sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Meu Defeito

“No Capitalismo oferecer algo de graça deve ser analisado com muito cuidado, é mais complexo do que parece a primeira vista, na dúvida é melhor cobrar.”
 [William Robson]
_________________________________________________________________
 “Imagine um aposentado saudável que se levanta da cama com tempo de sobra.
  Ele faz o quê? Vai a médicos.
  Se for hipocondríaco? Vai a médicos.
  Há ainda gente que quer se internar toda hora sem indicação médica.
  É de 25% a 30% o índice de exames laboratoriais a que os pacientes se submetem e depois nem pegam o resultado.”    [Edson de Godoy]
__________________________________________________________________     

  No Capitalismo, filosoficamente falando, essas estruturas são incrivelmente complexas, muito fascinantes.
  O preço é fundamentado no CUSTO.
  O valor é fundamentado na NECESSIDADE. 

  Quando você oferece algo “grátis” quem recebe tem a ilusão que o produto ou serviço teve custo zero.
  E como não teve custo ... é gasto até sem necessidade.      
  É evidente que o produto teve um custo e alguém pagou por ele.

  Na empresa que trabalho os papéis toalhas são de “graça”.
  Calma, não estou propondo que sejam cobrados.
  Apenas entenda que a empresa compra esses papéis e paga por eles.
  Como é uma Estatal ... é dinheiro dos impostos.
  Tem gente mais “consciente” que usa com comedimento, não desperdiça ou faz uso indevido só porque aparentemente é de “graça”.
  No entanto há pessoas que usam uma quantidade absurda de papel para enxugar as mãos.
  Outras até criam novas “utilidades.”
  Tem um indivíduo que após tomar banho usa no mínimo umas 50 folhas de papel para forrar o chão e secar os pés.
  Todo dia ele sozinho consome ao menos um fardo de refil de papéis toalha.
  Quando ele está no vestiário chega a me doer na alma tanto desperdício.
  Mas o que eu posso fazer a não ser desabafar nesse texto para que outros não façam isso.
  Se eu falar com o cidadão vem aquela resposta clássica:
  “-É você que esta pagando?”

  Como é uma Estatal todos nós estamos pagando, mas não acredito que esse entendimento entre na cabeça do indivíduo. 
  E se não fosse uma Estatal?
  Em nome do que dá para justificar o desperdício e uso indevido!?
  Eu não consigo e você?

  E se acontece o desperdício na sua casa?

  Certa vez uma única ligação para celular me custou 30 reais e nem foi eu que fiz, foi um visitante.
  Para o visitante de certo foi uma conversa prazerosa ele não pagou nada por ela, foi “de grátis”.

  É evidente que não vou cobrar de minhas filhas o que elas comem ou usam, mas me sinto na obrigação de evitar o desperdício.
  Um exemplo:
  Uma filha gosta de farofa, sempre que vou ao mercado não deixo de comprar.
  O problema é que minha filha estava comendo só metade da farofa que colocava no prato 😲
  Caraca! Coloca um pouco de farofa, se quiser pega mais, mas jogar fora ... deixei claro para minha filha que não compraria mais.

 Quando um produto ou serviço não nos custa nada tendemos ao DESPERDÍCIO.

  Em um planeta com 7 bilhões de habitantes e pessoas querendo cada vez um padrão melhor de vida...evitar o desperdício não está tendo a atenção necessária.

  Logo, oferecer produtos e serviços de graça para qualquer um que seja é algo a ser muito bem analisado.

  O aposentado está sem nada para fazer então que tal dar uma volta de ônibus? (É grátis)

  Se ele pagasse só sairia se tivesse necessidade, mas é de graça ... ou melhor, outros estão pagando por ele.
  Sei, sei você está resmungando que o idoso tem direito a dar um passeio, claro que tem, caminhe pelo bairro, vai conversar com algum vizinho, se quer ir até o centro da cidade ou a um bairro mais distante que pague por isso, me parece justo.
  Se ele está prestando algum serviço autônomo que coloque isso em seus custos.
  Visualize o ridículo de uma situação real:
  Um colega idoso ganha uns trocados cuidando do jardim de uma “madame”, ela mora em um bairro nobre.
  Meu colega não paga a condução então pode cobrar menos da madame que outro jardineiro que tivesse que pagar o ônibus ou o combustível do automóvel.
  A madame economiza uns trocados, alguém com menos de 60 anos perde uma oportunidade de trabalho, e toda sociedade paga a conta do ônibus...
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  “Imagine um aposentado saudável que se levanta da cama com tempo de sobra.
  Ele faz o quê? Vai a médicos.
  Se for hipocondríaco? Vai a médicos.”
  [Edson de Godoy]



  No caso do serviços médicos “grátis” o problema que se apresenta é gravíssimo quando a população não tem consciência dos custos, exames custam caro.

  O custo de um Raio X do tórax fica em torno de 90 reais.
  Uma tomografia fica em torno de 400 reais.
  Vamos supor que uma pessoa pague 600 reais mensais por um convênio médico, se ela vai muito ao médico esse valor embora alto pode dar prejuízo a operadora facilmente.

   Lembrem-se que nenhuma empresa Privada ou Estatal pode operar com prejuízo ou déficit sem que isso gere graves consequências.
  Imagine você ganhando 1000 reais por mês e gastando sempre 1200, alguém tem que te bancar ou a dívida fica inviável.

  Você deve entender que ao defender o direito de uma pessoa ir quanto quiser ao médico pagando a mesma mensalidade, o custo final tem que ser rateado entre todos, mesmo você não indo muito ao médico tem que pagar pelos que vão provocando distorção nos preços.

  Você paga mais do que deveria pagar e o outro paga menos do que custa para o convênio.
  Pense bem, se a pessoa pagar 40 reais por um exame de Raio X vai se interessar ao menos em pegar o resultado e fará o exame apenas se sentir que é necessário segundo o aconselhamento do médico, agora se for de graça ou estiver incluído na mensalidade...

  Sei que esse assunto está deixando Freudianos e “Socialistas” revoltadíssimos então vou seguir por outro caminho, pessoas com muita raiva raciocinam pouco, esse Blog precisa de leitores que raciocinem.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Meu primeiro emprego registrado foi na Usimec uma metalúrgica que ficava no Jardim do Trevo em Campinas.

  Era comum as empresas terem um espaço reservado para fumantes.
  O indivíduo sentia vontade de fumar ia atrás do barracão e fumava seu cigarro sossegado, durante o turno um fumante “comum” passava de 30 a 40 minutos fumando.
  Eu tinha 14 anos e ficava um tanto indignado com isso, eu levava desvantagem por não fumar!
  Se eu fumasse teria de 30 a 40 minutos a mais de folga durante o turno. [Matemática básica]

  Será que se o tempo fumando fosse descontado do salário os caras fumariam tanto?

  Vejam bem, não estava e não estou fazendo uma pregação xiita contra o fumo ou o direito de quem quer que seja de fazer os exames que acha necessário, estou defendendo MEUS INTERESSES.

  Quero entender porque EU tenho que pagar a conta.
  Meu “defeito” é não fumar, não ser hipocondríaco!?
  Meu defeito é ter saúde? Ser honesto? Ser adulto?

  Quando eu digo que é fácil ser Deus segundo o conceito que construímos dele [O Deus de Abraão] as pessoas dizem que estou blasfemando, mas quantos já ouviram e concordaram com aquela historinha de cada um carregar a própria cruz?
  Aplaudem como uma pérola de grande sabedoria.

  Entretanto quando falamos de “Socialismo” a historinha é outra: “Todos temos que cuidar de todos.”

  A historinha de carregar a própria cruz que é tão festejada na Religião de repente na vida em sociedade vira um conto de terror!

 “Um Filosofo não pode ignorar os extremos, mas tem que se ater aos meios.”

  Devemos ter uma “rede de proteção”, auxiliar quem está "NECESSITADO", em alguns casos extremos teremos que carregar pessoas nas costas garantido o mínimo de condição para que sobrevivam.


  Hoje em dia só escuto falarem em um tal de “Bem estar Social” onde utopicamente todos podem viver como ricos sem nos preocuparmos com quem vai pagar a conta... REPENSE!




Anterior          <>        Próximo 


Postar um comentário