quarta-feira, 27 de junho de 2012

Regime Militar

  “O uísque é o melhor amigo do homem. É o cachorro engarrafado.” [Vinícius de Moraes]

  Eu aprendo muito escrevendo textos.

  Quando começo a escrever tenho apenas o esboço do pensamento uma “provocação”, outros pensamentos são trazidos do que lembro da leitura de grandes pensadores e do conhecimento acumulado.
  Tem também o que chamo de “pensamentos selvagens” eles me protegem da loucura, da total imersão no abismo, me levam a produzir pensamentos ao invés de ficar apenas meditando sobre pensamentos dos outros.

  Já aconteceu começar escrever o texto com uma intenção e quando vejo ele toma vida própria me levando para uma outra direção como no caso das sacolinhas de supermercado.

  Aconteceu uma mudança de posicionamento enquanto debatia sobre o regime militar no Brasil, eu tinha uma idéia a respeito do regime militar que foi muito mudada a favor dos militares.
  Claro que eles fizeram coisas condenáveis, mas nos livraram de uma turma bem pior que eles.
  Sabiam que para não parecer pró regime militar eu deixei de publicar um texto?
  É, mas ele está gritando para ser publicado então vamos lá!
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  “O compositor, malvisto pelo governo militar, havia acabado de ser expulso do serviço diplomático, depois de 26 anos de carreira.
  A acusação, diga-se, não foi de subversão.
  Vinicius foi afastado por “conduta irregular”, ou seja, era artista e bebia.
(Há uma versão bem fundamentada de que a ordem de sua aposentadoria compulsória veio diretamente do presidente militar de plantão, marechal Arthur da Costa e Silva, nos seguintes termos: "Demitam esse vagabundo”). [Veja]


  Como a maioria dos brasileiros que nasceram durante o regime militar eu não vivi intelectualmente/conscientemente esse período, era criança.

  Na adolescência meus pensamentos sobre o regime militar eram os piores possíveis.

  Eu gosto muito das músicas de Tom Jobim e Vinícius de Moraes quando me disseram que Vinícius era diplomata e foi demitido devido perseguição política que o fez ficar com depressão... foi mais um motivo para eu detestar tudo que o regime militar “representou” para o Brasil.
  Eu que meditei sobre inúmeros temas não havia parado para pensar detidamente no que aconteceu de 1964 a 1984.

  Minhas impressões sobre o regime militar eram baseadas no que me foi passado pelos professores na escola e pela imprensa.

  Eu entendo a bronca da Imprensa contra o Regime Militar, afinal os caras tinham um forte aparato de censura e isso não permite uma Imprensa de boa qualidade, mas se olharmos para países onde os Comunistas chegaram ao poder podemos dizer tranquilamente que nossa censura foi mínima perto do que ocorreu em Cuba, China ou URSS.

  O que observei é que imprensa e professores endeusaram de tal forma o Comunismo e amaldiçoaram tanto o Regime Militar que até minha razão/bom senso sobre o assunto foi comprometida.

  Vejam um caso:

  Assistindo o programa Provocações, durante uma entrevista Abujamra disse que em passagem pela Europa precisou falar com o consulado brasileiro, foi animado, pois sabia que Vinícius de Moraes era o diplomata em questão.
  Chegando lá de manhã, conversando amigavelmente com o recepcionista disse que queria falar com o Diplomata Vinícius de Moraes do qual era muito fã ao que o recepcionista respondeu que de manhã Vinícius não dava expediente porque dormia até tarde por conta de seus hábitos noturnos, nos bares.
  Abujamra disse que procuraria por ele à tarde no que o
recepcionista disse que as tardes Vinícius raramente ia trabalhar!
  Abujamra e seu convidado riram... “esse Vinícius”... “ah, Poetinha!”

  Eu pensei; não é nada engraçado!
  Ele vivia na boêmia, trabalhava quando queria e ganhava um bom salário pago pelo povo brasileiro.
  Do quê Abujamra e seu convidado achavam graça?
  Por ele ser artista tudo era permitido!?
  Coincidentemente lembrei desta entrevista quando estava debatendo sobre a ditadura.

  A demissão de Vinícius não foi perseguição política, foi algo muito justo.

  Eu lamentavelmente passei anos recriminando o regime militar pelo que tinha feito a Vinícius de Moraes.
  Vinícius foi um grande artista, continuo admirando sua arte, ele até me serviu de amostra em um texto em que defendi que algumas mentes funcionam melhor quando expostas ao álcool, Vinícius bebia além da conta, não duvido que muitas vezes foi trabalhar embriagado...quando foi trabalhar.
  Por tudo que li conclui que Vinícius não era um bom funcionário público, mereceu ser demitido, aliás ganhou aposentadoria compulsória, sua punição foi passar as tardes em Itapuã!?


Um velho calção de banho
Um dia prá vadiar
O mar que não tem tamanho
E um arco-íris no ar

Depois, na Praça Caymmi
Sentir preguiça no corpo
E numa esteira de vime
Beber uma água de côco
É bom!

Passar uma tarde em Itapuã
Ao sol que arde em Itapuã
Ouvindo o mar de Itapuã
Falar de amor em Itapuã   

  Em mais essa situação reconheço que fui infantilmente injusto com o regime Militar.

  Sejam tolerantes com minha Insanidade Virtual, “eu prefiro ser esta metamorfose ambulante do que ter aquela mesma velha opinião formada sobre tudo.”
                                                           Virtual Insanity



Anterior          <>        Próximo