sábado, 10 de março de 2012

Sem Perdas

 “Um cigarro encurta a vida em 2 minutos. Uma garrafa de álcool encurta a vida em 4 minutos. Um dia de trabalho encurta a vida em 8 horas.” [2 homens e meio]
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
 HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH!
  Hã, não é politicamente correto  insinuar que trabalhar é um pé no saco?
  Tudo bem, eu não quis dizer exatamente isso, foi só uma piada que achei engraçada.
  Na Filosofia que pratico existe um parâmetro bem simples que eu repito varias vezes e que por incrível que pareça as pessoas ignoram ou não concordam com este parâmetro tão simples, ao não concordarem com ele a Filosofia Matemática faz pouco sentido.

  A VIDA NÃO É EXATA!

  Quantas vezes eu já escrevi isto? Incontáveis.
  Em um sistema ou situação de plena eficiência, um trabalho uma ação é realizada e não acontece nenhuma perda, nenhum desperdício de energia.
  Note que não estamos falando nem de reaproveitamento. Um sistema de plena eficiência é um sistema perfeito, não há PERDAS, logo não há o que reaproveitar.
  Um sistema com 100% de aproveitamento de energia é um sistema perfeito e a perfeição é uma situação em que a vida se apresentaria exata.
  Como Livre Pensador eu nunca consegui observar um sistema perfeito, então por hora a perfeição para eu não existe, sempre há alguma perda.
===========================
  Mas sabemos que pelo menos da boca para fora a humanidade acredita na existência de um ser perfeito. “Deus só pode ser Deus se ele for perfeito se não for perfeito não pode ser Deus.”
  Logo, Deus na cabeça das pessoas é exato, se Deus criou a vida ela é ou será exata em algum momento quanto mais nós nos aproximarmos dele.
  Meus amigos gregos acreditavam em vários deuses e todos eles eram imperfeitos.
  Não vamos entrar no mérito se existe só um Deus, vamos nos concentrar se existe um ser ou seres muito poderosos, mas inexatos, imperfeitos.
  O choque entre meus pensamentos e o das outras pessoas acontece porque elas esperam soluções perfeitas. 
  Eu até tento, busco soluções perfeitas, mas pela dinâmica como a vida se apresenta desconfio que a perfeição é impossível então admito, aceito alguma perda.
  No texto “Multifuncional” alguns colegas disseram que a limitação da função limita a empregabilidade.
  Como há perdas as mentes que acreditam na perfeição não aceitam a proposta.
  Como não acredito na perfeição alguma perda é admissível a proposta não precisa ser exata, sem falhas.

  Aplicando a Dialética  eu digo que esta assim de gente multifuncional desempregada, ou seja, é um sistema que também apresenta perda, não é perfeito, ser multifuncional não é garantia de emprego.

  Pessoas que suportam bem operações repetitivas podem se adaptar a outras funções repetitivas sem grandes problemas.
  Se a fabrica onde ela só aperta parafusos fechar, ela pode ir para outra colocar chocolates em forminhas, cortar pontas de linha em uma confecção, inspeção de qualidade onde só procure pelos mesmo defeitos...
  Uma pessoa com habilidade para funções repetitivas pode até ter mais empregabilidade que uma pessoa multifuncional..
  A grande vantagem da multifuncional é que ela alcança mais facilmente cargos de chefia e por conta disto consegue salários melhores.
  Mas como já escrevi, nem todos almejam serem chefes e assumir grandes responsabilidades.
  Ainda bem que é assim... Viva a diferença!


anterior                       <>                                próximo
                                                                   

Postar um comentário