segunda-feira, 21 de abril de 2014

Optar pelo Bem

  “Só sei que nada sei, e o fato de saber isso, me coloca em vantagem sobre aqueles que acham que sabem alguma coisa.” 
[Sócrates]

   

___________________________
👩 “Cada um faça o que quiser de sua vida e da palavra de Deus, depois cada um terá que arcar com as consequências de suas escolhas, então, que assim seja.” 
[Comentarista no G+]    
___________________________

  Humm... segundo a Bíblia não é bem assim.
  Não fazemos o queremos de nossas vidas, existe uma predestinação”.
  Você não é salvo por obras, seu nome [se você for uma escolhida] já está no livro da vida desde a fundação do mundo.

  É o que já falei várias vezes sobre Eva, estava escrito que ela comeria o fruto do conhecimento se Lúcifer estivesse no Éden e segundo os evangélicos quem escreveu a Bíblia foi o próprio Deus de Abraão.

  O problema não é querer ser um “escolhido de Deus”.
  O problema é ter certeza que seu nome está no livro da vida eterna.
  Se sua vida aqui na Terra é muito boa até entendo o otimismo, mas se tens muitos problemas/provações ... tenho uma pergunta pra você?

  Se não és um escolhido nesse mundo, porque seria em outro!?


  Entretanto esse texto é para falar de algo mais grave...
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Você baseia sua vida (e pós vida) acreditando que sabe tudo porque lê a Bíblia.

  Já considerou a hipótese das narrações bíblicas serem apenas “contos” dos antigos na maior parte do tempo?

  “CONTO é uma obra de ficção que cria um universo de seres, de fantasia ou acontecimentos.
  Como todos os textos de ficção, o conto apresenta um narrador, personagens, ponto de vista e enredo.
  Classicamente, diz-se que o conto se define pela sua pequena extensão.
  Mais curto que a novela ou o romance, o conto tem uma estrutura fechada, desenvolve uma história e tem apenas um clímax.
  Num romance, a trama desdobra-se em conflitos secundários, o que não acontece com o conto.”
[Wikipédia]

 Enquanto você acredita que sabe tudo ... eu tenho duvidas ... “só sei que nada sei”.

 Já pensou você passar toda sua vida acreditando em “espíritos” e eles não existirem ou forem muito diferente do que os antigos acreditavam?

  A Bíblia diz que tudo já está escrito, tudo está predeterminado por um Deus onisciente, Onipotente e onipresente.
  Ao mesmo tempo o “conto antigo” diz que há livre arbítrio!
  Você consegue entender que é uma coisa ou outra?

  Considerando a HIPÓTESE de sermos espíritos e a “salvação” ser “ir para um lugar melhor” se isso for possível através de obras ... muda tudo.

   Para você alcançar algum tipo de salvação basta se esforçar para ser bom independentemente de qualquer doutrina ou religião.

 “Todos” são chamados e todos podem optar pelo bem ou pelo mal.
 
  Nesse plano de pensamento o tão falado “livre arbítrio” aconteceria de fato.

  Mas a onipotência onisciência de Deus deixariam de existir uma vez que ele não teria poder para mudar nossa vontade, nem prever nossa decisão.
  O “Livro da Vida” seria escrito pagina por pagina a cada dia.

  Deus separaria um mundo muito eficiente para os bons e deixaria os maus vivendo em mundos infernais, mas sempre com possibilidade de optarem pelo bem.

  É mais ou menos como se estrutura nossa sociedade.
  Se você é um cidadão honesto e trabalhador sua vida tem grande possibilidade de seguir calma.
  Se opta pelo crime as chance dela ficar conturbada são bem maiores.
  A vida não é exata.
  Você pacato cidadão pode ser atacado por um bandido e um grande mal lhe acontecer.
  Com nossa justiça falha sabemos de muitos “bandidos” que tiveram uma vida muito boa.

  Entretanto essa é nossa visão limitada a vida terrena.
  Se algo como uma vida espiritual existir ... espero que a “justiça” seja de melhor qualidade.

  Vamos para uma meditação mais profunda ... o texto está pedindo isso.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Não sei dizer quantas vezes fui classificado de ateu mesmo já tendo escrito vários textos explicando porque não sou.

  Ateu não acredita em espíritos, eu acredito.
 (Ao menos são a melhor resposta para muitas coisas que observo.)

  Possivelmente somos formas de vida muito mais complexas do que podemos perceber nessa dimensão.

  Minha mente é muito lógica, se o ateísmo fosse algo que fizesse mais sentido eu teria excelentes argumentos para defende-lo.

  "Me parece" que somos formas de vida em transformação, vejo sinais disso por toda parte.
  Quando esses sinais ocorrem eu chamo de subversão da lógica.

  Vou relatar mais um sinal entre tantos que já descrevi no Blog, boa parte dos sinais não sei como transformar em palavras, aos poucos eles vão se transformando em textos, enquanto isso não acontece os guardo só para mim, sem o veículo certo, sem a roupagem certa eles são ininteligíveis.

  "De acordo com a doutrina espírita, crianças tem maior facilidade para interagir com espíritos.
  Isso ocorre porque as crianças ainda têm ligações ligeiramente mais tênues com o corpo físico, assim como os doentes terminais, em que a ligação espírito-corpo já se enfraqueceu e eles podem ver os espíritos.
  Há medida que a pessoa cresce, vai se tornando ainda mais forte a ligação com o corpo e ela vai deixando de vê-los.
  No entanto, nem todas as crianças veem os espíritos.
  “É natural que os vejam, mas não é obrigatório que aconteça”.

  Não tenho muito jeito com crianças, sempre que as olho vejo como anjinhos, gosto de apreciar a beleza não tenho paciência para cuidar.
  No entanto, entre eu e muitas delas estabelece uma conexão difícil de explicar pelo conhecimento que dispomos sobre biologia.
  Os bebês me olham fixamente como se vissem algo que eu não faço ideia, por um tempo foi meio "assustador/intrigante".
  Se possível eu disfarçava e seguia o bebê por alguns metros para ver se aquele comportamento era normal ou foi algo direcionado a mim.
  Sabe quando alguém te encara como se te conhecesse e você não faz a menor ideia de quem seja?
  Você se vê obrigado a cumprimentar e torce para que alguma coisa te lembre quem é.
  No meu caso, de onde eu poderia conhecer uma criança de 1, 2 ou 3 anos!?
  É mais ou menos até os 3 anos que essa forte conexão acontece, a partir do 2 anos observei que ela vai diminuindo.
  Muitos bebês me encaram tão desconcertantemente como se aguardassem ansiosamente um aceno, se não faço isso eles mesmo se antecipam.
  Não sei como explicar, é como se vissem uma "celebridade"!
  É coisa de doido eu sei, não queria publicar esse texto.
  O que esses bebês veem em mim!?
  Não sei.
  Sim, isso acontece também com outras pessoas, mas elas não “percebem” como um sinal.
  Meu campo de pesquisa não é grande, raramente saí da cidade em que moro, mas transformando em números eu diria que 1 ou 2% da população experimenta essa conexão da qual falo nesse texto.
  Interessante que já vi o inverso também...pessoas que só a presença já irrita bebês e animais.

  [Vou encerrar esse texto antes que ele seja o último que eu escreva, a loucura está em meu encalço.
  Por vezes não sei se estou dormindo ou acordado, levo alguns segundos até perceber onde estou.]

  Qual a subversão da lógica?

  É logico biologicamente eu ter esse tipo de conexão com minhas filhas.
  Sempre estive perto da minha esposa durante a gestação, depois da voz da minha esposa a que mais foi ouvida pelas minhas filha quando estavam no útero de certo foi a minha.
  Logicamente quando minhas filhas nasceram minha voz, minha presença lhes era familiar, uma conexão muito fácil de explicar.
  Como aplicar o mesmo raciocínio em crianças as quais eu nunca estive perto?
  Ainda bem que eu sinto nos bebês muita paz e muita alegria ao me verem.
  Sugere que nossas interações no "passado" ou "outra dimensão" foram boas.

  Eu optei pelo bem nesta e em outras existências?


 Espero que sim, espero que sim...

  

anterior         <>              próximo

Postar um comentário