terça-feira, 2 de abril de 2013

Jean Wyllys

"Falem bem ou falem mal, mas falem de mim."



  Ficamos pouco conhecidos se ninguém fala de nós.

  Vamos a uma Filosofia Matemática:

  Você faz pamonhas para vender.
  Faz 10 e vende as 10.
  Algum cliente que mude para longe baixa suas vendas para 9.
  Alguém que compre ao acaso aumenta suas vendas para 11.

  Para facilitar o raciocínio sua média de vendas são 10 pamonhas que você vende para pessoas mais próximas.

  Por algum motivo qualquer alguém diz que sua pamonha é muito ruim, isso chega até 10 pessoas e elas “experimentam” a pamonha para ver se a queixa procede.

  Como sua pamonha “não é ruim”, das 10 novas pessoas que experimentaram, 8 acharam a pamonha boa e passaram a comprar.
  Veja bem, alguém que falou mal de sua pamonha lhe trouxe 8 clientes novos.
  [A vida não é exata, isso não acontece sempre, mas acontece.]

  Claro que as pessoas falarem bem é mais eficiente.

  Alguém fala muito bem de sua pamonha o que leva 20 pessoas a EXPERIMENTAR.
  Dessas 20 que experimentam 15 tornam-se clientes, você ganha 15 clientes novos, somado aos 10 que você já tinha passa a ter 25 clientes por um bom comentário sobre seu produto.

  É evidente que se seu produto é ruim, não tem qualidade, nem os 10 clientes iniciais você consegue manter, é melhor mudar a formula ou desistir de vender pamonha.

  Entenda que agradar a todos é impossível, ainda mais se tratando de comida onde depende do paladar de cada pessoa, um gosto muito individual.
  Pamonha salgada é uma maravilha para alguns enquanto para outros é um sacrilégio, nunca deveria ser feita.
  Mesmo que você faça uma boa pamonha salgada, a quantidade de sal que colocar afasta alguns clientes e atrai outros.

  Quero dizer que mesmo que você tenha um bom produto ele não irá agradar a todo mundo, mas se muitos compram a sua pamonha é sinal que você encontrou uma formula adequada, que atende pelo menos a um nicho de mercado.

  Eu não leio Paulo Coelho, mas muita gente lê e gosta.
  Eu não li 50 Tons de Cinza, mas muita gente leu e gostou, vai virar até filme.

  Eu não votei em Jean Wyllys, mas muita gente votou, ele representa essas pessoas.

  “O ex-BBB foi eleito deputado federal com a MENOR QUANTIDADE de votos pelo Rio de Janeiro, com 13.016 (0,2%) votos válidos.
  Ele conseguiu a vaga graças ao desempenho do deputado federal Chico Alencar, do seu partido, que conquistou 240.671 (3%) dos votos.
  Em 2012, no Prêmio Congresso em Foco, Jean foi eleito pelos “INTERNAUTAS” o melhor deputado federal do Brasil.” 
  [Wikipédia]

  Vejam a SORTE do cara, com apenas 13.016 votos é Deputado Federal e criticamos o Feliciano que teve mais de 200 mil!

  Você conhece o trabalho do Jean Wyllys, votaria nele como melhor deputado do Brasil?

  Eu acompanho política e não vejo nada de relevante que o Jean tenha feito para eu enquanto hétero, ou cidadão pagador de impostos.

  Ele defende o casamento gay, a boa pergunta é:

  Em que o casamento de homossexuais melhora minha vida ou a economia do país?

  É uma proposta que deve ser democraticamente defendida, eu particularmente não me importo, mas é claro que atende a um pequeno nicho de brasileiros.

  Mas Jean foi eleito um “ótimo” Deputado pelos “internautas” porque seus admiradores CLICAM, PARTICIPAM.

  [Entenda a chave dessa sequência de textos, pense em 3D, exercite a Filosofia Matemática.]

  Um milhão de internautas não acham o trabalho de Jean relevante, mas apenas leem as notícias, não clicam, não participam, eles até acham que o ....

  Chico Alencar é melhor, mas NÃO clicam no Chico, afinal “todo mundo sabe” que o Chico é melhor que o Jean Wyllys.



   Então você que “curte” mais o trabalho do Chico (ou outro politico), não clica, não participa.
   Enquanto isso 10 mil internautas curtem o Jean, CLICAM/PARTICIPAM.

  O Jean acaba indo para o topo e ficando mais famoso que o Chico, na próxima eleição Jean pode até se candidatar Governador do Rio de Janeiro, enquanto o Chico mesmo fazendo um bom trabalho não é mais a “estrela do partido”.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Para quem está tão acostumado com o pensamento linear da “ação e reação” é meio complexo o que vou escrever.

  A “Não Ação” também provoca uma sequência de eventos.

  Você quer lavar as mãos da política, não quer “clicar/participar” ...tudo bem.
  Mas sua “NÃO AÇÃO” provoca uma sequência de eventos onde um cara é eleito Deputado federal com apenas 13 mil votos.
  Se você acha isso justo...tudo bem [fazer o quê] só não queira me convencer que é LÓGICO.

  Vamos a parte que interessa.
  Na Internet a pior coisa que tem em termos de divulgação é ninguém falar bem ou mal.
  A Internet registra trafego de dados e se você apenas ver alguma coisa, mas não interagir com ela de nenhuma maneira, ela vai rapidamente para o subterrâneo da rede.
  Para qualquer coisa que você colocar na Internet a frase em destaque faz mais sentido do que nunca.

"Falem bem ou falem mal, mas falem de mim."

  Claro que falar bem é melhor, mais eficiente.

  Aqui no Blog tem alguns anúncios, só de você olhar para eles não acontece “quase nada.”
  [Alguma coisa sempre acontece, senão a meditação cairia em contradição]
  Fica alguma coisa em sua mente em forma de Marketing, “fortalecimento da marca.”
  As coisas acontecem com mais intensidade se você clicar no link.
  Você gera alguns centavos para o Blog e possibilita o anunciante a lhe oferecer produtos, quem sabe fechar uma venda.

  É importante que você entenda essa dinâmica para prosseguirmos.

  O Objetivo é mostrar como quando você "lava as mãos", você molda o conteúdo da Internet, da TV, da Imprensa e como não podia deixar de ser da POLÍTICA.

  Resultados absurdos ganham destaque, propostas estapafúrdias são tidas como grandes ideias e você não clica não participa.
  Depois fica postando mensagens revoltosas de como o mundo está perdido, como o Congresso não presta, que só um deus ou o acaso podem nos salvar.
  O deus da NÃO AÇÃO!?


  Um “Deus pamonha"...um "Acaso pamonha”?



anterior                      COMENTAR                              próximo



Postar um comentário