segunda-feira, 3 de junho de 2013

Economia e Sentimento

  “Tudo fica confuso quando você atribui sinônimos as palavras à revelia dos CONCEITOS.”
[Liberalismo o Conceito]



   Uma grande montadora que emprega milhares de pessoas está prestes a quebrar.
  O governo deve:
 [Questões Revista Veja]

a) Salvá-Ia e assumir sua administração. Os empregos serão salvos, mas os administradores não se beneficiarão disso.

 b) Salvá-Ia e criar um plano de gestão que deverá ser seguido pelos administradores.

 c) Salvá-Ia e assumir sua administração até que ela possa atuar sozinha novamente. A ajuda em dinheiro deverá ser paga assim que a situação se normalizar.

 d) Deixá-Ia quebrar. Usar dinheiro público para salvar incompetentes e ineficientes é um atalho para o atraso econômico e social.


   Antes de seguir com essa questão quero lembrar o óbvio:
   Dinheiro faz parte da vida NÃO é a vida.

  Relembre o texto Preço e Valor:

  “O preço é fundamentado no CUSTO o valor é fundamentado na NECESSIDADE.” 
  [Preço & Valor]

  O que para eu é somente mais um gatinho ou cachorrinho para outra pessoa são anjos que caíram do céu para preencher sua vida. (Sabem que não estou exagerando)
  A lógica que é tão valorizada por mim não passa de babaquice para muitas pessoas.
  As nações são constituídas de pessoas, logo, o que é importante para um povo pode não ter muito valor para outro.


    Eu acho touradas algo abominável, no entanto faz parte da cultura de povos economicamente desenvolvidos.

    O economista que só pensa no dinheiro e não leva em consideração a Cultura de um povo...é um péssimo economista.

  Culturalmente os americanos tem uma grande paixão por carros.
  Sem duvida nenhuma Henry Ford foi revolucionário para a industria automobilística e a General Motors seguiu na mesma dinâmica de inovação
  Aqui no Brasil não consigo pensar em nenhuma empresa privada para traçar um  paralelo sentimental.
  Sempre fomos um povo “estatizante” por isso é difícil nos colocarmos no lugar dos americanos e entender seus sentimentos com relação a algumas empresas privadas, Ford, GM, McDonald’s, Walmart, Coca Cola...
  Pelo “manual” do Liberalismo o Governo Americano deveria ter deixado Ford e GM quebrarem, mas estamos falando de conceitos econômicos e não de uma bíblia econômica que deve ser seguida a ferro e fogo.
  O Governo achou que era viável salvar essas “empresas símbolo”, a população estava de acordo e pela situação atual das empresas podemos dizer que a decisão foi acertada.

  Houve algum prejuízo financeiro, mas não podemos pensar só em dinheiro.

  Foi dada uma chance baseada em estudo econômicos e SENTIMENTOS NACIONAIS.
  Pelo histórico do povo americano apostaria que se essas empresas quebrarem outra vez não serão poupadas.


  Vamos tentar trazer isso para o Brasil.
  Futebol é uma paixão nacional, logo trazer a Copa para cá seria aceitável mesmo com algum prejuízo.
  Ao meu ver falhamos nos ESTUDOS TÉCNICOS e não em trazer a Copa em si.
  Por exemplo temos 12 cidades sedes!! Porque não 6?
  Em países desenvolvidos a quantidade de sedes nem faz muita diferença porque as cidades escolhidas já tem uma boa infra-estrutura.
  Qual a diferença para os americanos em receber jogos da Copa em Chicago, Dallas ou Passadena?
  São cidades que precisam de pouca ou nenhuma adequação.
  Aqui no Brasil nem nossa “capital do turismo” esta em condições, o Maracanã esta custando mais de 1 bilhão.
  O Corinthians é um time tradicional em um povo culturalmente muito ligado ao futebol, claro que os torcedores corintianos merecem um belo estádio de futebol...BANCADO POR ELES MESMOS.
  A escolha de São Paulo como uma das cidades sedes foi lógica, dispensar a adequação do estádio do Morumbi foi ilógico.


 Mas vamos no próximo texto para uma economia mais impessoal, vamos nos ater ao manual não escrito do Liberalismo...


  I”ll be back!





anterior                       <>                                próximo


 

Postar um comentário