sábado, 2 de fevereiro de 2013

Eliminar as Drogas

  “A droga é uma questão que existe desde que existe gente no mundo.
   Então vamos parar de hipocrisia e vamos olhar com seriedade a questão."




  Com relação as drogas a humanidade tem duas ilusões muito poderosas que complicam bastante encontrar soluções satisfatórias para o problema que elas representam.

  A primeira ilusão é que podemos elimina-las.

   Equipar mais a polícia, aumentar o número de policiais, intensificar campanhas.
   Com esses procedimentos eliminaremos o uso de drogas ou diminuiremos bastante?
  É o que muitos acreditam.

  Como os recursos não estão sobrando teremos que tirar dinheiro de outras atividades como saúde, educação, infraestrutura ... para aplicar no combate as drogas.

  Se não estamos livres das drogas ainda e seu consumo só cresce a solução é gastarmos mais com a polícia e em campanhas contra drogas?

  “Eu” não observo isso.

   Há países onde até o exército é envolvido nessa guerra contra as drogas e como sabem guerras custam bem caro.
  Como a indústria e o comércio de drogas não pagam impostos o dinheiro para essa guerra vem dos impostos sobre outros bens e serviços como os brinquedos do seu filho que você paga 40% de imposto ou de um bom bife que você paga 23%.

  Olha que legal, muito eficiente:

Descubra o peso dos impostos por produto
Digite o nome de um produto e saiba a carga tributária

  Já que falei de exército saibam que o tipo de combate mais difícil é o que acontece em área urbana onde guerrilheiros/terroristas se misturam com civis.
  Tudo fica ainda mais complicado quando boa parte da população dá apoio a causa dos “rebeldes”.

  “A milícia Talibã lucrou cerca de 100 milhões de dólares no ano passado com a produção de ópio.
  O dinheiro foi obtido através da cobrança de um “imposto” dos produtores de ópio, que são forçados a entregar 10% de seus lucros aos extremistas muçulmanos.”

  Os Estados Unidos com seu poderoso exército poderiam ter varrido o Afeganistão do mapa, era só não se importar com os civis e bombardear aquele território a exaustão, mas evoluímos, esse tipo de carnificina presente até em relatos na Bíblia não é mais aceitável.

  Seria “fácil” eliminar o uso de drogas ou reduzir seu consumo drasticamente.
  Poderíamos produzir clandestinamente drogas com algum tipo de contaminação mortal para o usuário, quem usasse morreria rapidamente.
  A mortalidade iria ser enorme no início, mas passado algum tempo com o uso do TERROR o consumo de drogas cairia.
  Eliminaríamos os atuais consumidores e afugentaríamos os futuros consumidores.
  Seria o exército dos Estados Unidos massacrando com todo seu poderio o povo do Afeganistão.
  Quem desse algum suporte a produção e comércio de drogas, mesmo que só ideologicamente, seria preso.
 
  O terror/medo sempre funciona.

  Lembremos que o surto de AIDS nos anos 80 diminuiu muito a frequência a prostíbulos e rodas de “pico” de drogas injetáveis.
  Portanto, meio de diminuir drasticamente o uso de drogas existe, mas é monstruoso, não é aceitável.
   Assim como foi monstruosa a perseguição ao tesão e não adiantou muita coisa.
  Toda pressão social/religiosa contra o sexo por prazer adiantou pouco; nem a mortalidade da AIDS acabou com os prostíbulos.

  Em alguns países o tráfico de drogas é punido com pena de morte e mesmo assim há consumo e consequente tráfico.

(No Brasil não aplicamos pena de morte nem para matadores em série.)

▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  A segunda ilusão é que se regulamentado o uso de drogas, 100% (ou a maioria) da população se tornará dependente química.

  Oras, hoje em dia só não usa drogas quem não quer.
  Nem o porte é crime, se um policial te pegar com uma pequena porção será considerado “para consumo próprio”, a droga será apreendida, mas você não irá preso.
  A não ser que você seja pego por um policial muito intransigente, não será nem ao menos levado até a delegacia.

  Observem que nada impede que 100% da população seja dependente química hoje.
  Se isso não ocorre agora porque aconteceria com a regulamentação!?

  Com o dinheiro dos impostos arrecadado as campanhas contra o uso de drogas poderiam ser muito intensificadas, se bem que nem sei se essa seria uma boa estratégia.

  Jovens tem uma certa atração pelo “proibido” o que pode acabar sendo um tiro no pé.

  As campanhas deveriam simplesmente alertar para as consequências maléficas da dependência química.
  Qualquer tipo de propaganda incentivando o uso seria crime.
  Indivíduos fora de controle estariam sujeitos a internação involuntária.
  Pararíamos de tratar bêbados e drogados como bebezinhos e passaríamos a enxergar como eles realmente são:

  Indivíduos adultos que fizeram uma opção de risco.

  Se conseguirem se manter sobre controle...bom para eles.
  Se prejudicarem-se... problema deles.

  Nós enquanto Sociedade alertamos dos riscos, providenciamos tratamento, fizemos campanhas, garantimos produtos fiscalizados de boa qualidade, mas assumir responsabilidades individuais... NÃO DEVEMOS.

  Com nossa tecnologia atual não temos como nos livrar do consumo de drogas, me parece bem mais possível nos livrarmos de LEIS IDIOTAS onde a população “inocente” paga pelos “pecadores”.

  O inocente pagar pelo pecador pode ser muito “bonito” na Bíblia.
  Mas aqui é vida real mano, cada um que segure suas paradas.

  Firmeza?



  “O Itamaraty informou que está ciente da situação e que está adotando medidas sobre o caso.
  A Indonésia mantém cerca de 30 estrangeiros, entre eles outro brasileiro, no corredor da morte, a maioria por tráfico.”


anterior                       COMENTAR                                próximo

Postar um comentário