quarta-feira, 6 de março de 2013

População Autocrítica

  “Moradores acham que as linhas de alta tensão podem fazer mal à saúde e causar até câncer.”

  “Orlando Lobosco (ex-diretor do Instituto de Eletrotécnica da Universidade de São Paulo) dizia que tinha esse risco, ele pesquisava muito, inclusive viajava para fora, para ver nos outros países quais eram as soluções”.
  Pouco tempo depois descobriu que tinha câncer de próstata.
  Morreu em 2003.”



  A decisão sobre esse caso foi levada ao STF!
  É quase inacreditável algumas coisas que chegam ao Supremo.

   Pelo que li na matéria são pessoas bem alfabetizadas, não é possível que não entendam o resultado de tantas pesquisas cientificas feitas no mundo inteiro para analisar a ação dos campos magnéticos no corpo humano.
 Até agora NADA foi constatado de prejudicial, mesmo assim querem sobrecarregar o Supremo com mais essa “frescura”.

  Políticos são pessoas públicas sujeitas a críticas e vejo nas redes sociais muitas críticas a políticos, algumas merecidas outras injustas, mas o fato de eu destacar essa reportagem é que é raro ver nas redes sociais uma autocrítica da população.

  Exemplo:

 Eu sei que a Prefeitura tem que ter equipes para manter terrenos públicos limpos, mas a população também tem que zelar pela limpeza não jogando lixo em lugar indevido.

  Eu sei que a justiça deve punir políticos corruptos, acontece que a justiça precisa de provas nem sempre fáceis de conseguir.
  O eleitor diante de graves suspeitas mal explicadas pode escolher outro candidato, não precisa de provas contundentes.



  No caso dessa reportagem do Fantástico me parece que os moradores acham as torres feias, isso mesmo, me parece mais uma questão estética.

  Vejamos.
  Não é um bairro de favelados, de pessoas que não tem para onde ir.

  Pense bem, você acredita que a torre de alta-tensão perto da sua casa pode provocar câncer, solicita uma série de estudos e TODOS eles dizem que o nível de radiação é baixo não oferecendo risco significativo a saúde.
  Mas apesar disso você não confia na ciência ou nas pesquisas e está convicto que a proximidade da torre afetará sua saúde e de seus filhos.
  Caraca que tipo de mãe ou pai é você que não muda de casa!!
  Coloque a casa a venda e compre outra mais distante das torres, pode ser até no mesmo bairro.
  Você critica a “ganância” da distribuidora de energia e não olha para sua própria ganância expondo sua família em “risco”.
  A distribuidora está apoiada em estudos técnicos e científicos e você?
  Está baseado em uma “intuição” que é prejudicial, mas não leva muito a sério sua própria intuição senão faria de tudo para mudar de residência.

  Eu não sou rico, mal posso me considerar classe média, mas se algo onde moro oferecesse risco a minha família eu me mudaria, aquelas pessoas parecem ter muito mais dinheiro que eu.
  O principal reclamante é ex-diretor da USP e fazia viagens ao exterior.

  Todos sabemos que a colocação das torres obedecem critérios técnicos para atender melhor a população.
  Um grupo de moradores “sem autocrítica” querem a mudança por questões estéticas!!!
  Não tenham dúvidas, sempre que dificultamos o serviço das empresas geralmente acabamos aumentando os custos que inevitavelmente são repassados a nós.

  Por favor, não estou defendendo cegamente a empresa de energia elétrica, estou defendendo as EVIDÊNCIAS cientificas que a solicitação da população não procede.

  Já pensaram se a frescura pega e as torres só possam ser colocadas há 200 metros de qualquer residência, onde colocaremos essas torres?
  Todo mundo quer ter eletricidade em casa e como transporta-la sem torres?

 “Em vez dos 83 microteslas permitidos, os moradores querem apenas 1.
 É o nível da Suíça.”

  Observem um dos argumentos utilizados, comparar o Brasil com a Suíça.
  Para vocês terem uma idéia só o Estado de São Paulo é 6 vezes maior em território que a Suíça.
  A Suíça tem 8 milhões de habitantes o Estado de São Paulo tem mais de 41 milhões.
  É óbvio que a necessidade de linhas de transmissão na Suíça é muito menor, eles podem se dar a um luxo que nós não podemos.

  Mas volto a dizer que se fosse comprovado cientificamente algum dano é evidente que a população brasileira tinha que ficar ciente e Governo e Empresas teriam que arranjar soluções.
  Já temos tantos problemas reais porquê vamos desperdiçar tempo e recursos com problemas imaginários [não comprovados]?

  O morador mais incomodado com a situação (Orlando Lobosco) morreu de câncer de próstata.

  Um dado CIENTIFICO é que o câncer de próstata só perde em incidência para o câncer de pulmão, logo, o morador desenvolver câncer de próstata não é algo fora de uma realidade observável.
  Felizmente se detectado a tempo o câncer de próstata tem uma probabilidade de cura de 90 %.
  Ou seja se esse morador se preocupasse com um problema REAL e tivesse feito exames periódicos recomendados, provavelmente estaria com saúde, mas preferiu ficar correndo atrás de problemas imaginários...


     Veja o caminho que a energia elétrica percorre até a sua casa






anterior                       COMENTAR                              próximo



Postar um comentário