quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Obviedade com ponto de Interrogação


 “O texto faz um panorama sobre os seguintes fatores que, de acordo com o senhor, determinam o senso crítico de uma pessoa, seriam eles: Dom inato (talento), família, escola e professores.
  Atribui também um peso enorme ao papel da cultura nessa equação, não vejo até aqui contradição entre o que o senhor disse e o meu comentário.
  Vamos ao que nos separa.

  Eu questionei ao senhor SE conscientização sobre limites, direitos e deveres PODE ser uma alternativa viável QUANDO existe omissão da família.

  Diante disso o senhor me responde:
  “Mais uma vez não sei como um professor do Estado pode ser mais eficiente que você pai ou mãe para transmitir valores a seus filhos.”
   Senhor William, eu lhe pergunto:
   Seu argumento tem lógica diante da minha proposição?
  Um abraço!” 
  [Comentarista G+;4/8/2014]  Clique Aqui

  Seu questionamento é aquele que nem precisa responder.

  Não considero um questionamento e sim uma obviedade com ponto de interrogação.

  Vamos ver um exemplo:

  “Devemos olhar dos dois lados antes de atravessar a rua?”

   Percebe que se tirarmos o ponto de interrogação fica uma afirmação óbvia?
  Daí vem alguém e diz:

  “Se a rua for de mão única não é preciso.”

   Vem outro alguém e diz:

 “Mas é possível que venha um carro na contra mão...”

  Percebe?
  Fica uma filosofia que parece profunda, mas só traz obviedades.



  A centralidade da educação e cultura fica na família, mas em caso da falta nós enquanto sociedade devemos tentar suprir de alguma forma?
 [Tire o ponto de interrogação e fica uma OBVIEDADE]

   Eu me entedio com obviedades, mas a sua até que foi proveitosa.
   Explicar obviedade não foi tedioso...depois transformo em texto.
   Obrigado pela “inspiração”.
   Vida longa e próspera!
_______________________________               
  Esse debate me provocou a escrever alguns textos sobre coisas óbvias para eu as quais não entendo como muitos não conseguem enxergar.
  Certos debates eu evito por TÉDIO, no entanto a comentarista do G+ me mostrou a importância de também discutir o óbvio.
  Vamos ao primeiro texto que me veio à mente depois desse debate...

   Outra obviedade entediante são as discussões sobre clima.
  O que devemos fazer para diminuir o impacto de nossa espécie sobre o planeta?

  Diminuir o número de indivíduos!
   [É tão óbvio]

  Essa deveria ser a prioridade, a base dos debates sobre clima, mas é raro ver alguém falar sobre isso.
  Muitos dizem que sou simplista, a poluição do planeta não pode ser resumida a taxa de natalidade.
  Eu não estou resumindo a isso estou apresentando a base onde tudo mais deve se apoiar nessa questão.
  Dizem que somos muito consumistas e temos que consumir menos... “se diminuirmos a população consumiremos menos.”

  Você tediosamente deve estar resmungando que países com população pequena na Europa consomem mais que países com população grande na África.
  Mas a qualidade de vida que observarmos na Europa não é a qualidade de vida que desejamos aos africanos!?
  Esse não é um objetivo agradável a todos?
  Ou você se diverte com imagens de extrema pobreza na Africa e deseja o mesmo para  Europa?
  É, a resposta é óbvia, nem me fale.

  A questão é:
  Que relação econômica tem o aumento da população africana e o aumento da riqueza?
  A qualidade de vida da minha família melhoria se eu tivesse 5 filhos?
  Viu como responder perguntas óbvias é um tédio.
  Aqui no Brasil se você tem muitos filhos sem ter condições para isso pode ganhar algum dinheiro do Bolsa Família, mas não espere uma boa qualidade de vida com esse dinheiro, será um aspirante a classe C.

  Nas nações mais civilizadas a queda da natalidade é algo animador, devemos levar essa mentalidade também para as nações mais pobres. Clique Aqui

  Melhorar a qualidade de vida da população na Índia passa por melhoramos sua capacidade de consumo, imaginem uma Índia com capacidade de consumo suíço.
 
  Seria uma calamidade insuportável para o planeta.

  Ficamos diante do dilema:
  Não nos importamos com o crescimento populacional na Índia e torcemos pela miséria para não sobrecarregar a natureza.
  Ou torcemos pela diminuição drástica daquela população com melhora acentuada na qualidade de vida.
============================
  Dizem que China e Estados Unidos são os maiores poluidores do planeta e você os odeia por isso...

  Talvez a China você não odeie então concentra todo seu ódio no vilão americano.
  Vamos meditar sobre essa situação “nos colocando” nessa equação ambiental/filosófica?
  Quem sabe nos odiemos um pouco...HAHAHAHAHAAHAHAHAHAHHAHA!

  Você encomenda uma ceia de Natal a um restaurante.
  Todos sabemos que fazer comida consome energia (gás/eletricidade) e gera muitos resíduos (lixo). 
  Você recebe a comida, tudo corre muito bem, uma ceia alegre cheia de paz e harmonia.
  No outro dia você coloca um saco de lixo para fora, mas o restaurante coloca três.
  No pensamento linear você deduz que o restaurante polui mais que você, mas no pensamento 3D a realidade nos salta aos olhos.
  O restaurante poluiu em função de você, não me venha posar de vítima inocente nessa história.

  Quero dizer que se você consome qualquer bem ou serviço chinês ou americano a poluição que surge nesses países também é em função de você.

  Com o capitalismo melhorando cada vez mais a qualidade de vida das pessoas é urgente diminuir o número de habitantes.
  Incentivar todos ao planejamento familiar, a PATERNIDADE RESPONSAVEL.

  Podemos ser 5 bilhões com boa qualidade de vida ou 15 bilhões disputando infernalmente espaço, água e comida.
  A escolha lhe parece óbvia?

  I’ll be Back!

   Para você ter uma ideia o Brasil tem 200.000.000 de habitantes em uma área de 8 514 876 km².
  A Índia tem área de 3.287.782 km²

  A índia tem uma população 6 vezes maior, em um território que não chega a metade do tamanho do Brasil.

Anterior          <>        Próximo
Postar um comentário