segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Verdades Convencionais

   “A verdade não pode ser trazida para baixo; é o indivíduo que deve fazer o esforço de ascender até ela."
[Jiddu Krishnamurti]

Lembrei de Charles Chaplin:

  “O assunto mais importante do mundo pode ser simplificado até ao ponto em que todos possam apreciá-lo e compreendê-lo.
  Isso é - ou deveria ser - a mais elevada forma de arte.”   

   Buscar a verdade em qualquer assunto é sempre importante.
   Não se trata de trazer para baixo a verdade, mas simplifica-la a ponto que a maioria das pessoas possam entender.

   É o que faço, me acho muito bom nisso.

  A verdade para eu é a melhor resposta para o momento, se no próximo momento aparecer uma resposta mais satisfatória ela passa a ser a verdade.
  Há verdades que consideramos imutáveis, não esperamos que elas mudem com o tempo.
2 + 2 = 4
  Jiddu diria que isso não é uma verdade porque ela é baseada em uma convenção.
  Alguém convenceu outros a aceitarem o símbolo “2” como representando um par de coisas, logo, sua mente ao aceitar esse símbolo está presa a idéia de alguém.
  É verdade o que Jiddu prega, mas não sei que tipo de mundo poderíamos construir se não entrássemos em um acordo sobre símbolos.
  O objetivo dos símbolos é facilitar a comunicação uma vez que não temos o poder de ler mentes.
  Até os animais dito irracionais tem seus sinais.
  Como nosso cérebro é mais sofisticado desenvolvemos uma gama muito maior de símbolos o que nos permitiu trocar e somar conhecimentos até chegarmos em nossa fabulosa tecnologia atual.

  Se um dia encontrarmos uma civilização extraterrestre inteligente de certo ela deve ter seus cálculos matemáticos com símbolos totalmente diferentes dos nossos.

  Em nossa própria civilização os números arábicos demoraram a ser um consenso.
  Por menos estudo que você tenha deve conhecer pelo menos os números romanos que são diferentes dos arábicos.
I, II, III, IV, V.  Números romanos
1, 2, 3, 4, 5.    Números arábicos

  Chegamos à conclusão que uma verdade plena não pode ser encontra nem em uma simples equação matemática: 2+2=4

  Mas é verdade que usando essa convenção nossa comunicação fica mais eficiente.
  Da minha parte não vejo motivos para desconsiderarmos essas verdades convencionais.
  Muitos pensadores fazem um drama com isso, eu os chamo de pensadores do "tudo é tudo e nada é nada" é o tipo de filosofia que anda em círculos sem nos levar a lugar algum.
  Sempre que um pensamento não envolve questões morais não vejo porque não adotá-lo como verdade mesmo que seja uma convenção.

O fogo queima.”

  Veja que tudo nessa afirmação é uma convenção.
  Começamos pelas letras que são símbolos.
  Convencionamos chamar uma reação química existente em nosso planeta de fogo e a sensação que ela provoca de calor.
  Dependendo da intensidade do calor ele esquenta, derrete, queima.

  E se o pensamento envolve valores morais?
  A verdade fica bem mais variável/questionável depende da cultura.

  “Para crimes hediondos devemos aplicar a pena de morte.”

  Essa afirmação será verdadeira em povos que tem a pena de morte em sua legislação e será falsa em países que não tem.
  De qualquer forma, considerarmos as verdades convencionadas nos leva a uma solução/decisão.
  Filosofar que tudo é tudo e nada é nada nos faz meditar em círculos insolúveis.
  Alguém comete um crime hediondo e pega uma pena branda porque podemos com malabarismos filosóficos considera-lo vítima da sociedade.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Se alguém me diz que está amando e sendo correspondido eu lhe dou os parabéns.

  Se não está sendo correspondido dou meus pêsames...HAHAHAHAHAHAAHAHH!
  Se apaixonar por quem só nos quer como amigo ou nem isso é osso.
  Eu nunca vivi essa situação, sempre fui correspondido.
  Como eu era muito tímido o que acontecia é que eu agia como aqueles cãozinhos que correm atrás do carro, quando o carro para não sabem o que fazer...
  Não tinha papo, não tinha assunto, não tinha atitude daí virava apenas amigo.

  O que convencionamos chamar de amor é em linhas gerais um interesse profundo/romântico por outra pessoa.

  Eu sei o que uma pessoa quer dizer quando diz que está apaixonada.

  Veja que coisa terrivelmente enfadonha:

Você: Sinto amor por aquela mulher.

Jiddu Krishnamurti:  Sabe, de fato não temos amor – essa é uma coisa terrível de se perceber.
  De fato não temos amor; temos sentimento; temos emocionalismo, sensualidade, sexualidade, temos lembranças de alguma coisa que pensamos que era amor.
  Mas de fato, brutalmente, não temos amor.
  Porque ter amor significa não ter violência, nem medo, nem competição, nem ambição.
  Se você teve amor, nunca dirá, "Esta é minha família."
  Você pode ter uma família e lhe dar o melhor que pode; mas ela não será "sua família" que está em oposição ao mundo.
  Se você ama, se existe amor, existe paz.
  Se você amasse, educaria seu filho não para ser nacionalista, não para ter apenas uma profissão técnica e tratar apenas de seus pequenos assuntos; você não teria nacionalidade.
  Não haveria divisões de religião, se você amasse.
  Mas como essas coisas de fato existem – não teoricamente, mas brutalmente – este mundo hediondo, mostra que você não tem amor.
  Mesmo o amor da mãe por seu filho não é amor.
  Se a mãe realmente amasse seu filho, você acha que o mundo seria assim?
  Ela cuidaria que ele tivesse o alimento correto, a educação correta, que fosse sensível, que apreciasse a beleza, que não fosse ambicioso, ganancioso, invejoso.
  Então a mãe, conquanto ela possa pensar que ama seu filho, não ama.
  Então não temos esse amor.

  Jiddu eleva o amor a um patamar tal que nenhum humano é capaz de alcançar, logo, você acredita que está sentindo amor, mas não está sentindo “nada” que se aproxime dessa situação.
  Na parte que destaquei em azul você sai do nada e vai para uma visão do tudo.

  “Se a mãe realmente amasse seu filho, você acha que o mundo seria assim?”

  Eu vivo escrevendo sobre a importância de pais responsáveis, mas crítico os que não são, não generalizo essa condição
  Eu defendo que a maioria dos pais cuidam bem dos seus filhos.
  A grande maioria das mães que conheço amam e cuidam bem de seus filhos.
  Olhamos indignados para crianças que pedem coisas nos sinaleiros, mas não esqueçamos que a esmagadora maioria não vive essa situação.
  Jiddu atribui um poder as mães que eu não consigo observar.

  “Ela cuidaria que ele tivesse o alimento correto, a educação correta, que fosse sensível, que apreciasse a beleza, que não fosse ambicioso, ganancioso, invejoso.”

  A primeira parte é uma coisa que eu como pai posso prover.
  A parte em amarelo vai além de minhas possibilidades, eu posso aconselhar, dar exemplo, mas o caráter de minhas filhas é algo inerente a elas.
  O que eu acho bonito pode não ser do agrado da minha filha.
  Eu posso me contentar em morar em um barraco na favela, mas minha filha pode querer algo a mais.
  Minha filha pode achar que o amor é tudo enquanto eu acho que para casar é preciso ter condição financeira aceitável.
  Sem contar que eu também fui filho.

  Se os filhos fossem um reflexo exato dos pais os comportamentos iriam se repetindo sem mudanças por infinitas gerações.

  Vamos a uma filosofia mais objetiva, pragmática.
  Quando uma pessoa fala pra você que está apaixonada, na “verdade” ela está compartilhando com você algo que ela está sentindo.
  Apenas escute e deseje boa sorte, felicidades.
  Talvez ela esteja pedindo sua ajuda para uma aproximação, se possível ajude.
  Se você sabe que a pessoa que ela pretende é compromissada e está bem no atual relacionamento, avise, não deixe criar expectativas.

  Veja que há vários procedimentos eficientes para ajudar seu colega o incentivando, alertando ou apenas compartilhando de sua alegria.

  Eleva-lo ao entendimento do que é o “verdadeiro amor” ... é altamente broxante, um meditar em círculos sem chegar a lugar nenhum e nem prestar algum conforto ou auxilio.
  Quando alguém disser que está apaixonado esqueça Jiddu, ouça Leo Jaime:

                            E até o tempo passa arrastado
                       Só pra eu ficar ao teu lado
                       Você me chora as dores de outro amor
                       Se abre e acaba comigo
                       Nessa novela eu não quero ser
                       O teu amigo, que amigo!
                       É que eu preciso dizer que te amo
                       Te ganhar ou perder sem engano
                       Eu preciso dizer que te amo
                       Tanto ♫♫♫♫




  “No universo tudo procede por vias indiretas. Não existem linhas retas.”
[Ralph Waldo Emerson] 

  Houve uma fase em minha vida que Waldo Emerson foi meu pensador preferido.
  Eu devorei seus livros, mas ao tentar colocar sua filosofia em pratica foi decepcionante.
  Foi com ele que identifiquei esse tipo de pensador que classifico como “Tudo é tudo e nada é nada”.
  É uma filosofia bonita, parece profunda ... pena que não corresponde à realidade observável. (Sem generalizações)

  Eu observo a vida e procuro uma teoria que a explique.

  Pensadores como Ralph e Jiddu criam uma teoria e querem que a vida a explique.

  Nesse pensamento Emerson afirma que não existe linhas retas.
  Caraca, para onde eu olho vejo linhas retas (segmentos de retas para os mais exigentes)
  Sim, eu entendo o que Emerson quer dizer.
  Tudo é uma reação em cadeia.
  Mas para me deliciar com um pedaço de pão não preciso “desperdiçar energia” relembrando toda sua cadeia produtiva antes de come-lo.
  Eu sei do trigo, sei do seu beneficiamento, sei da agua, do trabalho do padeiro ... mas quando estou com fome “a linha reta” de comer o pão me basta.

  Eu sei que uma linha reta é feita de infinitos pontos e que se olharmos em um microscópio veremos que eles não estão perfeitamente alinhados.
  No entanto uma régua embora não seja perfeita serve as minhas necessidades, tem a sua UTILIDADE.
  Suponhamos que você queira desenhar a planta do imóvel onde pretende morar, mas se recusa a fazer isso enquanto não encontrar a régua perfeita.
  O imóvel é uma necessidade, a régua perfeita é um capricho/utopia.
  Mesmo que você conseguisse a régua perfeita e linhas perfeitas, o engenheiro não tem como construir paredes perfeitas.

  Imagine que em um ciclo natural da vida você queira casar e ter filhos, mas se recusa a fazer isso enquanto não encontrar o parceiro perfeito o amor verdadeiro...
  Em busca da verdade verdadeira as pessoas adiam tanto as decisões uteis/objetivas nessa vida que a única esperança é que tenha outra vida.
  Vai “tentar” viver em outra vida o que pode estar vivendo nessa, mesmo que não seja com toda perfeição desejada.

  Por favor, não estou dizendo que esse tipo de filosofia é um “lixo”.
  Como escreveu Paulo Coelho: “Até um relógio quebrado está certo pelo mesmo duas vezes no dia.”
  Apenas gosto da Filosofia mais objetiva, pragmática.

  Um relógio mais eficiente.



Anterior          <>        Próximo 

Postar um comentário