sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Regressão Moral

  “Bons argumentos são antídotos contra falácias.”
[William Robson]

  ARGUMENTOS são ideias lógicas relacionadas entre si com o propósito de esclarecer e resolver determinada situação ou dúvida.
  São normalmente baseados em premissas que ajudam a construir uma conclusão.
   No entanto, todas as premissas deve ter como alicerce um sentido lógico, caso contrário o resultado final não é válido.

   FALÁCIA significa erro, engano ou falsidade.
   Ideia errada que é transmitida como verdadeira, enganando outras pessoas.
   No âmbito da lógica, falácia consiste no ato de chegar a uma determinada conclusão errada a partir de proposições que são falsas.

  "A cura para um argumento falacioso não é a supressão de idéias e sim um argumento melhor."  
[Carl Sagan]

  Quando li essa frase de Carl Sagan gostei e entendi o que quis dizer, mas achei a construção ineficiente.
  “Argumento falacioso” é uma “liberdade poética” que estraga a frase.
  Se um plano de pensamento é falso ou ilógico ... não é um argumento.
  É no máximo sofisma.

  Vamos verificar isso na pratica.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Um grande debate meu com Kardecistas é se o espirito pode ou não regredir moralmente.

  Segundo o Kardecismo/Espiritismo quanto mais um espirito encarna mais evolui moralmente, pode até estacionar, mas regredir nunca.

  Como isso está escrito na Doutrina Espirita, qualquer ponderação minha sobre a doutrina não pode começar admitindo a possibilidade de um espirito ter regredido moralmente, tenho que suprimir essa possibilidade de minha mente.
  Ficamos diante de um dogma.

  Nunca fui bom nesse negócio de suprimir idéias, eu concordo ou não concordo com elas, mas não pensar nelas, apaga-las de minha mente é muito difícil.
  Vejamos um exemplo:
  Na maior parte de minha vida fui contra a pena de morte, os espiritas também são, mas mesmo católico e evangélico eu já era contra a pena de morte.
  Há uns 10 anos atrás quando comecei a participar de grupos de discussão comecei a ter muita dificuldade em defender esta posição, chegou uma hora que não deu mais para seguir "a voz do meu coração", a razão gritava que a pena de morte é uma ferramenta para controle da violência que não pode ser descartada, é aceitável.

 Aqui temos uma boa premissa:

  "Se" admitir a pena de morte é uma regressão, fica claro que eu regredi moralmente.

  Nesse ponto Freudianos e Espiritas argumentarão a mesma coisa:

  "Eu já era a favor da pena de morte desde a infância, só não havia descoberto isso ainda"

  Os caras se acham capazes de penetrar na minha mente/espirito a ponto de determinar com segurança as ideias com as quais eu nasci!?
  Posso garantir a vocês que duvidas eu tenho a respeito de quase tudo, 90% de mim era contra a pena de morte, nos debates eu defendia a posição que a vida pertence a Deus e só ele pode tirar.
  Acreditava que matar um assassino nos igualaria a ele.
  Logo, minha mente/espirito era contra a pena de morte com convicção.
  Sem dúvida houve uma regressão moral ... segundo a posição Kardecista de ser contra a pena de morte.

  Calma, você que é Kardecista e conhece bem doutrina já vai dizer que estou sofismando.
  Essa foi só a introdução, vamos a outro ponto fundamental da doutrina.

  Em verdade vos digo que:

  Espiritas defendem que a aparente regressão moral pode acontecer em uma existência, mas não de uma encarnação para outra.

  Logo, eu “regredir moralmente” nessa existência não depõe contra a doutrina.

  Fica assim.
  Não houve uma regressão de fato.
  Na encarnação anterior eu NÃO alcancei a “evolução moral” de ser contra a pena de morte.
  Como nessa encarnação nasci em um ambiente contrário a essa pena fui “imitando” o meio.
  Mas na hora do vamos ver ... minha real situação moral aflora.

  Perceberam?
  Está determinado que aceitar a pena de morte como punição justa/logica para um crime hediondo é “imoral”.
  A premissa é acreditar sem questionar que a reencarnação realmente acontece e que os Kardecistas sabem todas as leis que a rege.
 Acredito que com exceção dos Kardecistas todas as outras correntes de pensamento concordam que é uma premissa fraca para construir um ARGUMENTO.
 
  Mas para essa meditação ficar mais interessante, vamos admitir hipoteticamente que a doutrina espirita esta 100% certa.
  Vou persistir na analise se pode ou não haver regressão moral.
 
  Para espiritas somos criados individualmente puros e ignorantes.
  Você não existia, assim que passou a existir espiritualmente era puro.
  Na sua primeira encarnação comete "pecados", adquiri defeitos morais/éticos que serão resgatados a perder de vista em varias reencarnações até que volte a ser puro...
  Caraca, se já fomos criados puros e ao encarnar ficamos impuros houve uma regressão moral.
   Percebem que não conseguimos tirar a regressão moral da equação por mais que tentemos?
  O nó mental não para aí.

  Podemos ARGUMENTAR que nascemos puros e ignorantes, queremos continuar puros, mas adquirir conhecimento.

    Para adquirir conhecimento o preço a pagar é perder a pureza?

    Fica um pensamento coerente, caminhamos para ter mais conhecimento e o preço a pagar é controlar o monstro em nós, controlar nossa REGRESSÃO MORAL que surgiu justamente do conhecimento do bem e do mal.
  Acontece que Espiritas defendem que adquirir conhecimento nos torna mais evoluídos moralmente, nos purifica.
  A equação que eles nos apresentam é um samba do crioulo doido, não tem como fecha-la.
  [Tá complicado né? Hoje não estou a fim de facilitar vamos piorar o dilema.]

  O grande questionamento (nesse texto) é saber até que ponto admitir a pena de morte fica patente que ocorreu uma regressão moral em mim.
  Pena de morte é errada só porque sua ideologia diz que é?
  Matar os maus para proteger os bons é uma regressão moral? 
  Você tem um bom ARGUMENTO para defender isso ... porque eu NÃO TENHO.

  Meus bons argumentos são favoráveis a pena de morte.

  Adquirir conhecimento me tornou mais impuro?

  "Decifra-me ou te devoro"!







.
👩 “A evolução é pra frente...
Parafraseando Einstein, uma mente que se abre ao conhecimento jamais retoma a forma inicial.
Acredito, entao, que tudo o que acontece após a abertura para o conhecimento, por exemplo, e que pudesse indicar retrocesso de alguma forma, seria resquício do estágio anterior, ou escolha...”
[Louisiana Coelho no Face]
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬   
  A proposta da meditação é mais complexa.
  A doutrina Kardecista fala em uma evolução “moral”.
  Falar da moral terrena já é muito subjetivo o que falar de um mundo/dimensão que apenas suspeitamos que existe.

  Mas vamos usar um exemplo terreno como você citou Einstein.
  Para construir uma bomba atômica é preciso muito conhecimento, a mente dos cientistas se abre muito.
  Se essa bomba vai ser usada de forma “moral ou imoral” é uma situação muito diferente.

  Indo para o surreal...

  Se existe espíritos poderosos do bem em oposição a espíritos poderosos do mal.
  Por uma dedução logica esse poder só pode vir de conhecimento.
  O mesmo conhecimento que levou espíritos a optarem pelo “bem” levou outros a optarem pelo mal.

  A dedução que não é tão fácil é:

  Um espirito que optou pelo mal nem que passe milhares de anos nunca ira “regredir em direção ao “bem”.

  Um espirito que optou pelo bem nem que passe milhares de anos nunca ira “regredir” em direção ao “mal”.

  Será que a vida na espiritualidade é tão exata e predeterminada depois de uma única decisão?


 Decifra-me ou te devoro!