terça-feira, 14 de agosto de 2012

Mulheres em Pecado

"Os homens têm autoridade sobre as mulheres, pelo que Allah preferiu alguns a outros, e pelo que despendem de suas riquezas... E àquelas (mulheres) de quem temeis a desobediência, exortai-as, pois, e abandonai-as no leito, e batei-lhes". [Alcorão 4:34]

  O Corão ou Alcorão é o livro sagrado da religião Islâmica, é a “Bíblia” deles.

  Nessa passagem vemos que ele sugere que mulheres desobedientes sejam abandonadas ou apanhem.

  Quando lemos as traduções do Corão, a construção das frases nos parece muito estranha, meio “papo de bêbado”.
  Mas em verdade vos digo que o Corão tem uma beleza que nós que não falamos árabe não temos como apreciar.
  Ele foi todo feito em versos como “Os Lusíadas” de Camões.
  Hã, você nem imagina o que são lusíadas e camões?
  Ignorante ... HAHAHAHAHAHAHAHH!
  É uma obra que conta a história dos portugueses em versos.

  Vamos falar da Bíblia que ao menos esse livro todos no Ocidente conhecem.
  Quando vejo mulheres defendendo com unhas e dentes a Bíblia é como se elas estivessem defendendo com unhas e dentes que são inferiores ao homem.
  Torá, Corão e a Bíblia dizem isso.

  Se alguma mulher judia, islâmica ou cristã dirige cultos está indo contra o que prega os livros sagrados dessas religiões.

  Existe Pastor, não existe “Pastora”. Existe Rabino, não existe “Rabina”.
  Os Católicos respeitam isso, os Muçulmanos respeitam isso, os Judeus respeitam isso; a exceção são algumas correntes evangélicas.
  Oras, se o livro sagrado é 100% a palavra de Deus ele não pode ser mudado, a mulher é inferior ao homem.
  A “modernização” introduzida pelos evangélicos não pode acontecer sem cair em pecado.
  Se as religiosas aceitassem a inferioridade a discussão seria outra, mas elas dizem que são iguais aos homens, flagrantemente desrespeitam o desígnio de Deus para elas!!!

  Se alguém propusesse proibir o livro “50 Tons de Cinza” ou queima-lo em praça pública eu acharia uma imbecilidade, é apenas uma obra de ficção, compra quem quer.
  Então entendam que não estou falando mal do livro, desejo boa sorte a sua autora, quem dera fosse eu.
  Mas por linhas tortas o livro dá suporte as minhas argumentações de que muitas mulheres gostam de ser submissas ao homem.
  O que a mulher fala da boca para fora não é o que leva em seu coração [que romântico].
  Também não é algo cultural, um condicionamento é um GOSTO.

  Mas atente que existe uma grande diferença:
  Se deixar ser dominada ou for obrigada a ser.
  Não entendeu?
  Você optar por dirigir ou não dirigir um culto é uma coisa, mas ser proibida de fazê-lo é outra.
  Você optar por levar tapas é uma coisa, leva-los sem querer é outra.
  Aqui no “Mundo” [termo usado pelos religiosos] a mulher ter uma relação sadomasoquista não a torna inferior ao homem, está tendo prazer, está pensando nela mesma, tem homem que não gosta desse tipo de relação, como já disse alguns gostam até da situação inversa onde eles são “castigados”.

  Nas religiões a mulher é obrigada a se submeter ao homem, não é uma opção, é uma lei sagrada.

  Chegamos a conclusão que em um romance do “mundo” como 50 Tons de Cinza na teoria a mulher está submissa ao homem, na pratica não.
  Nos livros sagrados na teoria a mulher é submissa ao homem e na pratica também.
  Uma mulher que se diz cristã, judia ou islâmica e não vive submissa ao homem está em pecado, contrariando as leis sagradas.
  Entenderam muierada inferiores das igrejas ou querem que eu desenhe? HAHAHAHAHAHAAHAHAAHA!


Comigo ninguém tem paciência!


Anterior          <>        Próximo 



Postar um comentário