domingo, 20 de novembro de 2011

Paralelos

" Barack Obama é o melhor mau exemplo disto — que vivem declarando, como se pedissem desculpas, que o Ocidente nada tem contra o Islã etc. e tal. Ora, é claro que não! Por isso os islâmicos estão em toda parte."   [Reinaldo Azevedo]
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
  Certas noticias que leio fico me perguntando como pessoas defendem situações tão sem pé, sem cabeça. Vou encher este texto de paralelos, não fique tonto com o vai e vem, é para chacoalhar sua mente para ver se pega no tranco.
  

  Primeiro idolatram o passado quanto mais primitivo melhor, "igrejas do primeiro século".
 O avanço tecnológico tem que ser freado, pois esta acabando com a humanidade!!!!


  Em segundo vem a critica ao Ocidente como se Londres, Nova Iorque ou Paris fossem a soma de tudo que temos de pior na humanidade. [Mas todos querem conhecer o antro da perdição]


  Já falei aqui sobre o ridículo que é um cidadão abandonar seu país, ir morar nos subúrbios da França e acreditar que esta fazendo um grande favor aos franceses a ponto de se reunirem para incendiar veículos e depredar as cidades ao sentirem-se discriminados, oras, não esta bom voltem para seu país de origem.


=========================
  Eu minha mãe e meus irmãos praticamente fugimos de meu pai bem cedo eu tinha uns 10 anos, deve ser isto porque com 11 anos eu trabalhava na banca do seu Wagner e já não estava com meu pai há algum tempo.
  Eu era bem ajuizado e tudo que a vida fazia por conta disto era aumentar meu fardo, claro que na época eu não tinha esta consciência.
  Meu pai se foi e por eu ser ajuizado e responsável fui eleito o novo pai, mas a situação era meio obscura porque ajudar levar o sustento era quase obrigação eu era o homem da casa, já para ditar os rumos da família eu era só um garoto que não sabia de nada.
  Porque estou escrevendo isto?


  Se acontece alguma atrocidade no mundo os EUA como país rico tem que fazer alguma coisa, mas não pode partir para guerra nem impor bloqueios comerciais, tem que se virar para entrar no território, socorrer os necessitados sem interferir no governo que esta lá!!!!!!


  Eu desde cedo entendi que eu não tinha esta obrigação de ser pai dos meus irmãos, um dia teria meus filhos aí sim me caberia este papel.
  Infelizmente depois da Segunda Guerra os americanos aceitaram esta incumbência de serem os pais do mundo, a policia do mundo, se foi por ganância ou boa intenção não vamos entrar por esta brecha agora.
  De certa forma entendo eles, como prosperaram bastante e saíram vitoriosos da guerra começaram a se sentir "o povo eleito de Deus" [talvez por um tempo até sejam].
  Como a história recente mostra eles não estão acima das leis de mercado e se não tomarem maior cuidado um desastre econômico aponta no horizonte, não dá para abusar da sorte.
  Como minha vida foi muito difícil não conseguia me sentir eleito ou escolhido para alguma coisa a não ser nos 3 anos que fui presbiteriano, minha situação era tão critica naquela fase que aquela "eleição" falada nos cultos só se fosse depois da morte porque em vida estava osso...
  Ajudei a cuidar de meus irmãos sem deixar de perceber o quanto minha situação era frágil.


  Acredito que já passou da hora do Ocidente que deu certo desistir de salvar o mundo, é cada um por si e Deus para todos.


 Meus irmãos sabendo que não poderiam contar comigo para qualquer coisa e com meu pai não poderiam contar com nada, cada um cuidou de si e todos estão razoavelmente bem.
  Os países desenvolvidos ao invés de gastarem bilhões tentando democratizar países que não tem nada a ver com eles poderiam buscar uma maior parceria com países mais compatíveis com seus ideais.
  Quero dizer por exemplo que se todo dinheiro gasto na guerra do Iraque fosse usado para Brasil e EUA desenvolverem biocombustiveis possivelmente já teríamos uma boa opção energética em conjunto com o uso do petróleo.
  Se os países desenvolvidos do Ocidente não tivessem investido tanto dinheiro na China e tivessem optado melhor por países da América latina talvez a geografia econômica fosse diferente.


   Se o cristianismo não tentasse converter o mundo e se concentrasse em cuidar melhor de quem já é seguidor de Cristo nós faríamos muito mais pela humanidade que provocar a morte de um bom homem no Irã.


  Não falarei mais sobre isto porque o Reinaldo já o fez brilhantemente.
  Eu sinceramente aconselharia este iraniano a negar Jesus e quando as coisas se acalmassem buscasse asilo em um prospero país do Ocidente onde pudesse exercitar livremente sua fé até em Maomé ou Buda se quisesse.
  Hã? O que Jesus pensaria disto? Acredito que levaria na esportiva afinal Pedro o negou 3 vezes e não deu nada, Jesus em seu bom senso entendeu a situação no passado porque não entenderia agora?
  Observo que quem não entende somos nós e para nosso bem deveríamos urgentemente começar entender, tente, você consegue...

Pastor Yousef Nadarkhani, condenado à morte no Irã. 
Motivo: ele é cristão


anterior                       <>                                próximo

Postar um comentário