segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Isonomia

  Por princípio sou contra a isonomia salarial.
  Não somos iguais nem realizando as mesmas funções.

  Porém entendo a dificuldade em fazer diferenciações salariais para indivíduos que exercem a mesma função.

ISONOMIA SALARIAL, em termos jurídicos isonomia é o princípio geral do direito segundo o qual todos são iguais perante a lei; não devendo ser feita nenhuma distinção entre pessoas que se encontrem na mesma situação, na empresa significa que todos que exercem a mesma função devem ter salários iguais.
CLT - Art. 461 - Sendo idêntica a função, a todo trabalho de igual valor, prestado ao mesmo empregador, na mesma localidade, corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, nacionalidade ou idade. (Redação dada pela Lei nº 1.723, de 8.11.1952)




  Gosto das formulas porque se elas forem bem meditadas reduzem bastante o desperdício de tempo e atenção com assuntos corriqueiros.
  Como a vida não é exata fórmulas matemáticas não podem e não devem ser soberanas, a decisão final deve levar em conta a Inteligência e o Bom Senso.

  Vou sugerir uma fórmula, é só uma exemplificação.
 
  Entendo o que é agregar valor ao trabalho, sei que um funcionário não deveria ganhar mais só porque tem tempo de firma, mas também não concordo que por melhor que conheça e exerça a função o seu salário permaneça o mesmo, a chamada isonomia.
  Pensando em uma formula matemática para esta situação e puxando pela memória toda minha experiência profissional, vou tentar expor em poucas linhas o planejamento.

  Tendo como referência o salário inicial vigente da função a cada ano será acrescido 5%.
  Então no primeiro ano completado terá 5% de aumento em relação ao salário inicial vigente de quem está sendo admitido hoje naquela função, no segundo ano 10%, no terceiro 15%...até chegar ao décimo ano quando o trabalhador estará ganhando 50% a mais que quem está iniciando na mesma função.
  Veja que é 5% sobre o salário inicial da função.
 (Não é "juros sobre juros")
  Se o salário inicial são 1000 reais e isso se mantiver por 10 anos (hipoteticamente) depois de 10 anos na mesma função o indivíduo estará ganhando 1500 reais.

  Você deve estar pensando como posso dar aumento salarial se não foi agregado valor ao trabalho?

  Daí entra minha experiência profissional, que na maior parte dos casos deve ser igual a sua, falarei sobre minhas observações e veja se bate com as suas.
  Treinar um funcionário custa muito tempo e dinheiro, dependendo muito da função e capacidade de aprendizado da pessoa.
  Podemos dizer que no geral leva um ano para ele agir com independência e conhecer bem os detalhes da função, esta independência e conhecimento de detalhes agrega valor ao trabalho justificando os 5% de aumento no primeiro ano.
  Claro, se depois de um ano você nota que o funcionário foi uma aposta furada é melhor não empacar sua vida nem a dele, demita logo e que cada um siga seu caminho.
  A cada ano que passa a pessoa vai conhecendo melhor o cliente, o produto, a política da empresa, tudo isto vai agregando valor ao trabalho justificando os 5% subsequentes.
  Esta formula não prevê aumentos diferenciados após 10 anos porque seria economicamente inviável.
  O funcionário por melhor que fosse passaria a custar muito caro.
  Essa formula serve para empresas bem estabelecidas de médio e grande porte.
  A pequena empresa até pode aplicar desde que tenha lucratividade suficiente.

  Mesmo na pequena empresa que não tem condições de seguir a formula ela seria benéfica para o trabalhador INTELIGENTE, explico:

  Sempre digo que trabalhar para pobre é uma desgraça...😆

  Na falta de coisa melhor a gente até se sujeita.
  Meu primeiro emprego foi em uma banca de feira, precisava e fiquei agradecido pela oportunidade de estar empregado, levar algum dinheiro para casa.
  Evidente que o Sr Wagner me pagava o que dava pra pagar.
  Nem registro em carteira eu tinha, processa-lo seria arruiná-lo.

  Se sei que a empresa que trabalho não esta muito bem das pernas é um bom motivo para eu fazer meu trabalho muito bem feito, torcer para que ela fique bem financeiramente e me proporcione melhores condições.
  Não seja sem noção  como tantas pessoas que conheci, estão vendo sinais claros que a empresa não vive seus melhores dias e mesmo assim acham que o dono vai dar algo que ele mesmo esta com dificuldade para conseguir.
  Pesquise sobre o grande numero de empresas que fecham as portas por falta de lucratividade.
  


  É interessante ficar atento para para buscar oportunidade em uma empresa melhor estabelecida.
 Não dá para tirar leite de pedra, se percebe que a empresa esta a deriva procure outra rapidamente, você não é o capitão, não precisa afundar com o navio, cuide dos seus INTERESSES.

  A ultima empresa que trabalhei não estava mal das pernas, é muito sólida,mesmo assim pedi a conta porque esta atual me oferece condições melhores (passei em um concurso publico).
  Tenham certeza que me comportei dignamente até o ultimo dia.

    Busque o melhor para sua vida sem desprezar o que já conseguiu, é horrível cuspir no prato que comemos, não é CIVILIZADO.

  Há muitas fórmulas aplicáveis para "combater" a isonomia.
  A mesma função pode ser dividida em categorias.
  Balconista nível 1, nível 2, nível 3.
  Com critérios bem estabelcidos/transparentes o funcionário pode ir recebendo uma diferenciação salarial a medida da sua evolução.

  Tem o ganho por produtividade.
  Em condições iguais de trabalho quem produz mais ganha mais.

  O grande problema no Brasil é nossa legislação trabalhista.
  Ela estimula que empregador e empregado sejam inimigos implacáveis, um tentando destruir o outro sem entender que um não existe sem o outro...

   Enfim, cada empresa de acordo com suas características e possibilidades deveria desenvolver um sistemática de mérito.
  Onde aquele trabalhador mais dedicado pudesse ter uma diferenciação salarial sem que a empresa seja enquadrada em alguma ilegalidade.





.