segunda-feira, 30 de abril de 2012

Ubermensch

  “Em 1943, no auge da movimentação no Campo de Parnamirim, havia um
soldado do estrangeiro para cada onze natalenses. 
  Entre 1941, quando os americanos chegaram, e 1945, passaram por Natal 42 000 militares. 
   Ali foi construída a primeira fábrica da Coca-Cola da América Latina, e um cinema ao ar livre, um casino e a visita freqüente de celebridades de Hollywood garantiam a diversão dos americanos. Enquanto seus companheiros na Europa e no Pacífico viviam os horrores da guerra, em Natal os soldados namoravam as moças potiguares, estas encantadas com o tipo físico exótico dos jovens branquelos. (Muylaert revela que, por algum motivo torpe, o governo brasileiro havia pedido que os Estados Unidos não enviassem negros a Parnamirim.)” [Veja] Clique Aqui
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
  “Foi a época do Neocolonialismo, apoiado no poder econômico, militar, mas também nas teorias de superioridade do homem branco europeu, entendido como “cientifica” desde as teorias de Darwin, que foram usadas para sustentar a idéia de “missão civilizadora”. Era o “darwinismo social”.[Historianet]
                                                
  Eu não entendo muito bem uma pessoa se envergonhar de algo que ela não tem controle, como nascer pobre por exemplo.
  Até onde sabemos ninguém escolhe nascer pobre então não entendo porque devo me envergonhar de ser pobre.
  No caso da pobreza durante o decorrer da vida pode ser amenizada ou até enriquecermos, mas e coisas que não teremos como mudar?
  Você nasceu anão [esqueçamos o politicamente correto] quem em sã consciência gostaria de nascer anão? Você gostaria de ter um filho com Nanismo?
  Não seja hipócrita! Não estou dizendo que você não iria ama-lo estou perguntando se você gostaria de ter um filho com Nanismo. 
  Quem em sã consciência gostaria de ter um filho com Síndrome de Down?
                                                 ====================
  Sabem, eu tenho um certo desconforto diante daquele indivíduo que bebe e depois dirige, eu o acho um grande idiota
  Eu também não me dou muito bem com viciados de qualquer tipo. 
  Não é possível que alguém neste país não saiba que a droga pode viciar e não é possível que a pessoa logo no começo não identifique que a dependência esta ocorrendo em sua vida.
  O cara dirige bêbado e se provocar algum acidente que o mundo se dane!
  O cara percebe que esta ficando viciado, mas não esta nem aí, o mundo que se dane!
  Oras é natural que o cara cometendo algum delito eu também não esteja nem aí com ele, ele que se dane!
  Quero dizer que é LÓGICO eu ter um “pré conceito” de que bêbados e drogados sejam idiotas eles tiveram uma possibilidade de ESCOLHA. 
  Sei que estou simplificando a situação demais, mas é só para o texto não ficar muito longo.

  É ILÓGICO eu desprezar de qualquer maneira um anão ou um portador de Down, porque eles não tiveram escolha, são vitimas de uma circunstancia.

  Meditem muito bem sobre “possibilidade de escolha” essa é a chave deste texto.

  No caso dos negros a Filosofia Matemática fica até muito mais light, nem caminha para grande complexidade, vem comigo!
  Como a maioria dos humanos tem cerca de 1,65 metros o designe das coisas seguem este padrão, um anão para dirigir um automóvel [por exemplo] esse deverá ter algumas adaptações. 
  Ser anão provoca alguma desvantagem não por motivo intelectual, mas simplesmente por não ter uma medida padrão.
  Já uma pessoa com Down raramente tem um Q.I. maior que 80, eu também não gosto muito da metodologia empregada para medir o Q.I., mas é o que temos para o momento.
  Se os pais não colocarem esta criança desde cedo em um atendimento especializado ela terá grandes desvantagens na vida.
  Percebem que com relação aos negros fica difícil localizar qualquer desvantagem?
  Percebem que um negro não teve uma opção de escolha de tom da pele então não tem do que se envergonhar nem de que se orgulhar?
  De onde vem tanto enrosco então?

  Meu amigo Darwin disseminou a idéia de que somos apenas maquinas biológicas em evolução e a humanidade abraçou tão fortemente esta idéia que buscou acelerar essa evolução, buscar essa “purificação racial.”

  Darwin sugere que até aquele momento o ápice da evolução humana era o homem branco europeu, um ser humano mais evoluído até aparecerá, mas será uma evolução do homem europeu.
  Isto passou a justificar a escravidão dos negros africanos por que afinal eram um estagio mais primitivo da humanidade, para alguns não tinham nem alma [para aqueles que conciliavam ciência e religião].
  Houve uma corrida mundial dos Governos para “embranquecer” os povos.

  “O governo brasileiro havia pedido que os Estados Unidos não enviassem negros a Parnamirim.”

  Para homens como Hitler o ápice da evolução humana era a raça ARIANA.
  Muitos enxergam Hitler e o povo alemão daqueles tempos como monstros, mas possivelmente o que os movia era o desejo de EVOLUÇÃO rápida da humanidade, a busca do Ubermensch profetizado por Niet.
  Neste plano de pensamento fica fácil defender que os Nazistas lutavam para a paz na humanidade, o estabelecimento de um admirável mundo novo habitado por super-homens...
  Meditem sobre tudo isto, depois “talvez” eu continue este texto.
  Hã! Você quer alguma provocação maior? Tá bom.
  Se Darwin estivesse certo seria inevitável que Hitler ganhasse a guerra.
  Bem, Hitler não ganhou a guerra então o Darwinismo Social é insatisfatório?
  “Decifra-me ou te Devoro!”
                             
               

Era Vitoriana 
A Rainha Vitória ascendeu ao trono inglês em 1837 e governou até 1901, quando faleceu. Esse perído ficou conhecido na história como “Era Vitoriana”, e foi caracterizado pela ascensão da classe média, pela moral conservadora, pelo intenso nacionalismo e por grande popularidade da soberana - uma época ainda de florescimento cultural e político, em que se amplia a participação dos cidadãos no governo. 
Foi a época em que o imperialismo britânico se expandiu por todos os continentes, exercendo grande influência nos países americanos recém independentes da América – destacando-se a participação na organização da economia e da política externa do Brasil, como por ocasião da Guerra contra o Paraguai – da África à Oceania. Foi a época do Neocolonialismo, apoiado no poder econômico, militar, mas também nas teorias de superioridade do homem branco europeu, entendido como “cientifica” desde as teorias de Darwin, que foram usadas para sustentar a idéia de “missão civilizadora”. Era o “darwinismo social”. 
Foi a época da intensa repressão aos movimentos sociais de populações afro-asiáticas, como a Guerra do Ópio, a Guerra dos Cipaios, a Guerra dos Boxers e a Guerra dos Bôeres. As vitórias inglesas garantiram a ampliação dos mercados aos produtos e capitais britânicos, que promoveram o enriquecimento da burguesia e possibilitaram ao Estado estender parte de seus ganhos a setores sociais até então marginalizados, assim como garantir direitos políticos e sociais para todas as camadas. 
Essa situação de expansão econômica e de direitos se combinou com o discurso e comportamento puritanos da realeza, amparada pela Igreja Anglicana e assimilado pelo povo, que via positivamente o comportamento dos governantes, que deveriam ser tomados como modelo. 


anterior                                           <>                                                próximo

Postar um comentário