terça-feira, 27 de maio de 2014

Kim Jong-un na USP

   Quando digo que sem mudar a CULTURA não conseguimos grandes avanços é olhando para casos como desse ditador.


 “Órfão de mãe, que morreu em 2004 com cancro da mama, Kim Jong-un foi aluno até 1998 de uma escola em Berna, na Suíça, onde, com nome falso, estudou francês, alemão e inglês e de onde saiu sem terminar o curso.
  Os colegas recordam-no como alguém tímido, introvertido, que gostava de esqui e basquetebol, admirava Michael Jordan e gostava de ver os filmes de Jean-Claude Van Damme.
  Regressado a casa, estudou ciência militar na universidade que tem o nome do seu avô Kim Il-sung, o "grande líder".

[Wikipédia]



  Ele teve contato com a Democracia conheceu outras culturas não ficou isolado do resto do mundo como seus conterrâneos e o que vemos?
  Um indivíduo voltando para seu país com muito conhecimento, mas mantendo a mesma cultura.
  Isso é repetitivo em todo mundo, foi observando casos como esse que meus pensamentos sobre educação foram mudando.
  O que poderia acontecer para mudar o modo da Coreia do Norte ser governada?
  Não tem melhor maneira que um líder com uma mentalidade diferente assumisse o poder, infelizmente não podemos esperar isso de Kim Jong-un.
  Aquele povo que sofre uma lavagem cerebral desde cedo não tem como questionar seu modo de vida, sua tradição.
  Claro que sempre nasce um ou outro Livre Pensador e seu destino esta selado, conseguir fugir para outro país ou morrer em alguma prisão.

  Se alguém conseguisse ter controle sobre o exército poderia ocorrer um golpe militar, nesse caso quem assumisse o poder precisaria ter ideias liberalizantes o que é pouco provável uma vez que vem da mesma cultura.

  O exército americano [ou outra nação democrática/capitalista] poderia invadir aquele país e “libertar o povo”, mas libertar o povo de quem, dele mesmo!?
  Isso foi tentado recentemente no Iraque e vimos que não dá certo, a humanidade ainda crê que a cultura de um povo é “sagrada” algo que deve ser preservado a qualquer custo.

 “Depois vejo pensadores criticando o USA por ele ter apoiado algum ditador, ora, se um povo só funciona sob uma ditadura nada mais inteligente que apoiar um ditador que nos seja simpático.
  Muitos criticaram o Bush pai por ele não ter seguido adiante e deposto Sadan, hoje sabemos que o Bush pai foi sábio.
  Bush filho quis levar democracia ao Iraque e deu no que deu, mas sou grato a ele, pois me poupou anos de vã filosofia.
  Os irmãozinhos muçulmanos vivem como gostam de viver, cultuam o sofrimento ao extremo, quanto mais sofrida a vida aqui na Terra, um lugar melhor no céu Alá providenciará.”



   Mas vamos deixar o trágico azar que o Livre Pensador tem ao nascer em um país Comunista.
  Estamos no Brasil e mudar nossa cultura é a prioridade.
  Lembrei de uma frase que vi pichada no muro que era mais ou menos assim:

  “Não sou racista, só não tolero negros, japoneses e judeus.”

  Claro que a frase é um humor ácido, provocativo.
  E como a maioria desse tipo de humor fala brincando de coisas bem sérias, nos faz perceber o ridículo da coisa.

  “Não sou Comunista, só defendo que tudo deve ser estatizado.”

  Entendam que o tipo de políticos que elegemos são reflexo da nossa CULTURA.

  Um cara Liberal como eu não tem chance de ser eleito a não ser que minta muito bem, nossa cultura quer um Estado paizão, que tome conta de tudo e de todos, se não mudamos nossa cultura marxista não tem como mudarmos o tipo de políticos que elegemos.




  Por esses dias foi me dito que a “prova” que o Governo é melhor é que todos querem trabalhar nele por suas condições melhores de trabalho.

  O local não era adequado para o debate e preferi ficar em silêncio.
  Mas entenda que essas condições melhores são bancadas pelos impostos que recolhem da iniciativa privada.
  Se todas as empresas fossem estatais sem dúvida os salários seriam achatados e as condições de trabalho não seriam tão boas.
  Nos países comunistas como não tem empresas privadas para serem “vampirizadas” todos são funcionários do Estado e você não vê excelentes salários e condições de trabalho a não ser para a elite política.
  Muito do dinheiro que entra em Cuba vem de cubanos morando em países Capitalistas...eles mandam dinheiro para os parentes que ficaram em Cuba.
  A “exportação de médicos” para outros países lhes rendem um bom dinheiro.
  Entendam que os médicos cubanos que trabalham no Brasil são pagos com nossos impostos, não considero forçar a barra dizer que nossa iniciativa privada é vampirizada indiretamente por Cuba no programa mais médicos.


  Dizemos que nossos políticos são populistas e mal administradores.
  Seria mais correto dizer que nossa CULTURA é populista e mal administradora.
  Eu trabalho na Unicamp e tinha inveja dos bônus de fim de ano pagos na USP, coisa de 5 mil reais.
  A pergunta era óbvia: Porque a “estatal” USP consegue pagar e a  “estatal” UNICAMP não consegue?

  A triste resposta chegou esse ano, a USP também não podia pagar era só um populismo barato que custará caro a toda sociedade.
  Seremos penalizados com greves e aumento de custos governamentais, qualquer aumento concedido aos funcionários da USP terá que sair de algum lugar, a iniciativa privada terá que ser vampirizada.
  VOCÊ SERÁ VAMPIRIZADO.

  “Trabalhe mais seu trouxa, pague mais impostos, eu sou funcionário público e sou muito melhor do que você, os “demônios” são os empresários e suas empresas exploradoras do trabalhador.”

  Hã, não faz sentido?  Eu não disse que fazia apenas estou lhes mostrando a nossa cultura a qual você pode comprovar em qualquer rodinha de conversa até no boteco da esquina.

   A USP comprometeu 100% do seu orçamento com a folha de pagamento, suas finanças estão totalmente estouradas.   

  Se na nossa maior Universidade impera o POPULISMO...me espanta quando ouço que os principais responsáveis por nossas mazelas são os políticos, eles são consequência de nossa CULTURA INEFICIENTE.

  Muda-se a cultura, muda-se o tipo de políticos eleitos.

  Essa lógica entra em sua mente?




anterior         <>              próximo
Postar um comentário