terça-feira, 6 de novembro de 2012

Aula de História

 “As leis das cotas étnicas estão certas, pois visam acostumar as pessoas a verem as "minorias sociais" em mais locais privilegiados- o que tende a colaborar para diminuir o preconceito.”
  [Nihil]

  O grande “preconceito” é financeiro.
  As favelas estão cheias de pessoas claras, pobreza não é um “privilégio” da pele escura.

  Um menino loiro pobre, perder uma vaga para um menino negro pobre usando como critério a cor é uma IMBECILIDADE.
  Imagine a cabeça dessa criança branca que foi discriminada.
  Quem vai explicar para essa criança que quem nasce com a pele clara tem uma “dívida histórica” com quem nasce com a pele escura?  Combatemos uma discriminação criando outra discriminação!?
  Houve um erro no passado e invertermos o erro no presente não vai tornar a discriminação um acerto.
  Neste Blog pensamentos lineares não funcionam.
  Precisamos pensar em 3D, ter uma visão HOLÍSTICA das coisas.

  Usar como critério a situação financeira acho satisfatório e eficiente.
  Eu não pedi para nascer pobre, mas peço a chance de através do estudo alcançar uma boa situação financeira.
  Que importância tem se sou índio, negro ou loiro!?
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
   Esse dogma da “dívida Histórica” resiste a lógica?

   Vamos ver.

  “Entre as tribos índias que não eram canibais, mas praticavam a escravatura os papanases não tinham costume de matar os que os ofendiam, mas faziam deles escravos, os guaianás não comiam carne humana e faziam os prisioneiros escravos, os tapuias também faziam os cativos escravos.” [Wikipédia]

  Para ser um bom Filosofo é importante se interessar por História.

  É possível você ser um bom mecânico de automóveis sem saber dirigir?
  Fica meio complicado, mas é possível.

  É possível você dirigir automóvel sem entender nada de mecânica?
  Sim, é possível desde que esse “nada” não seja extremo, quero dizer que pelo menos verificar óleo, calibrar pneus, colocar água no radiador você precisa saber ou ter alguém que faça por você.

  Digamos que a História é o “motor”, toda engrenagem que nos trouxe até aqui e a inteligência e sabedoria é dar direção a todo esse conhecimento acumulado.
  Um Filosofo é tão mais completo quanto mais ele conhece a “mecânica” e analisa e sugere “direções”.

  Percebam que “homens brancos europeus” não inventaram a escravidão.

  Já discutimos que a escravidão era bem aceita pelo Deus Bíblico e agora vemos que índios a praticavam.
  Fiz questão de trazer exemplos de tribos brasileiras para não restar duvida que a escravidão não foi fruto da colonização europeia.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Qual a situação do escravo africano no Brasil Império?

  “Uma das descobertas mais surpreendentes do professor Eduardo, que atua nas áreas da história da escravidão e das mestiçagens, se refere aos senhores de escravos, que, ao contrário do que se aprende nas escolas e nos livros didáticos, nem sempre eram brancos.
  Em Minas, do início do século 18 a meados do 19, mais de 30% desses proprietários eram ex-escravos ou descendentes de escravos.
  Em 1776, conforme as estimativas, havia na capitania de Minas, então a mais rica e populosa da colônia, cerca de 300 mil habitantes, sendo 130 mil forros (ex-escravos), 110 mil escravos e 60 mil brancos.” [Emcom]

  Pessoas negras competentes ou com sorte conseguiam juntar Capital e tinham escravos negros.
  Mas porque os negros aceitavam a situação de escravidão se tinham poder econômico?
A escravidão era uma tradição na África.

  “A escravidão, na África, começa com seu próprio povo; as tribos brigavam entre si, e as populações derrotadas, nestas guerras, serviam como recompensa.
  Os derrotados viravam escravos, para servirem ali mesmo ou para serem embarcados para outras regiões.
  Havia guerras com o exclusivo fim de produzir cativos; o reino do Sego, a confederação Ashanti, o reino do Dahomé e as cidades-estados iorubas foram nações escravizadoras, que anualmente, lançavam seus exércitos em operações de envergadura.
  Guerreiros promoviam rápidos ataques nos territórios vizinhos, onde aprisionavam um punhado de aldeãos.” [Xangosol]

  Para os Africanos assim como para aqueles povos citados na Bíblia a escravidão era totalmente aceitável.
  Antes da ascensão Europeia a escravidão não se limitava a cor de pele, um povo invadia outro e o fazia escravo, pura e simplesmente o mais forte podia escravizar o mais fraco.

  Meu amigo “europeu” Einstein dizia que:
“A tradição é a personalidade dos imbecis.”

  Como os Africanos eram tradicionalmente adeptos da escravidão em seu próprio território e os povos Europeus constituíram grandes exércitos, a partir de 1500 começou surgir uma outra “tradição de só escravizar negros.
▬▬▬//▬▬▬
  Esse texto ficaria muito grande se eu fosse colocar todo meu conhecimento sobre esse assunto, ainda mais agora turbinado pelo Google.
  Vou encerrar o texto mais uma vez homenageando meus amigos Pensadores do Iluminismo.
  Foram eles lá por 1700 que começaram abominar a escravidão de qualquer tipo.
  Em meros 300 anos tivemos avanços espetaculares questionando as Tradições.

  Hoje pessoas sem conhecimento da História da Humanidade querem transformar em vilões os meus heróis da resistência “Os Livres Pensadores Europeus”
  Fiquei muito alegre que o Nobel da Paz tenha sido entregue a União Europeia.
  Depois de tanta imbecilidade econômica espero que a Europa reencontre seus melhores dias, um novo Iluminismo.

  A Europa não deve nada a ninguém, ela nos tirou da barbárie que pela tradição de outros povos continuaria a perder de vista.

  Vida longa e próspera aos meus irmãozinhos europeus.

  BOA SORTE!



Anterior          <>        Próximo 




Postar um comentário