segunda-feira, 11 de maio de 2015

Insegurança do Segurança

“Nos indivíduos, a loucura é algo raro, mas nos grupos, nos partidos, nos povos, nas épocas, é regra.” [Friedrich Nietzsche]

  Assisti um vídeo o qual não vou reproduzir porque pode prejudicar o policial envolvido.

  Vou resumir:
  Está ocorrendo um desentendimento na agência bancária.
  O policial pede pelo menos 3 vezes para a mulher que estava depois da porta giratória vir conversar com ele.
  A mulher intransigentemente se recusa.
  Ele avisa que se ela não sair vai tira-la dali.
  A mulher ignorou, era como se o policial não estivesse ali.
  Ele entrou a pegou pelo braço e literalmente a jogou para fora da agência.

  A revolta na agência e nos comentários da internet foi geral.
  Pouquíssimos questionaram a recusa da mulher em falar com o policial, ele não deveria ter encostado a mão nela e ponto final.

  Nessa questão eu experimento intensamente a solidão sólida é como se eu pensasse diferente de todo mundo e por mais que eu medite não vejo fatos ou argumentos que me façam mudar de pensamento.

  Um agente de segurança não poder usar a força não faz sentido para mim.

  É como um padeiro não poder usar trigo ou um padre não poder usar a bíblia.

  A força física é o principal recurso de trabalho de um agente de segurança.

  A capacidade de diálogo vem logo em seguida.
  Não, você não entendeu errado eu realmente defendo isso.
  Analisemos a situação na agência bancária e ela servirá de parâmetro para muitas outras.
  Não é possível que só de entrar na agência alguém não foi com a cara da mulher e chamou a polícia.
  A maioria de nós já presenciamos situações assim.
  Houve um problema/desentendimento, aconteceu o diálogo/negociação e como não chegou a um acordo chamou a segurança.

  Quando você chama um policial é porque acredita que sua capacidade de diálogo é muito maior que dê todas as outras pessoas da sociedade?

  Você não acha esse pensamento fantasioso?
  De repente o curso de soldados forma profissionais com uma capacidade de diálogo muito acima da média!

  Se a maioria acredita nisso é nesse ponto que divirjo da maioria.
  O soldado tem a mesma capacidade de diálogo que qualquer um, alguns são mais habilidosos outros menos.
  O que muda na relação e faz a outra parte ficar mais predisposta a ouvir é a possibilidade do uso da força.
  Um ladrão lhe aponta uma arma e pede seu celular, você cede pelo diálogo ou pela possibilidade do uso da força?
  E se você tiver certeza que a arma é de brinquedo.
  O diálogo do assaltante não vai funcionar.
  Você vai correr ou sair no tapa.

  Aquela mulher na agencia bancaria seria tão intransigente com um assaltante de banco?
  Claro que não, porque ela sabe que o assaltante vai usar a força fácil, no caso do policial ela apostou que ele não iria fazer a “loucura” de usar a força com ela.
 
  Entenda que a possibilidade do uso da força é o que permite efetivamente o segurança manter o cumprimento das normas.

  Se nós enquanto sociedade não permitirmos que um agente de segurança use a força sacrificamos muito o cumprimento das normas de qualquer lugar, veja um exemplo:

  Certa vez um cidadão estava fumando em área proibida.
  Duas mulheres pediram para ele apagar o cigarro e foram ignoradas.
  Segundo as mulheres ele fumou um cigarro e acendeu outro, nisso elas vieram falar comigo.
  [Entenda que o diálogo já ocorreu, entenda que ele estava descumprindo uma lei estadual.]
  Eu disse:
  Senhor é proibido fumar nesse local.
  O cidadão olhou para o meu rosto e continuou fumando.
  Eu tirei o cigarro da mão dele e caminhei em direção à rua.
  O cara ficou indignado e me seguiu.
  Falei que eu devolveria o cigarro se ele fumasse no lugar permitido.
  Ele cedeu pelo meu diálogo ou pelo uso da força?

  É importante que você entenda o risco que eu corri.
  O cara era baixinho, magrinho, longe de estar em boa forma física.
  Tenham certeza que se ele viesse para cima de mim e eu simplesmente o empurrasse era só isso que as pessoas iriam ver, um cidadão monstruoso, no caso eu, agredindo um sujeito bem menor.
  Não estou dizendo que ele era a pessoa monstruosa, talvez estivesse em um péssimo dia, mas...

 NORMAS TEM QUE SER CUMPRIDAS MESMO QUANDO NÃO ESTAMOS DE BOM HUMOR.

  Naquele momento eu estava irritado.
  Se eu estivesse no meu normal eu diria as mulheres o que já disse inúmeras vezes.

  - Não tem como obrigar o cidadão a apagar o cigarro tente ligar 190.

  A pessoa fica decepcionada, mas para um segurança é a coisa mais sensata a fazer.
  O Estado criou essa lei que peca pelo exagero, mas no geral é boa, eu particularmente defendo que o proprietário de um bar possa permitir o uso de cigarro em SUA PROPRIEDADE.

  “Falam que o Sarney é de “direita”, mas quando ele foi Presidente congelou com o poder do Estado todos os preços, quando alguém adepto do liberalismo econômico faria isso!?
  O Brasil nunca teve um Governo Liberal de fato, nem no regime militar.
  Não se esqueça que os fundadores do PT e PSDB são todos de esquerda.

  Veja o PSDB que eles dizem ser de direita: Partido da "Social" Democracia Brasileira.
  "Social" é só um eufemismo para Socialista e "Democracia"...todo partido Comunista diz lutar pela Democracia, mas a primeira coisa que faz é calar ou tentar calar a imprensa, sempre que conseguiram estabeleceram uma ditadura.
  Lembram o que o Serra fez com a lei antitabagismo?
  É uma lei importante, mas proibir até o “proprietário” de um estabelecimento permitir cigarro em sua PROPRIEDADE é um exagero.
  Mesmo que o cara estabeleça uma área para não fumante ele é proibido por lei!!
  É uma intervenção do Estado SEM LIMITE, o que mais Serra faria?” [Porque não se Candidata]

  De qualquer forma, quando alguém está fumando em lugar proibido o enrosco sobra para o balconista, recepcionista, segurança do local se tiver.
  O público incomodado quer uma providencia, mas não quer incomodar o Estado, seria muito demorado.
  Ligue para a polícia e denuncie alguém fumando em local proibido, espere a viatura.

  Mesmo para policiais a providencia não pode ser o uso da força.
  Se você é um reles segurança ou gerente do local a lei não fica a seu favor caso use a força, a população/testemunhas também não.

  Um segurança alto e forte acaba sendo um reles espantalho.

  O que um espantalho faz?
  Você coloca para espantar os pássaros, mas se o pássaro pousar ele não tem como fazer nada.
 
  É importante que você entenda que absolutamente todos nós tem dia que acordamos mais irritados ou algo no decorrer do dia nos desestabiliza.

  Vamos verificar a situação surreal que surge dessas duas variáveis.

1- Ficamos indignados se o segurança chega a usar a força

2- Todos nós um dia perdemos a calma.

  Qual tipo de segurança é mais vantajoso para empresa contratar se o objetivo for lidar com o público?
  Um homem alto e forte.
  Uma mulher.
  Um homem bem idoso.
  Uma mulher idosa.

  A pior escolha é o homem alto e forte.
  Sim, em uma sociedade lógica sem dúvida seria a melhor opção, mas em uma sociedade com tão alto grau de irracionalidade ocorre essa subversão da lógica.
  Um homem alto e forte só vai servir de espantalho, sua força e tamanho pode intimidar alguns, mas se ele usar o recurso “força” a empresa terá problemas.
  Lembre-se que ele é como aquele cidadão com arma de brinquedo não pode fazer uso da força, NÓS NÃO PERMITIMOS.

  Se esse homem forte estiver irritado e usar a força em alguém...
  Por mais certo que ele esteja, se esse alguém for uma mulher ou idoso a empresa será processada com chances quase inexistentes de ganhar o processo.

  Se você tem como segurança uma mulher ou idoso “invocados” tudo fica a favor da empresa.
  Primeiro, a imagem de não ser uma empresa machista ou preconceituosa quanto a idade conta muitos pontos é uma boa propaganda.
  Segundo, um “grandão” não vai se meter com seu segurança mulher ou idoso porque as consequências serão terríveis, todo público ficará contra ele a empresa pode até mover um processo contra o agressor.
  Percebem como a situação se inverte?
  Se sua segurança mulher sair no tapa com outra mulher ninguém fica indignado.
  Se você contratar como segurança um idoso suficientemente debilitado caso ele brigue com uma mulher saudável a mulher ficará em desvantagem jurídica e publica.
  O único problema para o segurança idoso seria uma idosa.
  De qualquer forma o risco jurídico da empresa diminui bastante.
  O perfil dessa segurança mulher ou idoso tem que ser aquela pessoa chata, cricri com as normas.
  Mulher chata e idoso cricri não faltam em nossa sociedade, mão de obra abundante...HAHAHAAHHAHAHAHAHAH!

  Para trazer algum dinheiro para casa já fiz muito trabalho de segurança, no meu emprego atual mesmo não sendo segurança e NÃO ganhando para isso frequentemente sou acionado...eu devo ter jogado pedra na cruz.
  Eu sou homem, alto, forte e as pessoas acham que sou melhor para resolver certos conflitos...só não posso usar a força.
  “Cara que cuida muito dos músculos não cuida do cérebro”.
  É, muitos só de me olhar já apostam que sou burro.
  Se sou burro e não posso usar a força, porque me acionam!?
  Eu já disse o quanto detesto sair de casa?

  Por favor, não estou me fazendo de coitadinho, estou mostrando uma realidade.
  Quem é homem e já fez algum serviço de segurança, mesmo informal, sabe o que estou falando.
  Quem é público em geral sabe que sempre se posiciona a favor de quem lhe parece mais fraco.
  Por esses dias um detento não quis entrar no camburão, os agentes o derrubaram, arrastaram e o colocaram a força.
  Eu achei a ação normal, não houve espancamento, usaram a força necessária para que o detento fizesse o que era pra fazer.
  No entanto o público em volta ficou revoltadíssimo:
  “Não se faz isso nem com um animal.”
  “Policiais são mais marginais que os bandidos.”

  Sei lá, para o cara estar preso alguma coisa de grave ele fez.
  A consulta médica já havia terminado a ordem é retornar com o detento, porque os agentes tem que implorar para que o detento respeite a norma!?
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Nessa questão de controle do público geralmente é mais fácil dialogar com os caras fortes.

  Não é que eles sejam mais educados que as mulheres, idosos ou baixinhos folgados.
  Eles sabem que se o segurança chegar ao enfrentamento físico, com eles será legitima defesa, como geralmente o segurança está apenas fazendo seu trabalho resguardando as normas do local, o cara forte fica em grande desvantagem na justiça.
  Claro, o segurança corre o risco de levar uma surra inesquecível.

  As pessoas acreditam que o dialogo pode tudo, mas não estamos tão civilizados a ponto de dispensar o uso da força.

  Você pode até ser uma pessoa muito civilizada, mesmo assim precisa da força para se proteger dos não tão civilizados.

  Imaginem se abolíssemos a polícia e todos os casos de violência fossem encaminhados para psicólogos, padres e pastores, profissionais supostamente bons de diálogo.
  No próximo texto vamos ver como é nefasto para nossa sociedade essa cultura/loucura de permitir o uso da força a todo mundo menos aos agentes de segurança.


  “Eu consigo calcular o movimento dos corpos celestiais, mas não a loucura das pessoas.” [Isaac Newton]



Anterior          <>        Próximo 

Postar um comentário