segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Que Povo Burro!

   Em 1925 Albert Einstein passou uma semana no Brasil.
  Nos achou um povo de tolos.

    “Às quatro horas, primeira conferência no Clube de Engenharia Militar, o salão superlotado com o barulho da rua pelas janelas abertas.
  Compreensão impossível, a começar pela acústica.    
  Pouco sentido científico.
  Eu sou um tipo de elefante branco para os outros, eles para mim uns tolos.”

  Depois de mais de 80 anos estamos menos tolos?
  Tudo sugere que não.
  Continuemos com a provocação do texto anterior.

  Há muitos tolos defendendo que o Brasil é muito importante para a economia mundial ... poderíamos ser, mas NÃO somos.

  O Brasil é importante para nós brasileiros, para o funcionamento do mundo é INSIGNIFICANTE.

  Não fique triste, revoltado ou decepcionado a maioria dos países são tão ou mais insignificantes que o Brasil.

  Vou lhes apresentar algumas situações:

Situação 1 -  Imagine que seu irmão ganha 10 mil por mês e gaste tudo com a família dele, claro que seu irmão não tem obrigação nenhuma de dar parte do rendimento dele para você.
[Vamos tirar o sentimento da equação para esse plano de pensamento ficar mais inteligível.]
  Nessa situação se seu irmão desaparecer da face da Terra sua situação econômica não mudará em nada.
  Seu irmão ganhava 10 mil, mas nada vinha para sua conta, financeiramente seu irmão podia até ganhar 100 mil, bom para ele, mas se ele não te dava nada... para sua vida econômica não significava nada.

Situação 2 – Você cuida do jardim da casa de seu irmão, ele lhe paga 200 reais por mês.
 [São 2% dos 10 mil reais que ele ganha]
  Nesse caso se seu irmão desaparecesse da face da Terra você deixaria de ganhar 200 reais.
  Convenhamos que não é uma grande quantia, se você é um bom jardineiro não deve ser difícil cuidar de outra casa que lhe renda o mesmo dinheiro, economicamente mais uma vez seu irmão não lhe faria muita falta.

Situação 3 – Seu irmão ganha 10 mil sendo proprietário de uma loja de ferramentas onde você trabalha como gerente e ganha 4 mil por mês.
  Agora se seu irmão desaparecer da face da Terra e o comércio for fechado você perderá um rendimento mensal de 4 mil.
  Você era gerente por um laço de família, ser gerente em outra loja com salário de 4 mil não será tão fácil.

  O Brasil para o mundo está na segunda situação apresentada.
  Somos responsáveis por meros 2% do comércio mundial.

  Se acontecesse um fenômeno surreal e todo território brasileiro e sua população desaparecessem da face da Terra...economicamente não faria diferença, em termos de comércio mundial somos insignificantes.
  Se o Brasil nunca tivesse existido o mundo continuaria igual.
  Como existimos claro que o desaparecimento de 200 milhões de vidas provocaria uma comoção mundial, mas são “só” sentimentos, economicamente não faríamos falta.
  A vida na Terra seguiria adiante sem grandes problemas.

  Daí você deve estar pensando:

👨 “Que babaquice, somos a 6ª Economia, como não faríamos falta!?”

  Somos a sexta economia porque somos 200 milhões de consumidores e 79 milhões de produtores.
  Temos quantidade de pessoas não qualidade de pessoas.

  “No caso específico do Brasil, a população ativa soma aproximadamente 79 milhões de pessoas ou 46,7%.
  Índice muito baixo, uma vez que o restante da população, cerca de 53,3%, fica à mercê do sustento dos economicamente ativos.
  Em diversos países, o índice é superior, aproximadamente 75% atuam no setor produtivo.
  No Brasil, os homens representam 58% e as mulheres 42% daqueles que desenvolvem atividades em distintos setores da economia.”

▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  O que muda diante da constatação da nossa situação?

  Muita coisa.

  Sabe aquele cara que entra na festa todos olham para ele, o indivíduo fica achando que está muito bem quando na verdade está chamando a atenção por algo bizarro.
  Sei lá, se o cara entender que está bizarro, que é motivo de piada e não admiração, pode melhorar seu visual ou comportamento.
  É a velha história, para você se livrar ou tentar amenizar o vício em álcool o primeiro passo é se reconhecer alcoólatra.

  O Brasil além de estar bizarro anda com outras economias bizarras.   
  Venezuela, Bolívia, Cuba... 
  É difícil evoluir insistindo em ideologias fracassadas.

  

  Exemplo:

   Evidente que Hugo Chávez não era unanimidade na Venezuela, mas os descontentes com sua forma de governar se limitavam a demoniza-lo sem apoiar um nome para enfrentá-lo nas eleições.
  Claro que Chaves com seu populismo e assistencialismo conseguiu bom número de seguidores/adoradores, já escrevi inúmeras vezes como a beleza de um discurso debilita nosso raciocínio. 

  A oposição na Venezuela certa vez chegou a infantilmente boicotar as eleições, simplesmente se retirou...lembraram de quantos brasileiros infantilmente defendem anular o voto?

   Quando a oposição se organizou em torno de um único nome [Henrique Capriles], Chávez ganhou por bem pouco.
  Entendam que se os oposicionistas e descontentes tivessem se unido há mais tempo a Venezuela poderia ter tomado outro rumo ou obrigado Chávez a ser um governante mais responsável.

  No Brasil ocorre um roteiro semelhante.

  A oposição ao PT/PMDB tenta nos apresentar nomes “possíveis”, mas nós “os descontentes” não apoiamos ninguém.
  Sem apoio popular falta apoio financeiro, sem apoio financeiro a oposição fica ainda mais enfraquecida.
  É o “efeito Venezuela” se repetindo igualzinho no Brasil.

  Por nossas características culturais acho impossível chegarmos a ser uma Cuba, mas é triste ver tanta riqueza e qualidade de vida desperdiçada em nome de ideologias patéticas.

  É amigo Einstein, grande filosofo, continuamos com um território exuberante, enorme, mas ... nossa tolice consegue ser maior.

  Nossa, que povo BURRO!


  

 


anterior                                           <>                                                próximo


Postar um comentário