terça-feira, 1 de novembro de 2016

Gerar Empregos

“O assunto mais importante do mundo pode ser simplificado até ao ponto em que todos possam apreciá-lo e compreendê-lo.
  Isso é - ou deveria ser - a mais elevada forma de arte.”
  [Charles Chaplin]

  A França reduziu a jornada de trabalho para 36 horas semanais.
  Está sendo uma catástrofe.

  Em um país de primeiro mundo os salários são melhores e as condições de trabalho também, tudo isso tem um custo.
  No entanto se esse trabalhador mais preparado consegue ser mais produtivo ocorre uma compensação.
  O francês trabalha menos tempo, ganha melhor, mas produz mais.

  Será que o cidadão francês consegue ser um trabalhador tão mais eficiente que os de outra nacionalidade?

  Vamos escolher uma profissão, engenharia.
  Quanto um engenheiro francês da empresa Total francesa consegue ser mais produtivo que um engenheiro brasileiro da Petrobras?
  Essas coisas são muito difíceis de mensurar.
  Em linhas gerais um engenheiro francês de alto nível e tão eficiente e produtivo quanto um engenheiro de alto nível brasileiro.
  O que temos na engenharia como nas demais profissões são talentos individuais que se destacam.
  Na prática um engenheiro francês não consegue ser muito mais produtivo que outro engenheiro de qualquer nacionalidade.
  Se a brasileira Petrobrás tem bons engenheiros que trabalham 44 semanais é evidente que será mais competitiva que a Total francesa que tem bons engenheiros que trabalham 36 horas semanais.

  Vamos pensar pequeno.

  Imagine que você tem que trocar o piso da sua casa.
  Conhece dois bons pedreiros.
  Os dois cobram o mesmo preço, 1000 reais.
  Um se propõe a trabalhar 8 horas por dia o outro 5 horas.
  Qualquer um vai optar pelo que trabalha mais horas, a obra será entregue mais rapidamente.


  Imagine que você pesquisou bastante e encontrou o televisor que queria com menor preço em 2 sites.
  Um site te entrega em 3 dias o outro em 7.
  Com mesmo preço, facilidade de pagamento e confiabilidade dos sites a opção pelo que entrega mais rápido é óbvia.

Se você é dono de uma empresa e pode escolher o país que quer operar, satisfeita todas as necessidades, vai querer operar onde pode contar com o trabalhador por 36 horas ou por 44?

  Quando você vê os sindicatos lutando por uma baixa carga horária entenda que isso é um tiro no pé, prejudica demais o mercado de trabalho.

  É matemática básica.
  Se você trabalha 8 horas e recebe 100 reais é um custo.
  Se você passa a trabalhar 6 horas sem redução de salário … claro que o custo aumenta.

  Esse aumento de custo tem várias implicações, vamos ver as situações mais comuns.

1 - A Apple (ou outra empresa qualquer) quer construir uma nova fábrica na América Latina ou se associar a uma empresa para produzir seus produtos.
  É evidente que ela vai procurar um país que garanta a qualidade do produto ao custo mais baixo.
  Se o Brasil é um país competitivo, com uma população de 200 milhões tem um enorme potencial de consumo interno.
  É um fortíssimo candidato para ser uma base de exportação.
  Agora, se o custo Brasil é muito alto porque se arriscar?
  É melhor produzir no México, Chile ... e exportar para o Brasil.
  Isso significa que muitos empregos NÃO serão gerados.

  Tem mais um inconveniente.
  Quando uma eficiente multinacional se instala no Brasil é inevitável a transferência de tecnologia.
  Veja o caso da China, de tanto eles receberem projetos de smartphones aprenderam a fazer.
  Um trabalhador brasileiro que seja funcionário da Sony inevitavelmente ficará experiente na produção de alguns de seus produtos.
  O engenheiro brasileiro irá ficar a par de todos as dificuldades possíveis e imagináveis na produção de eletroeletrônicos.
  Uma empresa do porte da 3M ou Toyota oferece boas condições de trabalho mesmo para os postos mais baixos.
  Fazer estágio em uma Nestlé é sem dúvida uma grande experiência profissional.
  Enfim, você que vê com maus olhos as multinacionais no Brasil deveria fazer um tratamento para “miopia mental.”

 2 - Muitos sonham em abrir um negócio próprio.
  Uma empresa por menor que seja precisa de funcionários.
  Não dá para você sozinho tocar uma padaria, loja de roupas, salão de beleza, restaurante.
  Quanto mais caro e burocrático para contratar funcionários mais difícil é você iniciar o próprio negócio.
  De repente você tem uma boa ideia, mas pouco dinheiro, se a legislação torna muito caro iniciar um negócio claro que só os que nasceram em bom berço conseguem alguma coisa.
  Uma ilustração simples.
  Você acredita que abrir uma loja de cosméticos em seu bairro pode dar certo.
  Tenha certeza que você sozinha negociar mercadoria, receber produtos, cuidar dos impostos, limpar, atender o cliente, cuidar do caixa, gerenciar estoques ... não dá.
  Pelo menos uma funcionaria terá que ter, isso se o negócio for bem pequeno e com pouco movimento.
  Acontece que um negócio muito pequeno raramente dá um bom dinheiro que justifique tanto trabalho.
  Lembre-se que ainda mais no Brasil qualquer comércio está sujeito a roubo, essa constante tensão não deve ser ignorada.
  Você trabalhar de caixa em uma empresa e ser assaltada com um revolver é uma situação traumática, imagine se a empresa é sua e o dinheiro é seu...
  Aquilo que você trabalhou o dia inteiro para conseguir em seu pequeno comércio, vem alguém e em 5 minutos leva tudo. 😩

  Mas voltemos a questão do horário e funcionários.
  Você precisa abrir a loja das 8 ás 18 horas.
  São 10 horas por dia x 5 = 50 horas
  No sábado dás 8 ao meio dia são mais 4 horas.
  Isso quer dizer que em um horário comercial padrão você precisa ter funcionários durante 54 horas.

  Não precisa ser nenhum gênio da matemática para entender que quanto menos horas de trabalho for permitido por lei, mais funcionários você terá que contratar.
  Então em um pensamento tosco parece que reduzir horários de trabalho aumenta a geração de empregos.
  Na realidade isso NÃO ACONTECE.
  A sociedade/governo aumenta muito o CUSTO de iniciar um negócio então eles NÃO iniciam.
  E se em um ato de coragem e otimismo iniciam ... não duram muito tempo.
  Entenda que você colocar um piso bonito na sua loja, adquirir uma vitrine descolada, fazer uma fachada bonita é apenas um custo inicial, depois não gasta muito dinheiro com isso.
  Com funcionários é diferente, TODO MÊS você tem que bancar.
  Ainda tem atestados médicos, férias, décimo e terceiro...
  NÃO “malandros”, não estou dizendo para tirar esses direitos, apenas estou lembrando que eles tem um custo.

  Vamos para realidade.
  Você acredita que ao reduzir a jornada de trabalho a empresa que iria contratar 2 contrata 3.
  Na pratica o que acontece é que inviabiliza o negócio, a empresa não inicia e ninguém é contratado.
  As grandes empresas [Se tiverem uma boa lucratividade] suportam o aumento de custos.
  Mas, sempre tem o mas, em qualquer país quem mais emprega são as pequenas e médias empresas que por motivos óbvios são a maioria.


3 - Imagine agora que você trabalha em uma fábrica de óculos.
  A empresa é bem administrada, tem gente talentosa e vocês fazem ótimas armações.
  Poderiam exportar para outros países, mas fabricar aqui no Brasil é caro, ninguém no exterior aceita pagar o preço que precisamos.
  Mesmo fazendo um produto de boa qualidade além de não conseguir exportar ainda pode perder mercado aqui, porque para o lojista importar sai mais barato.
  Assim como em geral um trabalhador francês não tem como ser tão melhor que os trabalhadores de outras nacionalidades; o trabalhador brasileiro não tem como ser tão mais eficiente e criativo que todos os outros trabalhadores do mundo.
  Essa coisa de cada povo se achar o melhor do mundo é só uma babaquice cultural.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Senhoras e senhores, mais uma vez não estou lhes falando de teorias econômicas complexas/acadêmicas.
  É matemática básica.
  Todos querem trabalhar pouco (30 horas) e ganhar muito, salário mínimo de 3 mil.
  É impossível isso não ir parar no preço final do produto.
  Tudo fica muito caro, nominalmente você ganha mais, mas compra a mesma quantidade de coisas.
  Quanto mais difícil for iniciar e manter uma empresa, menos empresas teremos, sem empresas sem ofertas de emprego.

  Entenda:

NO CAPITALISMO NÃO EXISTE ESSA COISA DO GOVERNO “GERAR EMPREGOS”.

  QUEM GERA EMPREGOS É EU, VOCÊ, cada um que abre uma empresa ou através de uma boa administração consegue ampliar a que tem.
  O Governo atrapalha ou não atrapalha a geração de empregos.
  Se o legislativo cria leis que encarecem muito abrir e manter uma empresa, elas não surgem ou trabalham bem abaixo da capacidade.

  O governo pode “gerar empregos” criando estatais, mas aí já caminhamos para o ineficiente Socialismo/Comunismo.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Por outro lado ninguém quer ser “explorado”, “se matar de trabalhar”.

  No próximo texto vou falar de jornada de trabalho e aposentadorias, mas só fará sentido se você entendeu muito bem o que foi exposto nesse texto.
  Uma coisa é o sonho outra é a realidade.
  Uma coisa é o que queremos fazer outra é o que podemos fazer.

  Para época em que vivemos, o que a Filosofia Matemática sugere para Jornada de Trabalho?

  A lógica me diz que 40 horas padrão com possibilidade de extensão até 60 horas seria bastante satisfatório.

I’ll be back!




CUSTO

 1-  O conceito de custo está ligado ao sacrifício feito para produzir algum bem ou serviço.

2-  O conceito de custo está ligado ao sacrifício feito para alcançar um objetivo, realizar um desejo.

  No item 1 temos o conceito financeiro de custo, no item 2 temos o conceito filosófico.


☠                                       ☠
  Excelente texto:

  “Aconteceu numa sessão qualquer de uma dessas comissões da Câmara dos Deputados em que pouca gente fala, pouca gente escuta e quase ninguém presta atenção, mas nas quais, de vez em quando, é possível ficar sabendo das coisas mais prodigiosas.

  No caso, o deputado Nelson Marchezan Júnior, do Rio Grande do Sul, tomou a palavra a certa altura dos procedimentos e revelou o seguinte:

  A Justiça do Trabalho deu aos trabalhadores brasileiros que recorreram a ela no ano passado um total de R$ 8 bilhões em benefícios.
  No decorrer desse mesmo ano, gastou R$ 17 bilhões COM SUAS PRÓPRIAS DESPESAS DE FUNCIONAMENTO.

   É isso mesmo que está escrito aí.
  A Justiça do Trabalho brasileira custa em um ano, entre salários, custeio e outros gastos, o dobro do que concede em ganhos de causa à classe trabalhadora deste país.
   Pela aritmética elementar, calculou então o deputado, o melhor seria a Justiça do Trabalho não existir mais, pura e simplesmente.
  Se o poder público tirasse a cada ano R$ 8 bilhões do Orçamento e entregasse essa soma diretamente aos trabalhadores que apresentam queixas na Justiça trabalhista, todos eles ficariam tão satisfeitos quanto estão hoje, as empresas reduziriam a zero os seus custos nesse item e o Erário gastaria metade do que está gastando no momento.
  Que tal?

  Não existe nada de parecido em país algum deste mundo, ou de qualquer outro mundo.
  Como seria possível, numa sociedade racional, consumir duas unidades para produzir uma — e achar que está tudo bem?

  Você pode querer que nenhuma mudança seja feita nisso aí.
  Também pode achar que esse sistema, tal como está, é uma conquista social.   

  SÓ NÃO PODE QUERER QUE UM NEGÓCIO DESSES FUNCIONE.”





Anterior          COMENTAR        Próximo
Postar um comentário