sábado, 21 de julho de 2012

Festa dos Caras

  Adotei o método Socrático de filosofar propondo questionamentos as pessoas, meu toque pessoal é fundamentar em números.


Marcha Gay vs Marcha para Jesus

  “O Datafolha usou um método científico para medir o público da 20ª Marcha para Jesus que aconteceu na cidade de São Paulo.
  Essa foi a primeira vez que o método foi utilizado no evento gerando grande polêmica em relação ao público.
  O órgão de pesquisa levou 71 pesquisadores ao longo do percurso que tinha 2,85 km.
  Eles registraram que durante todo o dia 335 mil pessoas passaram pelo evento.
  Em junho o mesmo método foi usado na Parada do Orgulho Gay de São Paulo, os organizadores acreditavam que 3 milhões de pessoas haviam participado do evento, mas o Datafolha mediu apenas 270 mil.”

  Não faltou quem dissesse que a marcha para Jesus levou as ruas 1 milhão de pessoas.
  Essa era a “sensação geral” segundo as notícias veiculadas.
  Não ponho minha mão no fogo pelo método usado no Datafolha, mas me parece algo bem mais próximo da realidade.
  Um milhão de pessoas é muita gente!
  É toda cidade de Campinas em um único evento, num único dia.
  Evangélicos e gays são grupos que estão em crescimento, mas não tanto quanto “querem nos induzir” que estejam.
  O objetivo dos “militantes/simpatizantes” é criar um efeito “manada”.

 “Imagine que você está andando na rua e vê dois restaurantes vazios.
  Não conhece nenhum deles e escolhe um para sentar.
  Em seguida chega um grupo que também não sabe nada dos restaurantes, veem um restaurante sem ninguém e outro com você dentro.
  O que fazem?
  Escolhem o que você está.
  Na sequência vem um casal, olha os dois restaurantes e pensa: esse que tem gente deve ser melhor que o vazio, e acaba escolhendo o mesmo.
  Assim vai acontecendo o que chamamos de "efeito manada", até que no final temos um restaurante que é um sucesso e outro um fracasso, simplesmente porque tendemos a seguir outras pessoas.”

     


  Quem conhece matemática pode até dizer que em termos de marcha os gays são muito mais engajados que os cristãos.
  Vejam os números:

► “Em 2009, em uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo em 10 capitais do Brasil:
   7,8% dos homens diziam-se homossexuais e 2,6% bissexuais.
   4,9% das mulheres diziam-se lésbicas e 1,4% bissexuais.”
 [Wikipédia]

 ►“O número de evangélicos no Brasil aumentou 61,45% em 10 anos.
  Em 2000, cerca de 26,2 milhões se disseram evangélicos, ou 15,4% da população.
   Em 2010, eles passaram a ser 42,3 milhões, ou 22,2% dos brasileiros.
  Em 1991, o percentual de evangélicos era de 9% e, em 1980, de 6,6%.”
[G1]

  Observem que 22% de evangélicos atraíram 335 mil enquanto 10% de homossexuais atraíram 270 mil.
  Se você só ia na escola para comer merenda 😄 vou facilitar as coisas:
  Para ficar percentualmente equivalente os evangélicos deveriam atrair 545 mil pessoas.

  Entretanto o mais importante desses números são os que não estão nas matérias, mas chegamos a eles facilmente por dedução matemática.

  Arredondando:

  100 – 22 = 78% NÃO são “evangélicos” (Protestantes)
  100 -  10 = 90% NÃO são homossexuais.

  Fica evidente que o fato de ocorrer essas marchas com milhares de pessoas não deve ser relevante para você mudar sua opinião/opção sexual ou religiosa.
  É uma festa dos caras, não precisa ser necessariamente sua.

  A grande maioria da população continua heterossexual e sem levar ao pé da letra o que está escrito na Bíblia.  

  Católicos religiosamente são maioria, mas observamos que não são grandes frequentadores de Igreja.
  A Bíblia para eles é mais um símbolo sagrado que “100% a palavra de Deus.”

  Por onde vou vejo homossexuais, mas a maioria dos homens continua gostando só de mulheres e as mulheres só de homens isso não vai mudar, é nossa essência biológica.
  A homossexualidade é e continuará a ser exceção à regra.

  Quanto a evangelização acredito que sofrerá uma modificação, a Bíblia não deixará de ser um livro importante, mas será cada vez mais questionada.
  Blogs como o meu colocarão cada vez mais em xeque a pregação de padres e pastores que até agora tinham a prioridade da palavra.

  Acredito que a INTERNET trará mais racionalidade para a Fé das pessoas.
  Uma sociedade “espiritualizada” sem fanatismo religioso.

  A “verdade” (acontecimento real) nem sempre estará muito clara, mas saberemos melhor o que não é verdade ou que deve ser analisado com muitas ressalvas.

  Mantenha-se um Livre Pensador ... vai para onde o bom senso te guiar.
 
  No meu caso, sou hétero e não religioso.
  Esses são os “meus grupos”, inevitavelmente fazemos parte de algum.

  O importante é respeitar democraticamente todos os grupos.
  (Evidente que o que for crime no nosso entendimento social, deve ser punido nas formas da lei)

  




.


17 comentários:

William Robson disse...

“O tempo é perfeito!
Em sua perfeição reforma nossas aparências ...
A morte é perfeita, junto ao tempo nos finda;
O tempo e a Morte são perfeitos e cumprem seus papeis...” [Fabricio]
-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~~-~-~-~-~-~~--
Humm... poeticamente ficou bonito, mas filosoficamente nunca encontrei nada perfeito.
Vejamos, uma aparência perfeita não precisaria ser reformada.
Alem do mais o tempo pode reformar nossa aparência para melhor na adolescência, mas para pior quando envelhecemos, não conheço ninguém de 80 anos que não desejasse manter a aparência de 20 anos.

FABRICIO

William Robson disse...

“Somente verdadeiros amigos deixarão marcas no seu coração.” [Luuh Santos/G+]
--~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~~-~-~-~-
Palavras vazias!
Inimigos e desafetos não deixam marcas no nosso coração?
Como VOCÊ pode se considerar um “verdadeiro” amigo se não perdoa as falhas do seu amigo!?
Conclusão, você quer uma amizade verdadeira que nunca esteve disposto a dar, isto é EGOÍSMO.

homenagem atrasada... disse...

ao dia do amigo.
Gostaria de ter feito (ou reformado) uma poesia antiga para a data de ontem,mas não deu para fazer isso.
Então,postarei a música-

tripitaka 517,de bom dia ao sr. disse...

Os movimentos sociais não precisam deslumbrar ninguém.
Eles fazem parte do "exercício democrático" e colaboram na inclusão das minorias.
O critério para a definição de "minoria" não é numérico,mas não lembro se os "evangélicos" são assim considerados,embora representem um número menor entre os populares.

Já houve muito "racismo" contra os "diferentes" em nossa terra,e tais festas,existem para a autoafirmação pessoal e política deles,e de outros tipos "originais".
Eventos afins ensinam as pessoas a aceitar "a diversidade",condição para convivermos em paz.

Eu voltarei a ser vista nas festividades budistas de passagem de ano no bairro da Liberdade,e retomarei o uso das minhas contas,em volta do pulso,ou do pescoço,a fim de exaltar,e ao mesmo tempo,"preservar" meu direito à minha "identidade" atual.

Ainda bem que ao menos,nos sites,e nos livros,as pessoas aceitam uma prosa "moderada" a respeito da religião por elas praticada.
A internet _deverá colaborar na cidadania,ensinando muitos a não ser "inconvenientes".
O sr.está sendo um "comunicador" importante nessa questão "enfática".

Há um número em elevação de ateus e de adeptos de outras religiões nos espaços urbanos,mas alguns "krentôcos" pensam que o mundo- de alguma forma,foi concedido apenas a eles.(coitados...)

Eu disse "alguns".
Desconheço a conduta da maioria (e espero continuar desconhecendo...)
Nada disso,porém,"vêm muito ao caso".
Não precisamos também ser sisudos,aqui nos trópicos,tudo vira carnaval.
°
°
°
Hoje fui ler direito o texto sobre Salomão.
Eu acredito que ele foi um "serviçal" prestimoso do povo dele,mas as histórias que ouço em torno do mesmo,me lembram a imagem controvertida do presidente JK.

Para muitos(e para mim)-ele foi um herói,que pôs o país no caminho do desenvolvimento econômico,e para outros,ele foi um vilão, que detonou as finanças nacionais.

Mecenas,e políticos mecenas merecem menção na história,desde que fiquem explicados quais foram realmente seus feitos.
Ninguém tem a obrigação de ser gênio,mas os sortudos "em dinheiro" precisam mostrar que tiveram boa vontade.
Precisam ao menos,ter sido bons mecenas de gênios,e de melhorias em torno de si- para merecer seu lugarzinho na eternidade.

Isso aí.

faltou eu comentar... disse...

...sobre o aspecto lúdico de mega-eventos religiosos.

Eu acho bonito quando um ato de fé,reúne multidões,celebrando seus santos.
Mas,sempre expressei tais opiniões,através do "nique" Contravocê.
Atos coletivos(pacíficos) de fé religiosa fortalecem os vínculos metafísicos entre os irmãos de uma crença,e os incentiva individualmente,em suas vidas particulares.
Ao mesmo tempo os ensina(faço parte de outra comunidade que tem suas festas), a união mental com o "mundo inteiro".

Isso,irá organizar nosso futuro congraçamento a favor de necessidades comunitárias urgentes.

Se "fôssemos perfeitos" salvaríamos o mundo em trezentos e sessenta e cinco dias.
Ainda alcançaremos a "perfeição" necessária a essa demanda.

Que os deuses nos ajudem,e nos acompanhem- nesse imenso e eterno "festival das flores" que espero para algum dia.

correção disse...

ao mesmo tempo,os ensina/NOS ensina(faço parte de outra comunidade,com suas festas) a união mental com o mundo inteiro.

Encrenca 970 disse...

O Fabríco "viaja" muito.

A natureza tem suas "perfeições",mas tais "perfeições" não estão em acordo com nossas necessidades,nem com nossos desejos.

Na prática,os limites da vida,nos pesam,nos constrangem,e nos excluem.
Isso,ao longo do tempo,influi na "vergonha da simplicidade" que nos caracteriza-e nas hostilidades mútuas.
O que leva à necessidade de formação de grupos,que se tornem visíveis,levando a aceitação melhor de cada um no grupo.

A espécie humana é a única competente para reinventar a realidade,e para modificar as leis naturais.
Possivelmente,isso não está em desacordo com a Natureza.
Somos seus agentes,e ainda vamos ser "co-criadores".

Um bom sabadão a todos.

°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°

William Robson disse...

“Eu acho bonito quando um ato de fé, reúne multidões, celebrando seus santos.”
-~-~-~-~-~-~~-~-~-~-~-~~-~-~~-~~-~-~--
Por favor! Não estou criticando a “festa dos caras”, em nenhum momento o texto diz que eles deveriam ser proibidos de se reunirem ou declararem sua fé e opção sexual.
Apenas comentei o FATO de suas lideranças dizerem que reuniram 4 milhões ou 1 milhão de pessoas quando cientificamente o numero foi bem menor.
E também não estou criticando eles se “vestirem de glorias”.
Estou dizendo que nós criaturas não devemos os vestir de glorias baseados nos números que eles alardeiam.
Um Livre Pensador não esta imune a ser manipulado e neste caso informação de boa qualidade tem um peso muito importante.
Veja a diferença:
“A mulher pegou o ônibus.”
“ O ônibus pegou a mulher.”

Uma frase nos induz a pensar que houve um transporte a outra um atropelamento...situações muito diferentes.

Este é o Bom Senso disse...

A perfeição que vejo no tempo, é de simplesmente de não saber defini-lo... mas saber que é algo processual, e sem característica. Já a perfeição que vejo na morte é algo semelhante ao tempo ... Não há características... mas sabemos que existe.

Daniel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel disse...

Muito bom ficou o seu texto.

William Robson disse...

“quando li isso,perguntei :essa pessoa é crente?!pq jejum e oração não são coisas diferentes(pelo menos no sentido biblico-teológico)” [Anônimo]
-~-~-~-~-~-~-~~-~-~-~-~~-~-~-~-~-~-~-~~-~-~-~-
Oração é conversar com Deus.
Jejum é não comer.

Você pode orar e não jejuar ou pode jejuar e não orar porque SÃO COISAS DIFERENTES.

William Robson disse...

“A perfeição que vejo no tempo, é de simplesmente de não saber defini-lo... mas saber que é algo processual” [Bom Senso]
-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~~-~-~-~-~~-~-~~-~-~-~-~-~-
perfeito
per.fei.to
adj (lat perfectu) 1 Em que não há defeito; que só tem qualidades boas. 2 Cabal, completo, rematado, total. 3 Que resume muitas qualidades boas. 4 Magistral, notável.


indefinido
in.de.fi.ni.do
adj (lat indefinitu) 1 Que não é definido; indeterminado. 2 Que não tem limites, ou cujos limites são desconhecidos; infinito. 3 Genérico. 4 Incerto, indeciso, indistinto.

Na poesia podemos dar sentidos diferenciados as palavras, mas na Filosofia temos que respeitar o conceito que a palavra representa.
O conceito principal da palavra PERFEITO é algo sem defeito, sem falhas.
Se você não consegue DEFINIR uma coisa então ela é INDEFINIDA, INDETERMINADA

Então temos que você não pode dizer Filosoficamente que o tempo é perfeito por não saber defini-lo!!!
O Tempo é algo indeterminado para você o que não tem nada a ver com perfeição.
Exemplo:
Para eu afirmar que um quadrado é perfeito, tenho que definir o que é um quadrado, se eu não sei nem definir o que é um quadrado não tenho como atribuir-lhe a característica da perfeição.

Este é o Bom Senso disse...

Perfeito:
1 Em que não há defeito; (tempo)

Para ser perfeito não precisa apresentar qualidades relativas. (bom ou ruim)
Basta apenas não ter defeitos.

indefinido:
2 Que não tem limites, ou cujos limites são desconhecidos; infinito. (Tempo)

___________________________________________________________________________
O tempo é algo processual. (Unica característica do tempo)
O tempo não apresenta defeitos, que o torna perfeito.
___________________________________________________________________________

antônimo de perfeito é Imperfeito:
adj. Quem tem defeitos: obra imperfeita.
Defeituoso; incompleto.
__________________________________________________________________________

O tempo é perfeito, por simplesmente não apresentar defeito.

tripitaka 518,de boa noite,sr.William, disse...

Não critiquei(nada) em seu texto,só o complementei.
Como (quase) sempre,concordei com o tema do sr.

Os números precisam mesmo ser conferidos nesses eventos.
Uma coisa,é o entusiasmo,outra,é a objetividade.

O sr.lembra de um comercial veiculado uns anos atrás no rádio,que pedia pela clareza da propaganda?
Nele,as pessoas contavam histórias absurdas.
Uma mãe narrava para uma menina uma "lenda" em que uma princesa que morava numa cidade do interior, se casava com um Príncipe.

"_Não era um veterinário?"_

A história porém prosseguia,e era finalizada com um:

"_...foram felizes para sempre."

"_E o divórcio?"_perguntou a menina.

Em outra,um senhor fazia uma serenata para a esposa,dedilhando o violão.
"_Ah,tenho muito para contar..."_

"_Sempre o assunto conhecido."_a moça atarefada,replicava.

"_E nos encontramos num desses momentos mágicos da vida..."_ele prosseguia.

"_Não foi num bar?"_a esposa -agora,entediada.

"_...meu amor é só seu,Isabel..."

Crás.

"_Meu nome é Neide,entendeu?
Meu nome é Neideee!!"_ela gritaria,após um copo se quebrar.

(hahahaha!...)

Sua crônica foi neutra.
Ela mencionou os números exagerados.
Eu acrescentei minhas confabulações.

Acho que a "cisma" foi por eu falar em "minorias" no começo.
A palavra não foi empregada para mencionar o contingente de cada um dos grupos,no país inteiro.
Aliás,minoria não equivavale ao "volume numérico" de uma determinada "tribo".
Aprendi isso,há pouco tempo,então,tenho minhas dúvidas se os evangélicos,são,de fato, uma "minoria" religiosa,mesmo que "não sejam tantos".

No acréscimo,comentei o quanto eu acho bonitos,atos coletivos de fé religiosa,porque nunca os elogiei.
Sempre expressei isso,através do Contravocê-

Acho(e achei) que o sr.idem aprova esses "atos públicos coletivos".
É como se o sr.falasse num carro.
No preço,na cor, no risco que ele representa para o seguro,na quilometragem,nos acessórios,etc.
Aí,chega um amigo seu,e continua o tema,falando na utilidade,na velocidade que desenvolve,em sua tração, e em sua beleza.
Cada um descreveu o mesmo carro,e fez sua lista de vantagens dele.

Acho que estou precisando fazer um curso de "como falar melhor,quando converso".
Tenho pensado muito,e minhas falas visíveis devem estar truncadas-por causa disso.
(quando estou ausente,nem sempre estou passeando na web,umas vezes,estou "turbilhonando" sobre questões financeiras).
°
°
°

completarei essa crônica depois.
estou caindo de sono.

correção de uma frase disse...

Sobre "minorias",

"a palavra foi empregada para mencionar o contingente de cada um dos grupos no país inteiro".

Subtraí a palavra "não" que acabou ficando na tréplica,apesar das revisões.
Naquela hora,eu estava dormindo em cima do teclado,enquanto tentava escrever de forma clara.

Que boa surpresa... disse...

...o sr."Este é o Bom Senso",codinome do Fabrício,se interessou por nós!

Seja bem vindo!

Hã...então não há acréscimos à tréplica anterior.

Não só o tempo é perfeito.
O sono também é perfeito.(hehehe!)
Ele alimenta os sonhos,nas horas acordadas.

Bom dia aos agora (três) blogonautas daqui,além de mim.