segunda-feira, 15 de junho de 2015

Teoria do “Eles”

  “O Sionismo é um movimento político e filosófico que defende o direito à autodeterminação do povo judeu e à existência de um Estado nacional judaico independente e soberano no território onde historicamente existiu o antigo Reino de Israel” [Wikipédia]




  Se você se interessa minimamente por política e história já deve ter ouvido falarem horrores sobre o Sionismo.
  Um plano, uma organização secreta diabólica dos judeus para dominarem o mundo...”

  Em verdade vos digo que sionismo era apenas um movimento para que os judeus tivessem um “país”, voltassem ao local que foram expulsos há milênios pelos árabes.

  Geralmente se atribui o início da primeira diáspora (expulsão) judaica ao ano de 586 a.C., quando Nabucodonosor II — imperador babilônico — invadiu o Reino de Judá, destruindo a Jerusalém, e o Templo; e deportando os judeus para a Mesopotâmia.
  Mas esta dispersão se inicia antes, em 722 a.C., quando o reino de Israel ao norte é destruído pelos assírios e as dez tribos de Israel são levadas como cativas à Assíria e Judá passa a pagar altos impostos para evitar a invasão, o que não será possível negociar com Nabucodonosor II. [Wikipédia]

  O objetivo de ter um país para chamar de seu foi alcançado em 14 de Maio de 1948 com o reconhecimento do Estado de Israel.
  Não dá para negar que esse objetivo foi alcançado por linhas muito tortas.

  D’us escreve certo por linhas tortas?

  A linha torta foi o holocausto que matou cerca de 6 milhões de judeus e criou uma comoção mundial.
  Não é irônico que Hitler que queria exterminar os judeus contribuiu com a maior vitória deles nos últimos tempos?
  Realizou o sonho dos sionistas de ter um Estado.

  Para vocês terem uma ideia hoje no mundo todo há cerca de 14 milhões de judeus.
  Não dá uma grande São Paulo que tem 20 milhões de pessoas.
  Acreditar que uma população tão pequena e dizimada na segunda guerra tivesse forças por si própria para conseguir um Estado é viajar muito na maionese.

  Agora que você adquiriu esse conhecimento vamos flutuar pelo abismo dos pensamentos...sigam-me os bons.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Leia esse texto, clique no Link:

  “Com esse novo fato, (ELES) os autores do Mito do Pecado Original precisavam de um bode expiatório para poder manter a imagem do Criador limpa, imaculada e, para tanto, articularam uma saída para desviar o olhar dos fiéis da constatação que o Paraíso nunca existiu realmente, algo que destruiria todas suas mordomias e privilégios, conquistadas através desse condicionamento induzido nas massas representado no Gênesis bíblico pelos personagens de Adão e Eva, duas cobaias humanas sob a tutela desse “Deus judaico-cristão”. [Blog Filosofia sem Delírios]
▬▬▬▬▬▬
  Esse texto é bom, mas sua falha estrutural está no fantasmagórico “Eles”.

  Muitos pensadores tem essa fixação por um GRUPO ESPECIAL DE HUMANOS, uma elite dominante com intelecto muito superior ao da “massa”.
  Essa elite é sempre má, perversa, tentando dominar a “boa, pura e maravilhosa” massa/povo.

  Essa teoria do “eles” é muito antiga na história da humanidade.
  Por um bom tempo esse “eles” eram deuses de todos os tipos.
  A mitologia grega é um bom exemplo.

 Contemporaneamente esse “eles” são tão poderosos que criaram até a ideia de Deus/deuses só para tirar mais proveito do “povo”.

  O “Eles” preferidos são:

  Igreja Católica.
  Imperialismo Inglês/Americano.
  Sionismo Judeu que domina tudo no mundo.

  Sei lá, todos somos povo, todos somos massa.
  Alguns se destacam por “sorte” ou competência.

  Os antigos egípcios acreditavam que o Sol era um deus, por que essa crença não podia ser genuína mesmo entre os mais inteligentes ou melhor posicionados na sociedade!?
  Existia esse grupo que sabia que o Sol é só uma estrela e usava esse conhecimento para subjugar o povo?

  “As pesquisas indicam que o primeiro calendário surgiu na Mesopotâmia, por volta de 2700 a.C., provavelmente entre os sumérios, e foi aprimorado pelos caldeus.
  O calendário possuía 12 meses lunares (entenda o sistema Sol-Terra-Lua), de 29 ou 30 dias, e serviu de base para o adotado pelos judeus.” [Revista Escola]

  Em algum momento a percepção que existe um padrão no posicionamento do Sol gerou um conhecimento que permitiu a contagem do tempo, a consequência foi a maior prosperidade de povos que se organizaram mais eficientemente.
  Outros povos correram atrás da mesma eficiência com calendários mais precisos.
  Então não tem esse grupo de super humanos donos de todo conhecimento desde de sempre que usam esse poder para dominar todo o resto da humanidade.
  Haja visto que já tivemos inúmeros impérios dos mais diferentes povos.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
EU GENUINAMENTE AINDA ACREDITO EM ESPÍRITOS.

  Isso prova que faço parte da massa dominada/subjugada por “ELES” os que sabem que somos apenas maquinas biológicas, mas criaram o mito de espíritos?

  Nós Sapiens estamos na Terra há 300 mil anos, só nos últimos 50 mil anos desenvolvemos o pensamento/sentimento religioso.
  Estou dizendo isso porque muitos leitores acreditam que sempre fomos religiosos e o pensamento ateu é algo novo.
  Acontece justamente o contrário, éramos tão religiosos quanto cães, gatos e macacos.
  O pensamento ESPIRITUALISTA é a NOVA situação humana. [Argumentos Espiritualistas]

  Quero dizer que essa “dominação” premeditada por um grupo, uma “elite” de humanos é uma grande fantasia que dá origem a inúmeras teorias da conspiração.
  Vamos para algo mais palpável que história muito antiga ou espiritualismo/ateísmo.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
   O povo inglês genuinamente acreditou na importância das liberdades e responsabilidades individuais e lançaram as bases da Democracia Moderna.
  Foi uma aposta que deu certo uma vez que “eles” se destacaram positivamente diante de outros povos.
  O erro deles foi se organizarem mais eficientemente!?

  O mundo tomou conhecimento dessa aposta e alguns os copiaram invejando seu sucesso outros fizeram outras apostas... mas não vamos por essa brecha.

  A Inglaterra colonizou muitos povos, mas sem dúvida o que mais incorporou a aposta Liberal/Democrática foram “eles” o Estados Unidos.
  Invejando o sucesso do EUA nós brasileiros poderíamos optar pelo Liberalismo, mas ignorando os números e fatos acreditamos que o Socialismo é a melhor estratégia, então praticamos um Capitalismo mambembe, cheio de culpas, o enchemos de socialismo...mas também não vou entrar mais uma vez por essa brecha.

  Tudo isso foi apenas uma preparação vamos a constatação, identificar um “eles”.

Eles dominam a Internet

  Esse “eles” é evidente que são os americanos.
  Para nossa sorte os americanos são suficientemente democráticos e o mundo todo pode usufruir de suas grandes descobertas e claro pagar por elas.
  A internet foi uma criação americana.
  Bill Gates e Steve Jobs foram sem dúvida de extrema importância para a popularização dos computadores e programas.
  Recentemente as empresas americanas Face e Google revolucionaram o jeito como interagimos.

  Se um povo nos apresenta uma maneira mais eficiente de organização política/econômica porque não copiarmos?

  Preferimos ir na direção oposta?
  Como se não bastasse muitos tem ódio dos americanos e pregam sua submissão ou destruição.
  O erro deles foi fazer apostas acertadas!?

  Esse texto vai ter que continuar, veja porquê.


  Embora os judeus representem uma porção mínima da humanidade sua influência é algo que subverte a lógica.

  Se você pegar a história dos Estados Unidos verá que ela está recheada de judeus o que nos leva a deduzir que esse povo contribuiu muito para o sistema político econômico naquele país uma vez que ocuparam e ocupam cargos importantes.
  Por outro lado lembremos que Karl Marx e Sigmund Freud eram judeus.
  Marx é o primeiro nome que vem a nossa mente quando falamos de Comunismo/Socialismo uma corrente de pensamento 180 graus diferente do Liberalismo/Capitalismo.
  Milton Friedman era judeu e foi um grande pensador do Liberalismo.

  Freud com a Psicanalise avançou sobre uma área importante dominada até então pela Filosofia o que na minha opinião foi uma catástrofe.
  De qualquer forma a influência dos judeus para bem ou para mal nos rumos da humanidade é algo fascinante.

  Não está convencido, então vamos sair dos fatos concretos e voltar um pouco aos “subjetivos”.

  Quando você pensa em super-herói é difícil não pensar no Superman.
  Você sabia que ele é judeu?
  Originalmente ele se chamava Kal-El, o nome de Deus em hebraico.

  Caraca mano, você ainda não está convencido!?
  Para você o mais super de todos os tempos foi Jesus?

  Maria era judia, José era judeu isso te diz alguma coisa sobre Jesus...

I’ll be back!

         

     Hitler se dizia contra o Comunismo e por isso dizem que ele era de “Direita/Liberal” uma vez que Comunismo é tido como movimento de “Esquerda”.

  Hitler não pode ser classificado como Liberal [Direita] porque seu governo foi Totalitário.

  Hitler se classificava como “Socialista” que basicamente tem os mesmo fundamentos do Marxismo/Comunismo.

  Hitler era doido?
  Não é bem assim, você tem que entender o contexto da época.
  Marx era judeu e como Hitler tinha judeus como escória da humanidade, por motivos óbvios não podia se dizer marxista.

  Outro desafeto de Hitler era Stalin.
  Depois da revolução comunista Russa de 1917 e com a morte de Lenin... Comunismo era praticamente sinônimo de “Stalinismo.”

  O que em Stalin irritava tanto Hitler?


  Stalin era expansionista e queria toda a Europa só para ele...Hitler queria a mesma coisa...HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

Adquira conhecimento:


   “Os ataques árabes vieram de imediato. Exércitos de cinco países Líbano, Síria, Egito, Iraque e Transjordânia (a Legião Árabe, treinada pelos britânicos) acometeram, naquela mesma tarde, o território então dominado pelos judeus em diversos pontos de suas fronteiras.
  Combates ferrenhos se seguiram nas duas últimas semanas deste mês, com os defensores buscando manter suas posições contra as investidas na maioria das vezes desorganizadas dos vizinhos.
  A diferença na quantidade e qualidade de armamentos é abismal o arsenal judeu é escasso e antiquado, por conta da restrição britânica de importação de armas durante o mandato, enquanto o árabe é mais moderno e volumoso, arrematado em boa parte da própria Grã-Bretanha.

  Ainda assim, os hebreus, com suas forças bem coordenadas, lograram importantes êxitos militares, frustrando a previsão de um acachapante massacre árabe.” [Veja História]

 Anterior          <>        Próximo 
Postar um comentário