quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Orgulho Macho

  “Se você se acha machão, mas fala ma-ra-vi-lho-so com separação de sílabas, tenho péssimas notícias pra você”


   Sinto falta de macho!
  Calma, não boiolei, foi o cinema que boiolou.


  Os filmes antigos tinham mais personagens viris, cheios de testosterona e eu me identificava com eles.
  No entanto embora seja fácil assistir filmes antigos, tem até canais dedicados a eles, eu não consigo assistir.
  É que me acostumei com a qualidade da imagem e efeitos dos filmes atuais.
  Vamos considerar “atuais” de 2000 para cá.
  Ver um filme antigo, embora o roteiro seja bom, é como ouvir aquela música que você gosta, mas em um vinil antigo cheio de chiados.
  Peguemos como exemplo o filme Planeta dos Macacos.
  O primeiro é muito mais cativante, principalmente porque era uma história original, você descobre com os personagens só no final o que aconteceu.
  Até perto do final do filme todos acreditam que estão em um Planeta de Macacos, mas surpreende a todos que aquela é a própria Terra em um futuro onde os símios se tornaram a espécie dominante.
  Agora, se falarmos de efeitos especiais não dá nem para comparar.
  O filme original parece uma comédia, um baile de máscaras perto do show de imagens que a produção moderna nos oferece.
=======================
  Nesse texto eu quero destacar a virilidade dos personagens que de uma certa forma me serviram de modelo e acho chato que os garotos que nasceram de 2000 em diante não encontrem eles nos filmes e até novelas.
  Fiquei sabendo que o José Mayer vai fazer um homossexual na próxima novela de algum horário, vai falar muito “ma-ra-vi-lho- so” ui!
  Entendem o que falo?
  Os homossexuais de coadjuvantes passaram a personagens principais, quase um exemplo a ser seguido.

  A imagem de “garanhão” que foi construída em José Mayer se tornou politicamente incorreta.
  O modelo a ser seguido agora são casais de gays e lésbicas!?

  Naqueles filmes de cowboys os caras eram muito machos no melhor sentido da palavra.
  Até o bandido sabia respeitar uma dama.

  A palavra de um homem...era a palavra de um homem, tão importante quanto um papel assinado.

  Eu assisti muitos filmes antigos, principalmente na Sessão da Tarde, mas como estou em 2014 não vou falar de personagens antigos, quero que esse texto seja útil para as pessoas de hoje e não algum resgate saudosista.
  Tente entender do macho que me faz falta...HAHAHAHAHAHAHAH!
  Quem assistiu Gladiador pode entender um pouco do que estou escrevendo.
  Russell Crowe estava em excelente forma física e sua atuação transborda virilidade.
  Quando você compara com o personagem principal da Saga do Crepúsculo [só um exemplo] ... não sei, é outra dimensão da masculinidade.  Clique Aqui
==========================
  Em um filme de guerra antigo, antes de uma grande batalha o general disse:

  “É hora de separar os meninos dos homens.”

  Hoje temos muito filmes de “homens meninos”, gays, mulheres super poderosas... e poucos filmes de “homens machos.”
  Por favor, nada contra a diversidade, só estou puxando a sardinha para o meu lado, dizendo o tipo de filme que gosto de assistir, os exemplos que gosto de me mirar.
  Em tempos de “orgulho gay” apenas quero compartilhar com você um pouco de “orgulho macho”.
  Eu me imagino um Gladiador, mesmo que na realidade eu não seja tão destemido, mas o cinema tem essa mágica de nos tornarmos algo que gostaríamos de ser.
  Não consigo me imaginar aquele vampiro garoto relutando em fazer sexo com uma mulher...é “sensível” demais.
  Até o “garanhão” e infantilizado James Bond me parece menos constrangedor.


  Outro filme que ilustra bem esse texto é 300.
  O primeiro é testosterona de alta qualidade, destaco tambem o papel da personagem feminina, é, sinto falta de “fêmeas” daquele quilate...mas isso fica para outro texto “Sinto falta de Fêmeas”.
  Parece que o cinema está “heterofóbico”.

  O segundo 300 é uma aberração, foi duro ficar até o fim no cinema.
  A personagem feminina era uma moça cheia de magoas que batia em todos os homens com o dobro do tamanho dela!
  O personagem masculino nem de longe lembrava a virilidade do rei Leônidas (Gerard Butler) do primeiro filme.
  No segundo 300 aconteceu uma das cenas mais ridículas do cinema que eu já assisti, o “homem menino” do filme leva um cavalo para uma batalha naval!!!
  Queria meu ingresso de volta!
=========================          
  Esse é o tipo de texto que posso ficar escrevendo por horas, com inúmeros exemplos, mas vou forçar um desligamento...

  Os machos do passado estão velhos, é um tanto deprimente ver filmes com eles.

  Quem gosta de envelhecer? Eu não gosto.
  A imagem que guardo de Arnold Schwarzenegger é dele em Conan o Bárbaro, O Predador ou Exterminador do Futuro.
  Hoje ele tem quase 70 anos, sinto muito ser politicamente incorreto, mas não dá para ver um super macho no biótipo de um homem dessa idade, claro que aqui estou falando da aparência, o vigor físico que filmes de ação necessitam.

  Eu gosto de 24 horas, Jack Bauer é macho pra caramba.
  Mas ele envelheceu, não tem algum homem mais jovem e viril para ocupar seu posto?

  Minha esposa me convidou para assistir “Os Mercenários”.
  Não tenho como.
  Quando eu assisto filmes consigo me desligar bastante da lógica, sei que o diretor e autor precisam tornar a história interessante e algumas coisas surreais acontecem, mas minha capacidade de desligar a lógica não é tão ampla quanto exigem os filmes atuais.
  Velozes e Furiosos é uma sequência de sucesso a qual não consegui assistir nenhum filme, é muita “paia”.
  Não consigo me enxergar em nenhum daqueles homens meninos brincando com seus automóveis.

  Embora seja um androide gosto de agir no meu dia a dia como o Terminator 2 [T-800], sua postura, seu rosto quase sem emoção.
  T2 leva em consideração as emoções, mas toma a decisão mais Lógica.
  No fim do filme a decisão mais lógica é sua auto destruição e ele faz “o que um homem tem que fazer.”  Clique Aqui

  É de fazer qualquer macho chorar o final daquele filme.
  Sei, sei, você tem péssimas notícias para mim.
 “Um cara que se diz macho e chora no final de filmes?”
  A vida não é filme, você não entendeu!?

  T2 é feito com ligas especiais de metais e circuitos de última geração, eu sou só um punhado de carne, agua e ossos sou tão macho quanto consigo ser...

  Essa lógica entra em sua mente?




  Se tiver boa conexão veja o trailer    Clique Aqui
  Coloque o fone de ouvido e sinta a qualidade do som.

Hasta la vista, baby


Anterior          <>        Próximo

Postar um comentário