segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Papai do Céu

   “Não me lembro de nenhuma necessidade da infância tão grande quanto a necessidade da proteção de um PAI.”
 [Sigmund Freud]

  Não nasci em uma família bem estruturada.
  Meu pai e minha mãe brigavam muito, com 10 anos meu pai não vivia mais conosco, com 11 anos eu já era o “homem da casa”.
  Portanto, não sei muito bem o que é ter um pai ou esse tipo de proteção. ​​
  Também não posso dizer que em algum momento senti falta disso.
  Talvez eu seja um caso muito particular, mas o fato é que meu pai provocava tanta desarmonia em casa que me distanciar dele foi um grande alívio.
  Dinheiro ele nunca teve então apoio financeiro nenhum.
  Mentalmente eu já tinha começado a ler alucinadamente, na companhia de tantas mentes brilhantes ... não deu pra sentir falta de um pai.
  Uma imagem de pai na minha mente era o personagem Spock de Star Trek ... naquele sentido de se espelhar em alguém.
  O tipo de pessoa que eu queria ser quando adulto.

  

  Para meditarmos sobre o pensamento de Freud será mais interessante analisar a situação das minhas filhas que é mais comum a maioria das pessoas.

  Minhas filhas sabem que podem contar comigo e com minha esposa, somos uma grande proteção para elas até que elas estejam preparadas para serem independentes.
  Talvez elas nem tenham consciência de quanto isso é bom.
  Eu gostaria muito de ter nascido em um ambiente protegido, ter alguém que eu realmente pudesse contar.
  Claro que minha mãe me amava e “faria” tudo por mim, mas o que ela podia fazer era bem pouco, não tinha dinheiro para comprar um tênis novo, por exemplo.
  Com 11 anos eu trabalhava na feira livre, evidente que minha mãe não queria essa situação, mas ela precisava que eu trabalhasse.
  Percebe?
  Não basta vontade de proteger é preciso proteger de fato.

  A ideia de ter um Papai do Céu carinhoso e poderoso nos protegendo de tudo bastando sermos bonzinhos é muito, muito reconfortante.
        
  Na última semana do ano uma colega me falou da relutância de um de seus netos em aceitar que Papai Noel não existe.
  Eu lembrei a ela nossa relutância em “fazer questionamentos” sobre Papai do Céu/Deus

  Com meus textos acontece muito isso, quando faço algum questionamento sobre a bondade do Deus [que está descrito na Bíblia] muitos ficam horrorizados e se afastam como se tivessem diante de um anticristo, um ser demoníaco.
  Alguns até acham legal, nunca tinham olhado pela perspectiva que lhes apresentei.

  No entanto a maioria sente um grande desconforto, me olham com uma indisfarçável raiva.
  Dá para perceber que tentam se agarrar com unhas e dentes a suas “tradições de crenças”.

  São como aquelas crianças com uns 7 anos que no fundo já percebem que Papai Noel é só um personagem inventado, mas é um sonho tão bom que não querem parar de sonha-lo.
  Um bom velhinho que vem na noite de Natal e dá aquele presente que ela desejou o ano inteiro.
  Há uma revolta compreensível dirigida a quem está revelando o que no fundo ela já sabia, mas não queria aceitar.

  Lembrei da minha colega Silene de Taiobeiras, região de Montes Claros, Minas Gerais, ela me contou uma passagem de sua infância.
 O ano não tinha sido bom para seu pai.
  Ela e os muitos irmãos pediram presentes caros para situação financeira que a família se encontrava.
  O pai reuniu as crianças e disse que todos receberiam presentes, mas não os que haviam pedido.
  Ele quis evitar decepções muito grande justo no dia de Natal.
  Imagino que da maneira mais sutil possível deixou claro que os presentes eram comprados por ele e que Papai Noel não existia.
  Os mais grandinhos já desconfiavam e aceitaram bem, minha colega conta que foi um dia muito triste, ela ficou muito decepcionada, mas nada comparado a reação de uma de suas irmãs que literalmente surtou.
  Teve um ataque de choro e saiu em direção ao quarto gritando:

  “Papai Noel existe sim, existe sim, existe sim...”

  Uma cena dura que nem seu pai esperava, lhe encheu os olhos de lagrimas pela dor provocada na filha.
  Se coloquem na situação daquela garotinha tendo seu sonho interrompido por alguém acima de qualquer suspeita, seu papai da terra.
  Depois de crescidos riem do ocorrido naquelas reuniões familiares, mas o momento vivido foi de muita dor.

  Da mesma forma a maioria das pessoas percebem que as coisas não caem do céu, tudo que elas conquistam precisam correr atrás, precisam construir.
  Se elas tem algo sem muito esforço geralmente é graças ao seu papai e mamãe da Terra.

  Esse “amigo invisível” que faz as coisas por elas é um sonho bom e quando deparam com um forte argumento mostrando isso...surtam.

  Você é consolado pela crença que se Papai Noel não existe em compensação tem o Papai do Céu que sempre estará ao seu lado te protegendo de todo mal se você for bonzinho, se comportar bem.

  Daí vem o argumento:
 
  Coisas ruins acontecem sem que você tenha deixado de ser uma boa pessoa, mais ainda, pessoas que fazem coisas recrimináveis muitas vezes ficam numa boa.
  Se um ser puro, bom, justo está no controle de tudo como explicar a chegada ao poder de pessoas que deixam muito a desejar em termos de competência e/ou honestidade?
  Porque tantos assassinos não são rapidamente punidos por alguma justiça divina?

  Se um povo não se interessa por política faz péssimas escolhas por mais “religioso” que seja.

  Se nós humanos não montamos policias eficientes a bandidagem toma conta.

  Essa crença na proteção de um ser invisível e maravilhoso cai por terra.

  “Papai do Céu existe sim, Papai do Céu existe sim...”

  


  Você corre para o “quarto” do ESCAPISMO:

👩 “As coisas ruins acontecem para testar nossa Fé, nos tornar mais fortes.”

   Mas essa fuga não o livra de argumentos poderosos:

 1 -  Se Deus faz testes não sabe tudo, se não sabe tudo não é onisciente.

 2 -  Deus quer nos tornar mais fortes para que se no Céu será tudo mélzinho na chupeta!?

  Me responda você, diante do exposto, porque Deus coloca fardos para as pessoas carregarem?

▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Tirando a fantasia não sobra nada, só a dura realidade que estamos sozinhos em nossas formas biológicas?

  Quem dera fosse tão simples.

  Papai Noel, Saci Pererê, Loira do Banheiro, Fada Madrinha ... são histórias que nossa mente identifica facilmente como “contos”.

  O conto é uma obra de ficção que cria um universo de seres, de fantasia ou acontecimentos.
  Como todos os textos de ficção, o conto apresenta um narrador, personagens, ponto de vista e enredo.

 
  Boa parte da Bíblia identificamos facilmente como contos.

  Mas a questão sobre a existência de outras formas de vidas que chamamos de espíritos fica em aberto devido a certas observações.
  Um exemplo?

  Nunca consegui explicar a sorte como sendo apenas coincidência.

  Usando a dialética também questiono o “azar”.
  Quem nunca esteve naquela situação que tinha tudo para dar certo e em uma subversão da lógica as coisas dão errado ou muito distante do esperado, do que seria natural acontecer?

  Parece que há uma grande “interferência” jogando algumas pessoas para cima e outras para baixo.

  Esses espíritos/entidades/seresquadridimensionais que interferem em nossas vidas não devem ser só bons, justos e perfeitos. 
  Porque se fosse assim sempre que você fizesse o bem receberia o bem e sempre que fizesse o mal seria punido de alguma maneira.

  O que esperar dessas entidades que nos cercam?
  Como ter sorte e evitar o azar?
  Tenha certeza que se eu soubesse compartilharia com vocês.

  Minha colega de Minas Gerais e seus irmãos tiveram que se contentar com o que a vida poderia lhes dar naquele Natal, claro que seus pais queriam lhes dar tudo do bom e do melhor, mas tinham limitações.

  As entidades que possivelmente nos rodeiam devem ter suas limitações, tanto para nos ajudar quanto para nos fazer mal.
 
  O jeito é cada um cuidar bem de si e da família.       
  Independente do seu nível de sorte ou azar

  Estude, trabalhe, poupe, tenha juízo.
  Aproveite tudo de bom que conseguir conquistar.

  Meu desejo, o que eu pediria a um Papai do Céu?

  Que nós pessoas de bem fiquemos livres de demônios e cercados de anjos...

  Boa Sorte!


  




anterior         <>              próximo

Postar um comentário