quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Cabide de Empregos

  Se eu fosse prefeito de qualquer cidade não permitiria mais a construção de um único barraco, vamos urbanizar os que já estão aí e CHEGA!
[William Robson]




__________________________
  "Existem duas perguntas muito recorrentes:
 1ª) De que forma o Brasil buscou reparar séculos de injustiças com os negros?
 2ª) Quais foram os nossos esforços para acabar com as desigualdades e os preconceitos?"
 [Netinho de Paula]
________________________________________

  Estava jantando e assistindo TV o telejornal acabou, começou o horário eleitoral do PC do B.
  Netinho de Paula fala indignado que uma São Paulo tão industrializada não pode permitir uma periferia tão pobre. 

  As imagens exibidas fazem aquele manjado contra ponto.
  Mostra grandes industrias e favelas.

  Vamos meditar sobre isso.
  Porque é obrigação da industria paulista evitar a construção de barracos!?
  Não é a prefeitura que regulamenta a ocupação do solo publico?


 
  Netinho vem com aquele tedioso discurso marxista que o industrial fica rico explorando a miséria do povo.

   No entendimento do "PC do B" 
 a industria não pode permitir que haja desemprego.

  Caraca! 
  Se eu abro uma empresa e emprego 100 pessoas, deveria ser motivo de alegria para qualquer cidade. 
  Se eu preciso de 100 funcionários, mas por uma "consciência social" emprego 120 minha empresa fica menos COMPETITIVA do que poderia ser.
  Pessoas ficam ociosas.
  O concorrente de outra cidade um pouco melhor de matemática trabalhando com o numero de funcionários certo consegue cobrar menos pelo mesmo produto.

  Torna minha empresa obsoleta, eu vou a falência e 120 pessoas perdem o emprego alem da cidade perder mais uma boa fonte de impostos.
  Suponhamos que eu fabrique cadeiras.
  Uma empresa melhor organizada consegue colocar no mercado um produto tão bom quanto o meu cobrando 10% a menos.
  Quando vamos comprar alguma coisa queremos o menor preço e qualidade, ninguém vai ficar pesquisando o grau de "consciência social" do fabricante.
  Se fosse assim ninguém compraria produtos chineses (só um exemplo).

  Vejam que ironia.
  Grandes empresas como 3M, Bosch, Walmart ... são muito conhecidas, tem uma imagem a zelar.
  Por serem grandes, advogados adoram mover processos contra elas por qualquer motivo.
  Essas empresas por "ombridade" dos seus diretores ou por pressão da opinião popular precisam ficar atentas a legislação do país.

  Contrariando a pregação do PC do B, são as grandes empresas que em geral propiciam melhores condições de trabalho.

  Como sabemos a maioria das empresas são médias e pequenas.
  Qualquer variação de preço afeta bastante as vendas.
  Quero dizer que aceitamos pagar um pouco mais pelo produto Coca-Cola, quanto aos outros refrigerantes a diferença de preço é bem mais levada em consideração.

  Você vai comprar uma cadeira, as marcas não são conhecidas.
  Se a aparência e resistência se assemelham o grande diferencial é o preço. 

  Com minha fabrica de cadeira eu poderia manter uma parceria com 100 pessoas por muito tempo eu conseguindo meu LUCRO e elas conseguindo seus salários, como fui querer transformar minha empresa em um cabide de empregos perdi eu e perderam elas.


  
  Até o “consumidor socialista”, lá na ponta, lá no varejo, quer pagar o mínimo possível com a melhor qualidade, não está nem aí se o empresário A foi mais "caridoso" que o empresário B.

  Logo, chegamos a conclusão que a empresa deve contratar o numero de funcionários condizente com sua necessidade.


  O Estado não deveria, mas até pode se dar ao luxo de ser um cabide de empregos, ele aumenta os impostos ou imprime mais dinheiro para pagar as contas. 

  Claro que ferra toda a Sociedade, mas ele mesmo fica imune ao seu descontrole administrativo.

  Netinho não entende que São Paulo é uma potência, mas não pode inventar empregos para praticar caridade.
  Se criamos 1 milhão de empregos para imigrantes e chegam de outra cidade 1 milhão e 200 mil ... é economicamente insustentável empregar todos que chegam.  

  Se a pessoa chega aqui, não consegue se estabelecer e estava melhor no seu Estado de origem, oras, o mais sensato é que volte para ele, podemos até ajudar com passagens. 
  Mas o cidadão prefere montar mais um barraco de preferência perto do córrego para jogar seus entulhos ou em áreas de risco onde quem tem JUÍZO não constroe casas...

  Se por caridade empregarmos todos que chegam, aí mesmo que chegarão ainda mais, até de outros países como o caso dos bolivianos.
  Se começarmos a acreditar que SP esta acima de qualquer lei de mercado e assumirmos esta obrigação de empregarmos todos que chegam, de certo se instalará o caos, será nossa grande derrocada.
  O Brasil é grande e tem riqueza por toda parte se eu fosse os políticos lutaria por uma maior descentralização da economia.


  
Acredito que os cearenses, pernambucanos, alagoanos...merecem prosperar no Estado em que nasceram, próximos a suas famílias, PAGAM IMPOSTOS para isso.

  Os Governadores de estado deveriam fazer campanhas publicitarias mostrando a realidade de que SP esta inchada, incentivar as pessoas a permanecerem em seus Estados de origem e criarem boas condições para isso.

  Sei que serei grosseiro, mas não vejo melhor maneira de me fazer entender.
  Sabe quando você fica com dó daquele cãozinho perdido na rua e lhe dá algo para comer?
  Você não quer ficar com o cãozinho só queria amenizar seu sofrimento naquele dia difícil, mas ele não vai mais embora, ele te elege seu dono e agora ele passa a ser responsabilidade sua!
  
Muita gente pobre é assim, não planejam minimamente suas vidas e você por ter um pouco mais de disciplina e juízo tem que tomar conta delas...eu tô fora.

  





.