segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Terceiro Sexo?

Os homossexuais:

a) Devem ter todos os direitos garantidos aos heterossexuais, inclusive o casamento civil e a adoção

b) Devem ter direito à união civil.
  Mas, no caso da adoção, é preciso avaliar qual o impacto, para uma criança, de crescer em uma família não convencional.

c) Devem ser respeitados como cidadãos, mas o casamento é uma instituição restrita ao homem e à mulher.
  Eles podem viver juntos, mas não se dizer casados.

d) Têm de ser respeitados como qualquer ser humano, mas dar direitos especiais a eles é legitimar uma união não natural.

  “Barack Obama foi o primeiro presidente dos Estados Unidos a se manifestar a favor do casamento homossexual.” 


  Lendo essa notícia nos dá a impressão de um Obama “corajoso”, a frente do seu tempo, mas não é bem assim.
  Faz tempo que nos países democráticos as decisões governamentais são baseadas em pesquisas da opinião pública.
  Literalmente os políticos falam coisas que lhes tragam voto.
  Não vejo nada de muito errado.
  As pesquisas são uma maneira eficiente de saber a vontade da maioria, são mais baratas e menos trabalhosas que constantes plebiscitos.
  Imaginem um país de grande extensão e populoso a mercê de plebiscitos constantes. 

  Não sei se Obama pessoalmente é a favor ou contra o casamento Gay [acredito que seja a favor].
  Porque ele na eleição anterior evitou o tema e só agora está dando destaque?
  Porque as pesquisas de opinião apontam que defender o casamento gay traz mais VOTOS que ser contra.

  Certas coisas me parece que não tem mais volta e quando isso acontece devemos procurar maneiras de adaptarmos nossos costumes e nossas leis.
  O homossexualismo é tão antigo quanto a humanidade.
  Mais uma vez uso como ponto de referencia as drogas.
  Eu não uso drogas, nunca usei e gostaria que ninguém usasse.
  Mas a realidade é que não estamos nem perto de eliminar o uso de drogas, então é melhor nos adaptarmos, tentarmos uma convivência tão pacifica e eficiente quanto possível.
  Nossa ciência tem que continuar procurando algum método que livre as pessoas da dependência e quando conseguir isso devemos “tentar” convencer as pessoas a não usarem drogas, no entanto não temos nem o método, alguma vacina anti-vicio.
  A droga proporciona tanto prazer que é difícil convencer a todos a não usarem.
  O que tem isso a ver com o homossexualismo?
  Eu não sou gay, não sinto a mínima atração sexual por um homem, não é porque existe uma lei permitindo o casamento entre pessoas de mesmo sexo que vou fazer isso.

   O fato é que não escolhemos o que sentir e se alguém nasce homossexual temos que ter uma legislação para isso.
  O que vejo com reserva é uma certa idolatria a condição gay.
  O que por enquanto é um movimento natural, mas que temos que trazer para o bom senso.
  Indiscutivelmente os gays foram muito discriminados, agora um certo sentimento de culpa leva a sociedade a lhes dar direitos em excesso.
  Não, não tem lógica nesse movimento, sentimentos não são lógicos.

  Se na sociedade da década de 50 gays eram marginalizados não tem porque a sociedade da década de 90 se culpar por isso e buscar compensações.
  Além do mais nossa aceitação não deve nos fazer ignorar a anomalia.
  A união homem mulher tem uma razão biológica, gerar filhos, a união homossexual não.

  Se eu gostasse sexualmente de homens eu não “sairia do armário” a não ser que fosse um desejo muito forte, mas precisaria ser um desejo muito forte mesmo a ponto de eu ter aversão ao contato com mulheres.
  Nasci em um corpo de homem e como homem eu iria me comportar, reprimiria qualquer AÇÃO homossexual.
  Não me lembro de nenhum desejo meu fora dos padrões, mas vamos supor que eu me interessasse por adolescentes, ninguém acharia errado eu reprimir esse gosto.  
  Do ponto de vista biológico a natureza nunca nos preparará para a homossexualidade porque não se encaixa nos planos dela de preservação da espécie.
  Por outro lado a partir da menstruação uma jovem já está preparada para o sexo.
  Até pouco tempo atrás as moças casavam com 14, 15, 16 anos.



  Logo, biologicamente não há nada de errado em um homem adulto ou idoso se interessar por “novinhas”.
  Lembrem-se que a produção de espermatozoides é sempre renovada, um homem está tão apto a reproduzir com 15 anos quanto aos 65.
  E chegamos a ARGUMENTAÇÃO que se somos tão tolerantes com a homossexualidade que é “antinatural” deveríamos ser ainda mais tolerantes com homens que gostam de adolescentes.
  Quanto mais cedo a espécie começa a atividade sexual, maior a possibilidade de prole.
  O instinto básico de preservação da espécie nos leva a ser atraídos pelas novinhas, mas isso não se encaixa na homossexualidade.

  Sei que esse raciocínio ofendeu a muitos, mas esqueçam a raiva apenas se concentrem na estrutura de pensamento.
  É louvável um homem adulto reprimir seu desejo por mulheres adolescentes e é louvável alguém reprimir seu desejo pela homossexualidade.
  Tomem muito cuidado em tentar contra argumentar usando o Freudianismo.
  Vou me antecipar:
  Você dirá que antes dos 18 anos o indivíduo é vulnerável mentalmente, logo, se eu sair com uma garota de 15 anos estarei provocando um dano mental “irreversível”.
  Vamos aplicar a dialética.
  Por esse critério devemos impedir qualquer demonstração de homossexualidade por parte de um menor de idade.
  Se o rapaz de 15 anos tiver um comportamento afeminado devemos interna-lo em alguma clínica e aplicar quem sabe injeções de testosterona e acompanhamento psicológico para que ele cumpra o papel social que se espera dele.
  Se depois dos 18 ele persistir em um comportamento homossexual aí sim devemos permitir assim como a garota ao completar 18 anos pode até se prostituir se quiser.

  Cientificamente não existe um terceiro sexo, logo coisas como kit gay e orientação sexual desde o ensino fundamental não deveria nem ser discutido.

 Discutir ou não discutir sexo com crianças deve ser uma opção dos pais e não uma obrigação escolar.

  Meditem sobre isso, depois continuamos...



anterior                       COMENTAR                                 próximo

Postar um comentário