sábado, 15 de junho de 2013

Verdade que não Liberta

  “O estudo em geral, a busca da verdade e da beleza, são domínios em que nos é consentido ficar crianças toda a vida.”
 [Albert Einstein]

  No excepcional Mito da Caverna meu amigo Platão fala de todos os perigos em conhecer a "verdade".



  “Imaginemos um muro bem alto separando o mundo externo e uma caverna.
  Na caverna existe uma fresta por onde passa um feixe de luz exterior.
  No interior da caverna permanecem seres humanos, que nasceram e cresceram ali.
  Platão nos convida a imaginar que as coisas se passassem, na existência humana, comparavelmente à situação da caverna: ilusoriamente, com os homens acorrentados a falsas crenças, preconceitos, idéias enganosas e, por isso tudo, inertes em suas poucas possibilidades.”
   “Mentes com medo da luz.”

  Muitos pensadores tentaram contradizer Platão dizendo:

"Conheça a verdade e ela vos libertará."
 
  Vamos meditar sobre isso...
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Sócrates questionava a verdade dizendo "Só sei que nada sei."


  A “verdade” na Filosofia é a melhor resposta, o melhor argumento ... que pode mudar dependendo da situação.

  O que é verdade hoje pode não ser amanhã.

  Até pouco tempo (de verdade) mandar documentos via Fax era a maneira mais eficiente, hoje é difícil encontrar alguém que tenha esse equipamento em casa, eu não tenho.
  Nos meus tempos de escola acreditei (de verdade) que MR8 e movimentos semelhantes lutavam pela democracia, minha verdade do momento é que lutavam pelo Comunismo, um regime que não tem nada de democrático.

  “Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR8) é uma organização política de ideologia socialista que participou da luta armada contra a ditadura militar brasileira e tinha como objetivo a instalação de um Estado Socialista no Brasil.”


  Voltando para o Mito da Caverna...

  Eu queria que minhas filhas lessem alguns de meus textos no YouTube, seria uma leitura lógica da Bíblia.
  Minhas filhas se recusaram, eu não insisti.
  O projeto era: "Bíblia para adultos lida por crianças."
  [Prestem atenção nesse caso que é a chave do texto]

  Na caverna que minhas filhas se encontram estão a mãe delas, avós, tios, primos, colegas de escola...
  Fora da caverna religiosa estou apenas eu.

   Minhas filhas não se sentem confortáveis em trocar várias pessoas por apenas uma.
   Ler a Bíblia de maneira lógica confrontaria a maioria das pessoas que as cercam, claro que entendo a opção delas.

   Sei, sei você dirá como eu posso acreditar que estou fora da caverna?
  A situação não seria inversa?

  Oras, a característica de qualquer caverna é limitar o pensamento, o pensamento de minhas filhas é limitado a um único livro, o meu se apoia em centenas de livros.
  Um livro é uma luz pequena, muitos livros são uma enormidade de luz.

  Sócrates dizia que se alguém está no escuro da caverna [baixa luminosidade] e pretende sair [nem que seja por curiosidade] vai caminhando lentamente para luz e se acostumando com ela.
  Se você obrigar, arrastar alguém contra a vontade para fora da caverna a luz a cegará e sua escuridão ficará ainda maior.

  A "verdade" só liberta quando você e muitos a sua volta a buscam.   
  Conhecimento “interno e externo”.

  Se só você [ou poucos] busca o conhecimento, persegue a verdade, permanecerá incrivelmente só, dependendo de onde vive poderá até ser preso ou morto.

  Imagine você no Irã dizendo a “verdade” que o islamismo é apenas mais uma religião e que deve ser questionada.

  Imagine você na Coréia do Norte dizendo a “verdade” que aquele regime e seu grande líder são ineficientes.

  Imagine você no meio de cristãos dizendo a “verdade” que (analisando a Bíblia) Deus de Abraão matou seu filho Jesus porque quis.

  Acredito que meu amigo Sócrates diria:

  Conheça a verdade e ...BOA SORTE!


 
  Meu amigo Sócrates “incentivava” a todos saírem de suas cavernas, mas entendia o perigo de “obriga-los” a isso...

 “Não posso ensinar nada a ninguém, só posso fazê-lo pensar.”

 [Sócrates]



anterior                       <>                                próximo


Postar um comentário