sábado, 22 de novembro de 2014

Petrobrax

  Muitos defendem que uma empresa feita com dinheiro público não deve ser privatizada, vamos ver se isso tem lógica?

  


  Pense pequeno, quer construir uma casa para alugar.
  Você não vai morar nela é só um jeito de guardar capital enquanto está na fase produtiva.
  Sua capacidade de ganhar dinheiro aos 30 anos pode não ser a mesma aos 60.
  A casa foi construída com seu dinheiro, mas outros irão usufruir.
  Em troca você fica com o rendimento do aluguel.

  Quem já alugou sabe que não é mélzinho na chupeta, tudo depende de conseguir um bom inquilino
  Alugar imóveis pode ser fonte de grande dor de cabeça.
  Muita gente desisti de alugar, devido a calotes e destruição do imóvel.
  Se o imóvel fica vago vira alvo de depredação, pode até ser invadido por sem teto.
  Se o imóvel fica em condomínio fechado você se livra da depredação, mas não escapa da taxa de condomínio.
  Enfim, algo que era para lhe render algum dinheiro acaba dando PREJUÍZO.
  Por vezes é melhor vender tudo e se contentar com o rendimento da poupança que é baixo, mas isento de dor de cabeça...quando não há risco de confisco.

  Veja a Filosofia Matemática em ação:

  Em 2013 a Poupança rendeu 5,91%.
  Quer dizer que se você tinha 500.000 no início de 2013 chegou em 2014 com 529.550
  Como a inflação acumulada em 2013 também foi de 5,91%... esses 29.550 de “ganho” é pura ilusão.
  De qualquer forma se você não ganhou dinheiro também não perdeu.
  Se tivesse guardado embaixo do colchão teria “perdido” 29.550 reais.

  Debaixo do colchão você continua com os 500 mil, mas o preço das coisas subiram em média 5,91%, o que você comprava no início de 2013 com 500 mil já não consegue comprar em 2014.

  Quando alguém compra ações na Bolsa de Valores o processo é semelhante.
  Você pega seu dinheiro, injeta em uma empresa apostando que ela vai crescer e lhe gerar lucros/dividendos.
  Mas a empresa pode não ir bem, se as ações caem de preço é igual a casa alugada que só está lhe dando prejuízo.
 [É importante entender isso para um bom aproveitamento desse texto]
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Vamos pensar grande, em termos de Governo.

  Suponhamos que você é Presidente, a população cresceu e necessita urgentemente de mais energia.

  Construir hidroelétricas demora, a melhor opção é Termelétricas.
  O investimento inicial é alto.
  Você não encontrou empresários com capital para bancar esse projeto ou com disposição para correr esse risco.
  Do outro lado você não pode deixar a população sem eletricidade.
  A solução tecnicamente é fácil.

  A população entende a urgência da obra e aprova (via Congresso) a construção da termelétrica com o dinheiro dos impostos.

  E depois o que fazer?
  Sabemos que o governo é bom para construir grandes obras (quando NÃO há corrupção), sabemos também que ele é ruim para gerir.

  A solução técnica continua fácil.
  Com a termoelétrica já construída o risco diminui bastante.
  O grupo empresarial que achava arriscado construir agora se interessa em operar.
  Você como Presidente (Através do Congresso) pode optar por vender a construção já pronta ou alugar “conceder” seu uso por determinado período.

Privatizar ou não Privatizar?

Imagine que você é GOVERNO.

Situação 1:

   Você vende um imóvel (que vale 500 mil) por 500 mil e recebe esse valor.
   Mesmo depois do imóvel vendido o comprador é obrigado a te pagar IPTU e outras diversas taxas.

Situação 2:

  Você tem uma empresa de tratamento de água e esgotos.
  Ela vale 2 Bilhões e você vende por 2 Bilhões.
  Mesmo depois de vendida o comprador é obrigado a te pagar 35% do faturamento da empresa em impostos.
 (Média de tributação no Brasil)

Nas duas situações se o comprador fizer uso indevido ou infringir alguma lei, você pode punir com multas e até prisão.

  A pergunta é bem simples.

PORQUE NÃO REALIZAR ESSES NEGÓCIOS!?

  Seu trabalho vai ser arrecadar o dinheiro (fiscalizar) e aplicar em coisas que realmente importam SAÚDE, EDUCAÇÃO E SEGURANÇA.


  CONCESSÃO OU PRIVATIZAÇÃO?

  As duas opções se feitas com honestidade e inteligência são boas.
  Historicamente tem sido menos eficiente o governo operar. 

  O governo tem uma grande vantagem sobre nós indivíduos.
  Mesmo vendendo ele continua recebendo “aluguel”. [Impostos]
  Os impostos tem que ser pagos e eles aumentam quanto mais aumenta o faturamento da empresa.

  A grande vantagem da venda sobre a concessão é que a Sociedade recupera mais rapidamente o capital investido.

  Lembre-se do básico:
  Qualquer governo em si NÃO TEM DINHEIRO, todo governo é um arrecadador do dinheiro da SOCIEDADE.
  O dinheiro é da Sociedade, o Governo apenas administra seu uso.
  Por isso o interesse em recuperar o dinheiro gasto tem que ser meu e seu ... pagadores de impostos.

  Suponhamos que nossa termoelétrica custou 5 bilhões aos “cofres públicos.”
  Se você opta pela concessão os cofres públicos recebem o dinheiro dos impostos, pode demorar décadas para repor o dinheiro gasto.
  Se o governo vende continua com o dinheiro dos impostos e tem uma rápida recomposição do capital.
  Digamos que o grupo empresarial compra a termoelétrica e acerta quita-la em 5 anos.
  A partir do quinto ano essa empresa só nos dará "lucro".

  A vantagem da Concessão é que mesmo sobre administração da empresa privada o Governo ainda mantem um grande poder, pode por exemplo não renovar a concessão.
  Em setores considerados estratégicos isso pode ser interessante/importante.
  No entanto o conceito de “setor estratégico” é muito subjetivo ... fica para outro texto.

   Entenda que os impostos só deixarão de ser pagos se a empresa falir.

  Se uma empresa privada é mal gerida ou tem um “azar” estratégico, ela fecha ou é vendida para outro grupo.
  Se a empresa for Estatal ela continua aberta dando prejuízo a Sociedade...daí haja impostos para cobrir seus déficits.

 “Há apenas uma maneira de matar o Capitalismo: com impostos, impostos e mais impostos.”
 [Henry David Thoreau]

   


  Curiosidades sobre o nome:

a) “Originalmente Petrobrás, o nome fantasia da empresa foi alterado para Petrobras, apesar da terminação oxítona em 'a', (seguida de 's'), obedecendo à Lei nº 7.565 de 1971, em acordo com a Academia Brasileira de Letras e a Academia das Ciências de Lisboa, segundo as quais nenhuma sigla é acentuada na língua portuguesa.

b) “Em dezembro de 2000 foi anunciada uma alteração, o novo nome fantasia seria Petrobrax, mais adequado à pronúncia na língua inglesa, já que a empresa tornava-se importante internacionalmente.
   Seria também uma maneira de expandir a sua operação de varejo na América Latina (postos de gasolina) contornando uma negativa imagem imperialista que o Brasil exerce sobre seus vizinhos.
   No entanto, houve uma forte rejeição no meio político e entre os funcionários da empresa, bem como entre a população brasileira em geral, pois isso representaria o abandono do sufixo bras (de Brasil).
  No início de 2001 a diretoria abandonou definitivamente os planos de alterar o nome fantasia da empresa.
  Em 1998, a marca da Petrobras para uso fora da América do Sul foi modificada.
  A cor do logotipo Petrobras foi alterada de verde para azul passando-se a utilizar fora do Brasil somente o logotipo Petrobras em azul, sem o símbolo BR.”

  [Wikipédia]




Anterior          <>        Próximo