quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Geração de Empregos

  "Os dramas de consciência demorariam a aparecer, porque ao ter uma (floricultura), eu colaboraria com o crescimento da atividade econômica, e para o emprego de muita gente."  [Nihil]
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
 
  Da série coisas que não entendo esta "justificativa" de dar emprego para manter algumas atividades é uma das que mais desafiam a lógica, pelo menos de uma mente capitalista como a minha, para as mentes comunistas deve ser mais "entendível".
  Evidente que floriculturas estão longe de ser o grande mal da face da Terra então vamos falar de armas que atenderão melhor o propósito do texto.


  Sem duvida a industria bélica gera muitos empregos, mas sei lá, acho que no mundo há armas demais.


  Se a produção de armas fosse reduzida em 50% teríamos muitas pessoas desempregadas e sem perspectiva de emprego, fadadas a miséria?
  No Capitalismo as coisas não funcionam exatamente assim. 

  A produção de armas não é indispensável ao Capitalismo ou a manutenção de empregos, simplesmente existe uma grande demanda por armas então naturalmente aparece quem esteja disposto a oferta-las.
  Vejo países que vivem tanto em guerra que crianças desde cedo já empunham pistolas.
  Se estes povos não passassem tanto tempo alimentando a violência teriam mais tempo para viver em paz.
  Em paz você se preocupa mais com a produção de alimentos, arte, desenvolvimento de produtos, lazer, brinquedos...


  Toda essa industria e comércio emprega muita gente, logo quem não trabalhasse produzindo armas não estaria fadado ao desemprego eterno.


  Uma criança pode "demandar" um revolver calibre 38, mas também pode demandar um vídeo game, não é o Capitalismo que define isto, é a cultura dos povos.


  Eu não tenho armas em casa, tirando meu irmão que é policial o resto da família não consome este tipo de produto, mas o dinheiro não fica guardado lá no banco, consumimos outras coisas.
  Quero dizer que até tem pessoas cujo hobby é colecionar notas de dinheiro, tipo Tio Patinhas, mas a grande maioria usa o dinheiro para adquirir produtos e serviços, o dinheiro que não for gasto em guerra será gasto em outras coisas como lazer.


O EMPREGO MUDA DE ACORDO COM A DEMANDA 


  Um dia um marginalzinho metido a filosofo disse que é preciso ter ladrões para "empregar" os policiais...HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAH!
  Como vê essa "justificativa da geração de empregos" é um plano de pensamento difícil de estruturar.
  Se tivéssemos uma sociedade com menos marginais meu irmão estaria inevitavelmente desempregado, não teria mais nenhuma profissão que ele pudesse seguir!!!
  Da mesma forma se comprássemos menos flores para colocar na água, compraríamos mais vasos com elas na terra, teríamos mais jardins e seus gastos, teríamos mais pessoas produzindo flores artificiais, as terras que utilizamos produzindo flores para o "abate" poderiam ser utilizadas para produção de alimentos ou deixadas como reserva florestal, presentearíamos mais com chocolate e outros doces, vinhos, champanhes, daríamos viagens de presente...empregando mais gente neste tipo de industria e serviços.


==========================
  Por favor captem a profundidade deste pensamento, esta justificativa de dar empregos é um grande problema da sociedade atual, muitos sofismas são montados em torno disto.

  Por exemplo:
"Os camelos e flanelinhas precisam continuar porque sem este trabalho passariam fome."


  É comum um(a) traficante quando é preso dizer que tem um filho pequeno para sustentar.
  Sim senhoras e senhores, todos nós precisamos nos sustentar, mas por vezes o nobre e necessário fim não justifica o meio empregado.
  Pensem nisto quando o melhor argumento que alguém tiver para justificar uma atividade econômica for a "geração de empregos".
  Prender pássaros em gaiolas é uma selvageria.


 
"Ah, mais gera empregos para o fabricante de gaiolas!"


    Humm...esta explicado, eu é que não consigo entender, azar o meu "sorte" dos passarinhos...eu acho, sei lá entende!




anterior                       <>                                próximo