segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Sobre Inferioridade

“Eu não faço amor, eu fodo com força.”
[50 Tons de Cinza]

Christina Autran: Partindo do ponto básico da filosofia “nelson-rodriguiana”, a mulher realmente gosta de apanhar?

Nelson Rodrigues: Isso é o óbvio ululante.
  Evidentemente, quando eu digo que a mulher gosta de apanhar, não quero dizer apanhar a toda hora, a todo instante e de todo mundo. Ela gosta de apanhar do ser amado.
  Mas é claro que, quando eu digo que a mulher gosta de apanhar, não me refiro a todas as mulheres, me refiro somente às normais.
  A mulher neurótica reage.

  Gostava de ler Nelson Rodrigues não tanto por concordar com suas proposições, mas pela maneira como ele escancara seus pensamentos algo tão parecido comigo.

  Escrevendo ontem sobre a fantasia erótica das mulheres lembrei dessas afirmações de Nelson, mas não tive tempo de localizar.
  Freud também disse algo parecido com relação ao desejo inconfessável da mulher em ser “estuprada” no entanto devemos ter cuidado em não confundir isso com uma proposta de crime.
  O que Freud quis dizer é que a mulher quer que o seu homem a deseje intensamente a tal ponto que se preciso fosse a tomaria a força, é evidente que a mulher quer isso com alguém que ela deseje também e não com qualquer um.

  Uma colega do passado dizia que não se importava em ser encoxada no ônibus apertado o que a revoltava é que só os "mal-acabados” fazem isso.
  É hilário ela contando da vez que viu um tremendo gato subindo no ônibus e ela rezou para ele se esfregar nela nem que fosse um pouquinho, prece feita, prece atendida, naquele momento ela subiu aos céus...HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

  A grande maioria das mulheres heterossexuais querem que seu príncipe encantado seja encantado perante a sociedade, mas no a sós quer um garanhão, alguém que a possua como se ela fosse a coisa mais importante e desejada em sua vida, que ele não se importe nem com o “não”.
  As mulheres heteras gostam do homem que tenha “pegada”, que a deseje bastante e seja homem o suficiente para “forçar” uma situação, vamos entrar por essa brecha quente e húmida...essa foi “Zorra Total” eu sei.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Porque “Cinquenta Tons de Cinza” fez tanto sucesso!?
  Não é o tipo de leitura que gosto, é um romance, não li e provavelmente não irei ler.
  Sei do que se trata devido ao sucesso de vendas, é uma relação de sadomasoquismo leve onde o homem é o dominador e a mulher a dominada.

  [É tropeçando em fatos, notícias, comentários que meus textos “gritam” para sair, é uma pressão absurda que vem de todos os lados, eu quero dormir ou fazer outra coisa qualquer, mas preciso escrever.
  Qualquer coisa que me induza a escrever um texto eu chamo de “provocações”]

  Semana passada estava debatendo no Google+ sobre como a Bíblia e outros livros sagrados tratam a mulher com “respeito”, mas como um ser abaixo do homem, um ser inferior.
  Ontem voltei a comentar isso no Blog Sombra do Onipotente.
  A debatedora do Google+ disse que eu não deveria usar as palavras “superior” e “inferior”, não entendi porque não posso usar estas palavras, a argumentação dela não foi satisfatória, logo, irei usar as palavras inferior e superior mesmo que machuquem os ouvidos das pessoas, não serei “politicamente correto.”

  Vamos meditar por enquanto apenas sobre as religiões herdadas de Abraão: Judaísmo, Islamismo e Cristianismo.

  “Um dos principais rabinos do nacionalismo religioso em Isarel, Zvi Tau, defende que a mulher deve restringir-se ao seu “habitat natural”, a casa, porque não foi criada por Deus para dedicar-se “às profundezas da ciência e da moralidade”.
  “Zvi Tau argumenta que as mulheres não são discriminadas em relação aos homens, mas simplesmente Deus lhes reservou qualidades e espaços diferentes na vida.
O homem é mais racional, enquanto a mulher mais emocional, pelo que “elas” devem esquecer “as profundezas da ciência e da moralidade” e dedicarem-se a dar à luz e criar os filhos. “É a sua vocação natural”, sublinha.” [Inacreditável]

  Nos livros sagrados dessas religiões é proibido a mulher ocupar o cargo máximo mesmo naquela pequena sinagoga, mesquita ou igreja.
  No Estado Laico seria como colocarmos na Constituição Federal que apenas homens podem ser donos de empresa ou as presidir, ser Presidente ou Primeiro Ministro só é permitido a homens, mulheres ficam de fora por mais competentes que sejam.

  Se fizermos isso, estamos determinando constitucionalmente que a mulher é inferior ao homem.

  Ela pode ser amada, respeitada, mas não pode dirigir empresas.
  O Homem pode ser amado respeitado e pode dirigir empresas.
  Quando temos tudo que uma outra pessoa tem e algo mais, estamos em uma situação SUPERIOR.
  O “algo a mais” nos deixa em uma situação de superioridade.
  Pelas Religiões o homem tem um “algo a mais” que o torna superior a mulher, ele pode chegar ao cargo máximo e ela não.
▬▬▬//▬▬▬
  Visualize a questão:
  Imagine dois carros, rosa e azul.
  Diferentes no designe, mas com motores idênticos, “a mesma alma”.
  Tanto o carro rosa quanto o azul podem chegar a 200 km/h.
  Você proíbe o carro rosa de passar dos 190 Km/h ou coloca um dispositivo para limitar sua velocidade final, vejamos as analises:

 a) Mesmo que o carro rosa tenha a mesma potência foi colocado em uma situação de INFERIORIDADE.

 b) Se o carro rosa foi criado com capacidade de atingir 210 km/h e for limitado a 190 Km/h ainda assim permanecerá em uma situação de inferioridade.

 c) Se o carro rosa foi criado para atingir no máximo 190 km/h... está em uma situação de inferioridade.

  Percebam que Filosoficamente só verificaremos igualdade se os dois carros foram criados para atingir 200 Km/h e isso for permitido a ambos.
  Se o pessoa vai andar mais rápido ou devagar já é uma outra situação, são potenciais iguais com opções diferentes, guardem isso, é a chave da nossa viagem.
  Meditem, depois continuamos...



  “Beije-me, droga! imploro a ele, mas não consigo me mexer. Estou paralisada, com uma vontade estranha e desconhecida, totalmente encantada por ele.”
[50 Tons de Cinza]

  “Ás vezes me pergunto se existe algo de errado comigo.”
  [50 Tons de Cinza]

Anterior          <>        Próximo 

Postar um comentário