sábado, 15 de outubro de 2011

Metade Vulcano

 "E se não choras mais pelo que costumavas chorar?" 
[Dante]

  Um colega me disse que ao acessar o Blog esperava uma exposição fria e calculista a respeito do uso da Lógica, mas foi invadido por muitos sentimentos.
 Lembrei que o Spock no início fazia de tudo para sufocar seus sentimentos e viver apenas de lógica, mas como era só metade Vulcano para não ter sentimentos teria que arrancar sua metade humana.

  Existe alguma maneira de arrancarmos metade de nós e continuarmos a “existir”?
  [No sentido de não nos transformarmos em outra pessoa, outra personalidade]

  Spock nunca encontrou uma explicação lógica, uma equação onde pudesse matar metade de si mesmo, é muita coisa para ser arrancada de uma alma.
  Spock descobriu que impedir um sorriso exige uma energia muito grande e um consequente SOFRIMENTO, oras, o sofrimento já é um sentimento.

    Tem alguma lógica trocar um sorriso por uma dor!?

  E se fosse um choro, uma lagrima?
  O sofrimento já está instalado, chorar nos ajuda ameniza-lo, logo chorar é mais lógico que esconder o sentimento de tristeza.

  Nós humanos somos "naturalmente" sentimentais, fomos feitos assim, é uma característica de nossa espécie.

  A água é formada por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio, se tirarmos desta molécula um mísero átomo de oxigênio a substancia deixa de ser água.

  A Terapia da Lógica não tem como objetivo arrancar metade de nós, arrancar nossos sentimentos.
  O objetivo é encontrar equações mais EQUILIBRADAS para lidar com os sentimentos.


  Vamos entrar na provocação de Dante:

 "E se você não chorar mais pelo que costumavas chorar?"

  Racionalmente sei que um filme é o trabalho de atores e efeitos especiais, logo chorar quando alguém morre em um filme seria patético.
  Acontece que o Diretor, o roteirista, os atores precisam alcançar meus sentimentos e eu tenho que me permitir ser alcançado.
  Se eu quiser curtir o filme tenho que esquecer o ator e me envolver com o personagem.
  Se o filme for muito mal feito não atingirá meus sentimentos, não conseguirei rir ou chorar com ele.
  Mas o filme é uma ARTE, a arte envolve sentimentos, você tem que prestar atenção não pode estar pela metade, talvez aquela arte apresentada seja muito boa, mas não é do tipo que te atrai aí já é uma questão de gosto.

  Voltando a uma Filosofia mais agradável observo que a vida é uma obra de arte, devemos permanecer "frios" para muitas coisas, por vezes temos que sufocar o riso, temos que sufocar o choro, mas se quisermos curtir a vida não podemos eliminar metade de nós, devemos sempre que possível viver nossos sentimentos.

   Se não choras mais pelo que chorava é bom meditar sobre esse acontecimento.
  Ficou mais “adulto”, aceita melhor certas coisas ... isso é bom.
  Está ficando excessivamente frio/apatico diante da vida ... isso é ruim.

  Observo que músicas, livros, religiões, filmes...a maioria das artes pedem que você siga seu coração, seu instinto, viva por seus sentimentos.

  Lamentavelmente estamos imitando “inversamente” meu amigo Spock em seus primeiros momentos.

  Ele queria arrancar sua metade emocional.
  Nós queremos arrancar nossa metade lógica.

  Nadando contra a corrente, esse Blog é um apelo...

   



NÃO ARRANQUE SUA METADE LÓGICA!



anterior                       COMENTAR                               próximo

6 comentários:

turbilhão 828- disse...

Bom dia ao sr.
É claro que a Lógica, não pressupõe alijar o ser humano.
Ela é a "razão" que coordena o uso do que somos.

Questão de "peso".(hahaha...)
Seu texto ficou tão bonito,que não precisa de mais comentários.
Aproveitarei o espaço para continuar o tema.
Falando numa coisa na qual pensei há semanas, mas que o "ensejo" me lembrou só agora.

Um dia,dr.Freud perguntou "o que querem as mulheres"-e essa questão significou que ele estava formando psicanalistas mulheres,para nos psicanalisarem melhor.
Hoje eu indagarei- por que as pessoas aumentam de peso?
Não tentarei um artigo científico,nem psicológico demais,e procurarei ficar numa "superfície lisa",porque imaginar isso,hoje irá signficar para eu tentar saber o que estamos fazendo dos nossos sentimentos.

Dizem que o que engorda "é a comida, é dormir menos, é o acesso a uma alimentação forte, junto da vida sedentária."
Metade das pessoas nasceu com tendência a pesar mais,e então, isso combinado a fatores estressantes, colabora para o "arrendondamento do formato"- fenômeno menos comum,antigamente.(fiuuuu...)
Para eu,não foi fácil engordar.
Precisei estar bem mal,no passado,para "conseguir isso".
Depois,com a dieta,e com a atenuação dos sentimentos depressivos,emagreci,e não fui mais tão rigorosa assim nessa história.
Mas mantive "a linha".
Uma privação maior de sono, não me aumenta o apetite todo dia- como acontece a outras mulheres.

Eu tenho as seguintes teorias sobre a obesidade.
São um pouco "água com açúcar".
Ela é causada por problemas alimentares que as(os) pacientes não percebem como problemas.
Isso se deve a fatores culturais do tipo, a "vergonha de ser simples" na qual falei nesses dias.
O pejo causado pela falta de recursos econômicos- leva a uma atitude de se achar socialmente bonito ter-se uma alimentação exagerada.
Como disse um jornalista que escreve no JD, (e com quem o Teacher fica tentando brigar)- o maior sonho do pobrinho de pouca idade é ganhar mil reais por mês,e comer uma "mactranqueira sem gosto,num shopping qualquer,aos domingos".

Esse desejo continua depois, mais sofisticado.
A "futura funcionária de um bom salário por mês" sonha em comer uma pizza todo dia, no jantar,ou em encomendar um bolo de chocolate em casa,toda semana.
Talvez,coma pães de batata o dia todo,enquanto trabalha.
Isso lhe sacia a fome,e lhe dá a sensação de que é uma pessoa "próspera".
Pois no imaginário coletivo,a primeira coisa que o dinheiro compra,é a comida.
E nós,nessas paragens tropicais,temos complexo de pobres.

segue

828,parte 2 disse...

Agora,mencionarei a segunda teoria.
Qual nossa vocação?
Aqui no "terceiro mundo", com a educação herdeira do período colonial que recebemos- demoramos para saber.
É comum existir uma "divisão de personalidade" que permanece em parte da vida.

Falei nisso no gd do terra,mas o tema só teve o ibope do Adilson 233-
Desmotivada,parei o tema,no qual eu havia especulado porque a demência senil faz mais vítimas em países pobres.
Eu disse então que "a lembrança de sempre ter-se tido uma vida chata- sepulta a alma -antes da morte".
Não tenho mais certeza.
Na época,andava esquecendo até meus passatempos preferidos.
Nem afixando avisos na parede,eu lembrava deles.

Um pouco depois,conferi que na verdade,estava era tomando uns remédios -que em parte,eram placebos.
Eu,como vegetariana,e como paciente de transtorno de atenção,tenho que ingerir certos fitoterápicos.
Naquela data,contudo,estive fragilizada,e com a ilusão de que estava muito bem.
Troquei a medicação,e melhorei.
Todavia,ainda especulo sobre os prejuízos da falta de autoconhecimento,e de não se viver em função do que se sabe sobre si mesmo,quando se sabe muita coisa.

Alguns psicanalistas contaram que a futura obesa assim ficará- por saber que não irá realizar alguns sonhos "de cinderela".
Eles falharam em dizer que elas nem mesmo intuíam quais eram esses sonhos.
A fome compulsiva ocuparia o lugar do contato com sentimentos desconhecidos.
Indicaria carências pessoais que vão ficando asfixiadas ao longo do tempo,e que posteriormente, cobrarão preços maiores ainda,do que a fome acentuada.

Ninguém investiga essa questão,hoje em dia,porque num país de pobres, "a alimentação exagerada é um sinônimo de prosperidade".
Quem consegue ser próspero -ou próspera- fica feliz cuidar da sua casa,e não lhe preocupam muito,outros senões.
Muitos estudam,não exatamente para trabalhar numa profissão compatível com os desejos,mas para trabalhar num serviço onde vai ganhar mais.

Se a preocupação da população fôsse muito voltada para o "crescimento intelectual pelo valor contido nesse"- a epidemia de "balanças quebradas"(hahaha!...) estaria com os dias contados.
Pois futuros profissionais liberais,e futuros cientistas,precisam garantir desempenho pessoal por mais tempo- e a obesidade mórbida tem consequências que podem reduzir tal desempenho.

Em outras palavras- apesar das aparências,dos celulares,dos notes com os quais passeamos por aí, e da nossa conduta mais bacana atualmente,continuamos a ser uns provincianos.
E provincianos chateados com algo sempre indefinível,e nossa chateação acaba virando fome.
Talvez, vivermos nos "ferrando" também colaborou para nos deixar sem grande autoconhecimento.
Muitos de nós já podemos estudar mais.
Mas,nem sabemos o que vamos estudar.
Pois nossa autoimagem confere apenas com a figura de sofredores atemporais, que querem "engordar suas finanças, e resolver problemas sempre urgentes".

Eu acredito que uma melhoria nessa autoimagem nossa - e que um aumento da nossa "cognição para as questões pessoais", vai nos dar desejos melhores do que o de comer uma pizza em todo jantar.
Crianças educadas desde pequenas, na disciplina "do contato menos irreal com elas mesmas" se entopem menos de salgados e doces.
Meninos e meninas que brincam mais entre si, são regrados em suas refeições.
Só aceitam lanchar,almoçar e jantar,e não ficam "beliscando".

continua

William Robson disse...

“Eu tenho as seguintes teorias sobre a obesidade.
São um pouco "água com açúcar".
Ela é causada por problemas alimentares que as(os) pacientes não percebem como problemas.”
*********************************************
Hummm! Hoje não tenho tempo, mas seria divertido travar com relação a obesidade um combate entre Psicanálise e Filosofia, fica para outro dia.
Para Filosofia a obesidade [quando não é falha endócrina] é um efeito colateral do PRAZER comer. Um dos grandes problemas do Freudianismo é conhecer pouco da estrutura de pensamento Prazer, como não entende vê como doença, nos transforma a todos em “pacientes”...

828,final disse...

Existem,é claro,muitas exceções à regra- sei que o senhor é uma delas,que eu sou "quase outra exceção"- e que tem elementos muito realizados pessoalmente,que estão acima do peso.

Isso vêm dos nossos hábitos sociais, e da rotina de não resolvermos logo nossas ansiedades,assim que delas nos damos conta.
O maestro John Neschling por ex(não é mais regente da OSESP) só pode ser alguém feliz,mas foi só voltar para o Brasil,para "ficar redondo".(pior que é um homem de boa aparência...)
Talvez trabalhou demais,e pensou pouco.
Almoços e jantares entre personagens da elite, em nosso Brasil,pode ser farto demais,pois a comida é um fetiche nosso,uma vez que temos "complexo de pobres".
Mesmo os ricos, ficam expostos a isso.

Algum dia,aprenderemos que os recursos da natureza foram feitos para manter nosso bem estar, nossa saúde,e prolongar nossa vida.
E que não é o contrário que ocorre.
Não estamos aqui,a serviço da comida.
O objetivo das sociedades é privilegiar a distribuição dos recursos alimentares.
Isso ocorrerá enquanto formos uma raça humana.
Contudo, nossa profissão não é comermos por metade do tempo acordados, nem aumentarmos de peso-mas sim,alimentarmos os outros.

Ainda entenderemos isso.
E as revistas de moda de daqui a cem anos,ostentarão um perfil mais real da população, pois as manequins,então,não serão muito diferentes de ninguém.

Isso aí.
º
º
º
Lógica- é viver para atender os melhores sentimentos.
É viver para a "real humanidade latente em nós".
Quem só usa a razão,fica gordo.(kkkk...)
Quem só usa as emoções,fica anorético,e doido.

Isso daí.
Um dia de equilíbrio entre mente e emoções,desejo a mim,ao senhor,e a todos os leitores.
Estou grata por ter lembrado desse assunto,e falado nele.
(hohohó!...rs...)

Se o Teacher se aventurar aqui, feliz dia dos professores também.
E a todos os que lecionam.

ººººººººººº

William Robson disse...

Alguns psicanalistas contaram que a futura obesa assim ficará- por saber que não irá realizar alguns sonhos "de cinderela".
*****************************************
Se fosse assim não haveria mulheres casadas e gordas.
Todas que realizaram o sonho de casar na igreja com o homem que amavam não teriam distúrbios alimentares.
O PRAZER de comer é mais fácil de ser realizado que conquistar a pessoa que é objeto do nosso desejo.
Comer é um prazer mais fácil de ser realizado, só isto.
É claro que transar queima calorias e não conheço ninguém que come enquanto transa.
Se a pessoa não tem um parceiro sexual tem mais tempo para comer.
Por outro lado se você tiver um marido ou namorado bom de garfo também pode passar mais tempo comendo com ele.
Freud não entende que prazeres são distintos, um não compensa o outro, apenas temos mais tempo pra realizar o que esta mais disponível.
Hoje esta um dia chuvoso assistir um DVD é um prazer que esta mais disponível que fazer caminhada. O DVD vai me deixar sedentário a caminhada iria manter minha boa forma eu queria caminhar, mas o tempo esta chuvoso...

daqui a pouco,será horário de verão. disse...

Olá, sr.William.

Quem falou a frase que eu repeti,foi dr.Mascarenhas,já falecido.
Ele se referiu a vários tipos de "sonho de cinderela".
Entre eles,estaria o de ter determinadas profissões,que são inacessíveis.

Mas,essa do "maior tempo para a comida" é uma observação que completa o tema.
Se bem que pode ser que justamente os mais gulosos,são os que se agitam mais,pensam pouco,se sobrecarregam de ansiedades,e as somatizam em fome.

Uma boa noite,e um bom domingo.
Amanhã estarei fora,e ainda não sei se vou ao templo,ou se vou ao mercado...
...mas que dúvida estranha...(hahaha!...)
...é que ando antecipando as compras do fim de ano.

Até breve, e um bom domingo a todos nós.
(com sonhos realizáveis...rs...)