segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Top Nerd

  “Aprovada em 1º lugar em medicina na Unifesp Karina Caciola estudava 14 horas por dia.” [UOL]

  Desde que me conheço por gente nada impede uma garota de ser reconhecida a mais inteligente da classe, no entanto em todos meus anos de escola nunca aconteceu.


  Entre os cinco mais inteligentes da classe tinha mulheres, mas aquele aluno CDF, “Top Nerd” só me lembro de homens.
  De certo se eu tivesse estudado do lado de alguém como a Karina me lembraria da aluna.
  E você?
  Puxe pela memória, o estudante considerado mais inteligente da classe era menino ou menina?
  Entenda que esse é um método científico... dentro de nossas possibilidades.
  Em nossa cultura brasileira não encontramos pai ou mãe que pregue para sua filha que ela tem menos valor que qualquer homem.
  Logo, as meninas dão o seu melhor nos estudos e esse melhor não supera o melhor dos meninos. 
  Claro, se olharmos para o outro lado da tabela há muitos homens burros facilmente superados pela inteligência das mulheres.
    Veja bem que não estou dizendo que todo homem é mais inteligente que qualquer mulher, mas sim que por algum motivo desconhecido o cérebro masculino em seu limite máximo é mais eficiente.

  Possivelmente a sociedade patriarcal se sustenta nesse algo a mais, nesse pico de inteligência dos meninos.

  Observem alguns números:

  O recorde mundial dos 100 metros rasos masculino pertence a Usain Bolt 9,63 segundos.
  Recorde mundial dos 100 metros rasos feminino pertence Florence Griffith-Joyner 10,62 segundos

Salto em altura masculino          2.39 m          Charles Austin
Salto em altura feminino            2.06 m          Yelena Slesarenko

Arremesso de peso masculino  22.47 m        Ulf Timmermann
Arremesso de peso feminino     22.41 m        Ilona Slupianek

Recorde de natação 50 metros masculino 46.91   César Cielo
Recorde de natação 50 metros feminino   52.07     Britta Steffen.

  O homem em seu limite geralmente é um pouco mais eficiente que a mulher.
  O Recorde de corrida masculino nunca foi batido por uma mulher.
  Em todos os esportes que tem uma medição e não é fruto do achismo do jurado os homens se saem melhor no ponto máximo.

  Você deve estar resmungando que isso não se aplica ao cérebro.
  Só me resta perguntar...porque não!?

  Ser o melhor da classe é uma medição que resulta da eficiência nas provas, não é achismo do professor.
  A característica básica de um Top Nerd é tirar as melhores notas da classe.
  Ele até tem alguma matéria que não domina bem, mas no geral consegue os melhores resultados.

  O mesmo tipo de prova é dada a homens e mulheres, se os homens se destacam podemos cientificamente afirmar que o cérebro masculino alcança um limite maior que o feminino.

  Isso quer dizer que sempre que tivermos que escolher entre um homem e uma mulher para fazer algo importante o homem é nossa escolha óbvia?

  Claro que não.
  O homem mais Veloz corre mais que a mulher mais veloz.
  Mas a recordista feminina corre mais que 99,9% dos homens.
  Só os atletas homens de alto desempenho são páreo para ela.
  Se o recordista masculino não estiver em um bom dia também será derrotado.

  Diante dessa meditação o que de interessante podemos deduzir?

  Que a sociedade patriarcal naturalmente vai continuar reinando.

  A maioria dos postos mais importantes serão ocupados por homens a não ser que pretendamos deliberadamente diminuir a eficiência.
  Se não respeitarmos o mérito e impormos cotas para mulheres a qualidade de nossa sociedade vai ficar aquém do que poderia ser.

  Imagine que o Steve Jobs fosse preterido no comando da Apple apenas por ser homem.
  Se a mulher escolhida fosse muito boa a Apple permaneceria no topo, mas sem aquele algo a mais que foi feito por Steve.
  Quero dizer que o fato dos homens serem os diretores presidentes e desenvolvedores das principais empresas não é fruto de um machismo cultural ou coincidência do acaso.

  No limite de qualquer conhecimento humano o cérebro masculino vai um pouco além.

  Vamos falar de Fórmula 1?
  É impossível pensar nessa categoria e não pensar na Inglaterra.
  É impossível pensar na Inglaterra e reconhecer ali alguma castração da liberdade feminina.
  Hoje o poder da Rainha é simbólico, mas rainhas já foram muito poderosas, não eram desrespeitadas pelo simples fato de serem mulheres.
  Estamos falando da terra da poderosa Margaret Thatcher.
  Um lugar onde uma garota que elaborasse primeiro a Teoria da Relatividade não seria ignorada pelo simples fato de ser mulher.

  Porque ainda não tivemos uma mulher campeã de Formula 1?
  Pense no incrível poder de marketing.
  Se aparecesse uma garota talentosa você acha mesmo que ela não seria aproveitada?
  Pelos números que as competições olímpicas nos trazem as diferenças dos limites físicos não seriam suficientes para impedirem que tivéssemos muitas mulheres competindo na F1.
  Muitos até relutam em classificar a F1 como “esporte” porque o grande esforço quem faz é a máquina.

  A essência do “esporte” é a competição ou o preparo físico?

  Se estou só andando de bicicleta não é esporte, mas se eu competir com um colega é?
  O fato é que para ter o carro mais veloz é preciso muita inteligência, é um esforço físico de cérebros.
  A F1 atualmente é tão cara que precisa de muito dinheiro, mas o dinheiro procura o campeão, o que apresenta o melhor projeto.
  Se uma garota começa a se destacar nas categorias de base, em um país capitalista como a Inglaterra, o que não faltará é investidor.

  Imagine desistirmos do mérito/talento na F1 e criarmos uma cota de 30% para as mulheres, inclusive na equipe de mecânicos.

  Claro que a F1 iria continuar, mas é evidente que o nível de desenvolvimento seria puxado para baixo, ficaria aquém do que poderia ser.
  As portas da F1 devem continuar abertas para qualquer mulher piloto ou mecânica que se interesse, mas forçar arbitrariamente uma presença das mulheres é jogar a F1 para baixo.
  Traçando um paralelo...

  A política deve continuar aberta para qualquer mulher que se interesse, mas criar uma cota é jogar a política para baixo.

Sacanagem...HAHAHAHAHAHA!


  A liderança baixa de qualidade quando dispensamos o Mérito e colocamos em seu lugar o “achismo”.
  Você acha que as mulheres são tão boas no comando e desenvolvimento quanto os homens e se isso não se mostra nos números é culpa de uma “herança ancestral”.
  Olha, eu passei a maior parte da infância com minha mãe, na escola meu primeiro professor só apareceu na quinta série, no geral posso dizer que em 80% do tempo fui educado por mulheres.
  Quero dizer que se há uma herança cultural essa não tem como ser imposta pelos homens.
  Isso ainda é só a ponta do iceberg, no próximo texto veremos a influência das mulheres usando a força do amor e o poder da periquita... 

  I’ll be back!

Anterior          <>        Próximo 
Postar um comentário