segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

O Barato da Fé

  “Os homens podem ter várias espécies de prazer. O verdadeiro é aquele pelo qual eles deixam outro.” 
[Marcel Proust]

   Nós passamos por várias fases, cada qual tem seu prazer.
  Mas tem aquele prazer que nos acompanha por toda vida, aquele prazer que é da nossa natureza.

  Estava trabalhando ao lado da minha colega Fatinha quando uma senhora de 80 anos começou a conversar com ela.
  Pareceu não se importar com minha proximidade, até queria que eu ouvisse.
  Não gosto de ouvir conversas dos outros, mas não sou surdo.
  A mulher disse que gostava muito de sexo.
  A necessidade dela é tanta que o marido faz tempo que abriu mão de algum controle, ela apontou o homem e as idades são próximas.
  Pelo jeito dela falar ele estava até conformado com traições.
  Ele não dava conta e não queria se separar dela o jeito foi dividir a carne...
  Não conheço nenhuma doença que aumente o desejo sexual feminino ou que o desejo aumente na "terceira idade".
  Deduzo que a mulher nasceu com essa compulsão sexual e deve ter transado muito, o sexo é um prazer da sua natureza.

  O motivo do desabafo dela com estranhos foi por conta de uma indignação/inconformismo.
  Alguma reclamação familiar (marido ou filhos) levou o médico a receitar um remédio para diminuir o desejo sexual dela.
  Ela disse que não aceitava de jeito nenhum e ninguém iria obriga-la a tomar.
  A senhora naqueles breves minutos me pareceu extremamente lucida e bem humorada.
  Se ela não quer o tratamento não há lei no Brasil que a obrigue a se submeter.
  E aqui aconteceu a provocação que disparou esse texto:

  Todos nós temos algum tipo de prazer quantos estariam dispostos a abrir mão do seu?

  Eu evitei contato visual com a senhora por motivos óbvios, ela deixou claro que é tarada...
  Para 80 anos até que ela é ajeitadinha ... quem disse que sexo não faz bem.
  Mas receber um olhar de desejo dela seria um tanto constrangedor.
  Eu "imagino" que o constrangimento familiar surgiu de comportamentos indevidos da mulher ... claro que aqui entramos no campo da divagação, não tenho dados suficientes para alguma conclusão.
  O fato é que seu prazer por sexo está trazendo problemas e mesmo assim ela não quer se livrar dele.

  Quando a mulher é "nova" ter uma vida sexual ativa não é muito difícil, ainda mais se ela só quer sexo.
  O marido seria o maior problema, mas se ele preferiu fechar os olhos...
  No caso de uma mulher de 80 anos encontrar parceiros fogosos fica mais difícil.
  A esmagadora maioria dos homens perdem muito da capacidade sexual a partir dos 50 ou menos.
  Hoje temos drogas sexuais o problema é esse homem mais velho preferir uma mulher de 80.
  Enfim, fazer um tratamento que apagasse o fogo da mulher tornaria sua vida mais ... tranquila.
  De certo ela entende isso, mas se recusa ao tratamento, prefere todo constrangimento trazido por seu prazer, não concebe viver sem ele.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Eu entendo essa mulher, tenho o mesmo problema com a Filosofia.

  Meus pensamentos me trazem um profundo isolamento e causam constrangimento aos meus familiares.
  Minha família é evangélica, tenho alguns parentes no Face e os meus textos questionando a Bíblia provocam muito constrangimento.
  Eles oram por minha conversão.
  Minha esposa posta essas mensagens melosas tiradas do contexto Bíblico eu coloco argumentos trazendo para o contexto e raramente é algo bonito.
  Eu fecho os olhos para a maioria das postagens, mas tem aquelas que não consigo deixar passar batido.

  Se meus pensamentos trouxessem dinheiro ainda seria algo desculpavel, mas trazem gasto, Internet de boa qualidade custa caro.

  Se alguém me oferecesse um tratamento para parar de filosofar eu não aceitaria.
  Porque?
  NÃO SEI!
  Não escolhemos o que sentir.
  Se não fosse a Filosofia eu provavelmente me enturmaria melhor, seria mais próximo de meus familiares, seria um esposo mais convencional, faria parte de alguma congregação/igreja, seria mais sociável no trabalho ... seria "bom" para mim.
  Igual aquela senhora gosta de transar eu gosto de pensar, é a minha natureza.

  No mundo existe muitos prazeres proibidos roubar e/ou matar, pedofilia, estupro ... claramente são o prazer de muitos.

  Existe os prazeres questionáveis o meu e o da senhora estão nessa categoria.

  Existe os prazeres louváveis, ajudar o próximo, plantar, salvar vidas... que bom que todos tivessem essa natureza.

  Muitos acreditam que podemos substituir um prazer por outro, mas quando esse prazer está entranhado em nossa natureza é muito difícil.
  É como o caso dos homossexuais.
  Se um homem sente prazer em transar com outro homem, transar com uma mulher nunca será a mesma coisa.
  Eu poderia escrever crônicas charmosas como o colega Frank Hosaka, mas não seria a mesma coisa.

  A estrutura de pensamento Prazer influencia bastante a Filosofia que prático.

  Exemplo, não sou a favor do uso de entorpecentes, simplesmente observo que é da natureza de muitos gostar do tipo de sensação/barato que essas drogas provocam.
  Considero perda de tempo proibir o uso de drogas, é mais eficiente administrar esse problema da melhora maneira possível regulamentando a produção, comércio e consumo.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
Vamos tratar do prazer Religião?

  Acho perda de tempo tentar o fim de igrejas e religiões.
  Eu não combato igrejas e religiões apenas alerto sobre a ineficiência do fanatismo.

  O prazer do louvor e adoração é da natureza de muitos humanos.

  Eu entendo a necessidade da minha esposa e familiares de adorar espíritos, frequentar igrejas.
  Entendo que há pessoas que sentem necessidade de cânticos, orações, sermões.
  Eu tenho necessidade do silêncio, na minha mente já tem barulho demais.

    Entrar em contato com o que grandes pensadores escreveram, flutuar por estruturas de pensamento é o meu barato.
  Para outros aceitar a Bíblia ou outro livro sagrado como 100% a palavra de algum Deus é o que lhes basta.
  Apesar das pessoas entenderem todas as evidencias sobre a fantasia das histórias bíblicas se você perguntar porque elas tem fé elas responderão com escapismos e frases feitas.
  Elas não admitem que não sabem porque a religião lhes dá tanto prazer.
  A Filosofia é meu prazer assim como sexo é da senhora de 80 anos.
  Nós não sabemos porque só sabemos que é assim.

  A maioria dos prazeres não são para serem combatidos, nossa atenção deve ser em não sermos consumidos por eles.

Os livros sagrados são basicamente literatura.

  Se você tiver ao menos esse entendimento já basta para que a Religião não torne sua vida muito ineficiente.

  Gostar de Guerra nas Estrelas, se fantasiar de seus personagens, citar frases do filme e até aplicar certos ensinamentos em sua vida gera momentos de muito prazer, o problema é você dar como certo que existe um Darth Vader ou Luke Skywalker lhe chamando para um lado da Força.

  No caso de judeus e cristãos Moises escreveu o que quis (ou foi inspirado) e quem copiou seus textos acrescentou ou tirou alguma coisa.
  No caso dos Islâmicos Maomé escreveu o que quis (ou foi inspirado) e quem copiou seus textos acrescentou ou tirou alguma coisa.

  Para literatura matar primogênitos ou abrir o mar é muito fácil.
  Escrever que há 70 virgens no paraíso para cada mártir consome poucos caracteres.

 Agora mesmo estão caindo notas de 100 dólares no meu quarto ... acredite quem quiser... sua imaginação é a tecnologia da leitura. (É de grátis)
  Mas daí alguém questiona:
  Se aparece notas de 100 dólares em seu quarto porque ainda trabalha?
  Eu respondo:
  Não pense, apenas tenha Fé e algum dia aparecerá notas de dólares em sua vida.
  Talvez esse milagre não aconteça tal qual acontece na minha vida, mas você conseguirá um bom emprego, terá a sua empresa própria ou ganhará na loteria.
  Se não tiver Fé, se questionar minhas palavras, todas essa maravilhas lhe serão negadas.

  Veja o que diz a Bíblia:

  Tu que habitas sob a proteção do Altíssimo, que moras à sombra do Onipotente, diga ao Senhor:

  “Sois meu refúgio e minha cidadela, meu Deus, em que eu confio.”

  O Senhor Deus te livrará do laço do caçador, e da peste perniciosa.
  Sua fidelidade te será um escudo de proteção.
  Tu não temerás os terrores noturnos, nem a flecha que voa à luz do dia, nem a peste que se propaga nas trevas, nem o mal que grassa ao meio-dia.

   Caiam mil homens à tua esquerda e dez mil à tua direita, tu não serás atingido.

  Porém com teus próprios olhos, contemplarás o castigo dos pecadores.

  Esse é o barato da Fé, você pode tudo em “seu” Deus e os que não concordarem com você arderão para sempre no fogo do inferno.

 Porque isso é fonte de tanto prazer para tantos?
  Não sei, só sei que é assim.
  Espero que aquela senhora encontre homens fogosos para transar com ela enquanto tiver saúde para isso.
  Espero que eu esteja lúcido até o final dos meus dias.
  Espero que os religiosos se concentrem mais no amor e menos no medo, foquem mais no bom senso e menos no fanatismo, amém?





  Barato: Efeito das drogas no organismo

  Quanto ao tipo de efeito no sistema nervoso podem ser classificadas como:

Depressoras - diminuem a atividade do sistema nervoso atuando em receptores (neurotransmissores) específicos.
  Exemplos: álcool, barbitúricos, lança perfume, clorofórmio, ópio, morfina, heroína, e inalantes em geral (cola de sapateiro, etc).

 Alucinógenas - Drogas perturbadoras/modificadoras, têm por característica principal a despersonalização ou modificação da percepção daí o termo alucinógeno para sua designação.
  Exemplos: Algumas espécies de cogumelos, LSD, maconha, ou ecstasy.

  Estimulantes - Produzem aumento da atividade pulmonar, diminuem a fadiga, aumentam a percepção ficando os demais sentidos ativados.
  Exemplos: cocaína, crack, cafeína, GHB, metanfetamina, anfetaminas.

  Nós passamos por várias fases na vida, passamos por muitos prazeres, deduzo que aquele prazer que permanece mais tempo em nós é o prazer da nossa natureza, isso só dá para definir depois de muitos anos de vida e uma boa dose de autoconhecimento.

  Eu já fui muito religioso, se eu não fosse a igreja pelo menos 1 vez na semana era como se eu não comece arroz e feijão.
  Eu acordava orando, orava várias vezes ao dia e adormecia orando.
  Dependendo da ocasião a religião agia como depressora ou estimulante, nunca cheguei a ter alucinações, mas já ouvi vários relatos sobre visões.

  É difícil não ter o “vicio” do sexo depois da adolescência, por um tempo transar era quase tudo para mim, só ficava abaixo da necessidade de ir à igreja.
  Quando uma mulher se interessava por mim, me sentia muito estimulado, poderoso, depois dos “finalmentes” era muita paz, auto realização, uma afirmação da minha “macheza”.
  Porque me sentir macho e desejado me fazia tão bem?
  Não sei, só sei que era assim.
  Uma mulher “direita” (no sentido de não ser prostituta, bêbada ou drogada) não sai com qualquer um, ela me escolher para algo tão íntimo como sexo era uma inenarrável honra.
  Muitos tentaram, mas eu fui um dos poucos que consegui.
  Sexo mexe muito com nossa imaginação, aquela “nova conquista” aparece em nossa mente de todas as formas, uma mais “bonita” que a outra, mas não chega a provocar alucinações ... se desconsideramos os sonhos eróticos.
  HAHAHAHAHAHAHAHH!
  Lembrei de um colega, ele apontou uma garota muito bonita e me disse que já havia transado muito com ela.
  Eu achei pouco provável apesar de saber que eles tinham uma boa amizade, conhecendo ele, não acreditei que ele teria atitude para conquistar uma mulher igual àquela, mas a vida é sempre cheia de supressas.
  Olhei nos olhos dele e perguntei, é sério?

  “-Em sonho eu arrasei com ela”.

  Isso dá para acreditar...

  O que a Filosofia provoca em mim?
  Buscar a melhor resposta, decifrar enigmas, caçar informações ... dá uma adrenalina danada.
  Essa busca quando está em andamento me consome, me faz esquecer qualquer vazio, a mente entra em espiral, perco a noção do tempo, minutos podem parecer horas e outra vezes horas passam em segundos.
  Eu escrevo com alarmes programados no celular, computador, tablet, para me despertar do transe.
   Quando eu chego a melhor resposta a mente fica “iluminada”, mesmo que a resposta não seja agradável, mesmo que não seja a “opinião” que eu gostaria de defender.
  Perseguir a verdade é isso que me importa.
  Me aproximar da verdade (ou ter essa sensação) me dá uma paz inenarrável, a adrenalina é substituída por uma serenidade, uma plenitude.
  Depois vem a prova de fogo, os debates.
  A adrenalina volta ao pico.
  Se a estrutura de pensamento apresenta falhas ... sou jogado de volta na busca, a caçada continua.
  Mas se não encontro contra argumentos a altura ... minha mente vira um “Sol”, me sinto forte, poderoso, um ILUMINADO.
  Claro que essa sensação não dura muito, algum alarme me desperta, eu tenho que fazer arroz, lavar louça, levar a filha na escola ... ir trabalhar em um emprego medíocre para ganhar alguns trocados.
  Porque esse enorme prazer em filosofar?
  Não sei, só sei que é assim.
  Esse é um dos enigmas que nunca consegui decifrar...

  

Anterior          <>        Próximo 
Postar um comentário