponto não é eletrônico tem aquele relógio que bate o cartão mecanicamente através de uma alavanca, é mais eficiente que preencher o cartão manualmente, mas e a logística da coisa?
  Não vou gastar texto detalhando a aumento de trabalho desse sistema.
  Conferir o cartão, carregar o sistema com dados, conferir discrepâncias...

  Pense no seu celular, o sistema ficaria mais eficiente se sua ligação tivesse que passar antes por uma telefonista como no passado?
  Seu carro ficaria mais eficiente se tirássemos a partida elétrica e colocássemos uma manivela?

  Quem defende o fim do cartão de ponto eletrônico é só um mau funcionário que não pretende cumprir seu horário de trabalho.

  Pense muito bem ao apoiar esse tipo de reivindicação, lembre-se que não é responsabilidade individual do Prefeito, Governador ou Presidente te atender na repartição pública.
  Se você foi mal atendido ou não foi atendido a responsabilidade é de um funcionário que você nem conhece, mas saiu mais cedo [Ou está “voando”], deixando de fazer o trabalho dele e sobrecarregando os outros funcionários.
  O mau funcionário vai receber do mesmo jeito ele assinou o cartão de ponto...
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Eu observei um problema com cartões de ponto eletrônicos, referente a pessoas que fazem muita hora extra ou banco de horas.

  Já ouvi inúmeros relatos de horas trabalhadas que “desapareceram” do sistema.
  Isso ocorre porque tudo um dia quebra, um dia falha, quem nunca perdeu dados em um computador?
  Os sistemas das Empresas são muito mais sofisticados, mas em compensação lidam com um número muito maior de informações.

  Ocorre também que os Sistemas são programados para trabalharem “dentro da lei.”

  Exemplo: Você não pode trabalhar mais de 6 horas consecutivas sem intervalo, se você trabalhar 7 horas o sistema não registra seu ponto, o sistema é programado para não produzir prova de ilegalidade, logo, ele computa suas 7 horas como 6 ou entende como erro e não computa hora nenhuma.

  Por isso defendo que relógios de ponto emitam comprovantes impressos para o funcionário.

  Claro que é uma medida que aumenta o custo e manutenção, mas é igual o caso das urnas eletrônicas no Brasil, por que temos que confiar cegamente no sistema eletrônico e ter a certeza que ele não foi fraudado?

  A Empresa tem todo o direito de se proteger da ilegalidade... O FUNCIONÁRIO TAMBÉM!
  Essa lógica entra em sua mente?





  Eu considero o e-mail um serviço subutilizado no Brasil (não sei como é em outros países).
  Hoje em dia nossa tecnologia permite que mensagens eletrônicas sejam enviadas instantaneamente.
  Todo mundo que eu conheço tem celular e e-mail.
  No final do dia o sistema de ponto eletrônico poderia mandar automaticamente o horário para o e-mail do funcionário, qualquer irregularidade seria sanada no dia seguinte.
  O e-mail é uma forma muito eficiente de registrar atividades.

  Cada compra feita no meu cartão de crédito, aparece em segundos o registo no meu celular.
  Qualquer compra que eu faça na Internet, em segundos aparece no meu e-mail confirmando a transação.
  Logo, não estou viajando em nenhuma maionese.
  Me parece que nós brasileiros evitamos produzir provas de nossas atividades.
  Estamos sempre prontos para o ilícito!?
 Ordem e Progresso como!!!

Anterior          <>        Próximo